Pular para o conteúdo principal

Mauro Santayana: Juan Carlos, o quinto rei do Baralho

O Rei Juan Carlos caiu em Botsuana, quando caçava elefantes, e fraturou a bacia. O Rei Juan Carlos é presidente de honra da Ong WWW-Adena, que existe para proteger os elefantes da extinção.
Por Mauro Santayana, em seu blog

A caça de elefantes em Botsuana é legal: paga-se 20.000 euros por animal abatido, e se gasta pelo menos mais 30.000 pela viagem.

Os gastos do Rei são pagos pelo povo espanhol, que está sendo castigado por medidas de austeridade, com o desemprego acelerado e a redução de despesas sociais.

Em lugar de exercer o dever de todos os monarcas, e buscar resolver os graves problemas de seu país, o Rei vai caçar elefantes.

Por isso mesmo, o povo começa a perguntar-se se não é melhor ficar apenas com os quatro reis do baralho – e enviar os Bourbón para caçar elefantes na África.

Só os monarquistas, como saída, defendem a abdicação do rei e sua substituição pelo filho mais velho, o Príncipe de Astúrias, Filipe, de cuja inteligência pouco se sabe.

Nas vésperas da morte de Franco, quando preparavam a sua substituição por Juan Carlos, dizia-se que ele havia sido condecorado com duas medalhas, uma por idiota, e outra para substituir a primeira, se a perdesse. Está merecendo uma terceira, de igual referência.

Enfim, Juan Carlos é tão útil como um quinto rei no baralho.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A conspiração dos Pazzi, a vingança dos Médicis e o ódio político

Por Genaldo de Melo Recebi mensagem de um amigo militante petista que de forma ainda romântica como nos anos oitenta (quando o partido estava em formação e sonhava com um projeto político para o país, em que a justiça social fosse de fato o foco principal, em detrimento dos interesses particulares de apenas alguns indivíduos e grupos políticos e econômicos, que sempre foram as premissas para o chamado subdesenvolvimento em todos os sentidos de nosso país), em que o mesmo solicita nossa modesta opinião sobre os últimos acontecimentos do país em que o ódio de algumas pessoas parece que tomou conta das ruas do país contra o seu partido e seu maior líder.
Em seu texto ele estupefato observa tudo em que o seu partido, em uma correlação com outras forças políticas, transformou o país numa potência econômica mundial, em que tanto aqueles que são responsáveis pelo desenvolvimento econômico propriamente dito, como aqueles que são a força do trabalho, deram-se literalmente bem na sociedade, não e…

Depois do interrogatório policial Manuela D'Ávila cresceu seus números

Por Genaldo de Melo A imprensa tradicional brasileira sempre teve o lado dos interesses das elites como prioridade de seus processos de comunicação e formação de opinião. Mas a partir do momento em que com os avanços das novas tecnologias da informação o povo passou a ter escolhas e alternativas, essa imprensa não mais conseguiu impor seus pontos de vista à maioria da população como sempre fazia.
Nessa semana ficou comprovado que o povo brasileiro deixou de ser tão bestializado assim, apesar de que nenhuma reação  ainda se faz nas ruas. Dois fatos chamam à atenção para esse processo de recolhimento desse processo de lavagem cerebral que a mídia tradicional vem tentando fazer desde as eleições de 2014, quando Dilma Rousseff venceu democraticamente.
O primeiro são as pesquisas eleitorais que demonstram que o povo brasileiro não acredita que Lula está preso porque ganhou um simples apartamento em Guarujá, transformado no maior escândalo da história política brasileira. Na pesquisa CNI/IBOPE…

A classe média não terá nem planos de saúde e nem SUS

Por Genaldo de Melo
Diz ditado popular que quem tem telhado de vidro não pode atirar pedra em ninguém, e foi exatamente isso que classe média brasileira fez ao ocupar as ruas do Brasil em 2016, exigindo a saída da petista Dilma Rousseff do governo. Não tem com negar que o Golpe de abril de 2016 foi, necessariamente, contra a população mais pobre e, principalmente contra a classe média brasileira.
Desinformados politicamente, cidadãos foram às ruas do país de forma fervorosa, apoiando um processo de impeachment antidemocrático (já que a mulher tinha sido eleita nas urnas e não cometera nenhum crime), e agora recebem as punhaladas que provavelmente não mereciam de quem deveria fervorosamente defender seus interesses na posição de governo.
De tudo o que aconteceu até agora, a atual Resolução Normativa nº 433, da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), responsável pela regulamentação do setor de planos de saúde, simboliza o maior baque para a classe média. A contar também pela sabotagem…