Pular para o conteúdo principal

Lições para América Latina

O golpe de Estado no Paraguai travestido pelo “ritual institucional” traz importantes lições para as forças populares comprometidas com a transformação social
Editorial da edição 487 do Brasil de Fato
O recente golpe de Estado no Paraguai travestido pelo “ritual institucional” traz importantes lições para as forças populares comprometidas com a transformação social. Como ponto de partida, constata-se que a América Latina segue sua luta contra o colonialismo contemporâneo. O conteúdo do neocolonialismo se expressa em alguns elementos da herança colonial, ou seja, nas estruturas dos países latino-americanos, particularmente na via conservadora do processo de formação do capitalismo marcado pela ausência de reformas estruturais na sociedade. Além disso, destaca-se o modelo econômico dependente e uma classe dominante sem projeto de nação, subordinada aos interesses do imperialismo e comprometida com formas políticas autocráticas de dominação de classe. No campo da cultura não é diferente, o neocolonialismo impõe a adoção servil de modelos externos e trava uma luta ideológica violenta contra tudo que é ao mesmo tempo nacional e popular. Tudo isso atualiza o capitalismo dependente como uma marca da formação social latinoamericana.
Atualmente, o capitalismo na sua fase neoliberal representa os interesses neocoloniais. Desde 1998, com a eleição de Hugo Chávez na Venezuela, os povos latino-americanos vêm rejeitando o neoliberalismo em diversos países. Com a atual crise econômica mundial, também a classe trabalhadora europeia ensaia uma rejeição à selvageria capitalista neoliberal. Diante desse cenário, uma correta estratégia política de transformação social dispensa ingenuidades. Dispensa a ingenuidade de acreditar em qualquer compromisso da classe dominante com a democracia, mesmo que burguesa e formal. Democracia sim, contanto que alinhada aos interesses imperialistas do capital financeiro e do latifúndio. Dispensa a ingenuidade de não se preparar adequadamente para a reação das classes dominantes e do imperialismo, inimigo principal da humanidade.
A tragédia paraguaia alerta para um flanco aberto, um erro crasso no processo de condução das mudanças em curso na América Latina. O inimigo não é ingênuo e explora o elo frágil do bloco de governos que foram eleitos a partir de 1998. Esta fragilidade reside no fato de que, com exceção da Venezuela e da Bolívia, os governos de esquerda latino-americanos não estão educando política e ideologicamente as massas. Estamos perdendo uma oportunidade histórica. Mesmo que esteja sendo constituída uma resistência ao golpe no Paraguai, é doloroso admitir que o povo não saiu em massa às ruas para defender o governo. Isso ocorreu não pelo fato do povo paraguaio concordar com o golpe, mas sim pela ausência de um projeto político de referência. O que ocorreu foi o protesto de parte da base social dos movimentos populares. Insuficiente. Claro que esse processo de educação política não depende somente da vontade de governos, mas também de correlação interna.
A questão fundamental: o que polariza e movimenta as classes sociais, o que educa política e ideologicamente as massas são projetos políticos pautados em reformas estruturais na sociedade. São estas reformas que dialogam com o nível de consciência das massas, resolvem seus problemas concretos e que são imprescindíveis para a constituição de força social que sustente um projeto político de mudanças estruturais na sociedade. O próprio governo deve buscar compensar a ausência de correlação forças favorável no campo institucional com mobilização popular. Nesse sentido, não é um bom exemplo para os países latino-americanos o neodesenvolvimentismo descolado de reformas estruturais disseminado pelo Brasil. Isto porque ao não pautar as reformas estruturais não educa política e ideologicamente as massas, abrindo um abismo entre o governo e as massas. A consequência é que esses governos, sem forças sociais concretas e conscientes da necessidade da mobilização, ficam excessivamente dependentes de correlações de forças institucionais. Aliás, em 2005, com a chamada crise do “mensalão” por muito pouco não passamos por golpe de Estado pela “via institucional”.
Não são incomuns os exemplos históricos nos quais projetos de mudanças dessa natureza impulsionaram as classes populares a defenderem governos que materializaram tais projetos. Temos o exemplo clássico do Chile. O processo de mudanças em curso na Bolívia e na Venezuela também é um exemplo pautado em reformas estruturais e por isso está mais seguro, pois está formando uma força social educada política e ideologicamente e referenciada num projeto de mudanças estruturais.
O golpe de Estado no Paraguai, portanto, lança a necessidade de fazer esse ajuste no processo de condução das mudanças em curso na América Latina. Ou se aprofunda esse processo pautando as reformas estruturais, ou então o imperialismo estadunidense vai continuar explorando a ausência de forças sociais prontas para se mobilizar, levando a disputa para o campo institucional, particularmente através dos parlamentos que geralmente são vulneráveis ao poder econômico e favorecem a ofensiva da classe dominante.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A manipulação grosseira da Globo do Dia do Trabalho

Por Genaldo de Melo Dificilmente assisto a Rede Globo, porque além de não ter mais paciência, não concordo com a manipulação que ela faz com suas edições políticas contra a esquerda brasileira, e hoje definitivamente contra a democracia brasileira.
Mas confesso que ontem resolvi acompanhar o Jornal Nacional para ver que tipo de grosseria jornalística ela poderia fazer com esse Dia do Trabalho, em que parcela do povo ocupou às ruas em defesa de Lula e da democracia.
Simplesmente vergonhoso seu jornalismo da obediência, pois utilizou a maior parte do noticiário para sensacionalizar e sensibilizar a população sobre o incêndio em São Paulo, e manipulou sua edição com imagens que não mostraram a verdade das ruas no dia do trabalhador.
Não que não seja importante noticiar o incêndio do prédio paulista, mas porque descaradamente usou abusivamente do fato para esconder o óbvio de que os brasileiros ocuparam em massa as ruas do Brasil em defesa de Lula e em defesa da democracia.
Nos fatos ficou cla…

ACM Neto pode não ser mais candidato nas próximas eleições na Bahia

Por Genaldo de Melo Reza a cantilena popular que para bom entendedor meia palavra basta, de modo que não precisa ser muito inteligente ou até mesmo conhecer os bastidores do mundo político, para saber do dilema existencial por qual passa o prefeito de Salvador, ACM Neto, em torno da perigosa decisão que precisa tomar logo, porque o tempo como ele pensa e verbaliza não é tão grande assim, para se lançar como o nome das oposições ao governo do Estado da Bahia nessas eleições vindouras.
Basta somente dialogar com os fatos e analisar mais friamente as próprias palavras do prefeito em entrevista que concedeu na abertura do carnaval da capital baiana para se chegar a dolorosa e cruel conclusão de que ACM Neto não tem tanta certeza assim de uma provável vitória.
ACM Neto verbalizou nas entrelinhas que a decisão não é tão fácil assim como pensam seus aliados, até mesmo porque em se lançando candidato a governador e perdendo as eleições, ele ficará quatro anos sem mandato e sem a possibilidade e …

Sem Lula cidadãos conscientes continuam preferindo Manuela

Por Genaldo de Melo Caso não haja a possibilidade de Lula ser candidato à Presidente da República, muitos cidadãos brasileiros conscientes da importância de um representante que tenha mais a cara do povo brasileiro, e não o espectro dos interesses internacionais, ficarão órfãos para ter que escolher entre os postulantes de centro e de esquerda que estão se colocando a disposição das urnas.
Todos os nomes colocados até o momento que poderiam substituir Lula nas urnas não conseguiram ainda atingir os dois dígitos nas pesquisas eleitorais. Entre os mais bem colocados estão Ciro Gomes (PDT) e Joaquim Barbosa (este colocado aqui por ser provável postulante do “PSB”, mas muito complicado ainda do ponto de vista ideológico). Ainda em processo de construção da imagem estão Manuela D‘Ávila (PCdoB) e Guilherme Boulos (PSOL).
Em relação a Joaquim Barbosa, rumores dão conta que os verdadeiros socialistas estão se remoendo ainda para ter que aceitar aquele sujeito estranho, com mais interesse nos EUA…