Pular para o conteúdo principal

Ouro, cobre e pau-brasil

Por Leopoldo Vieira

Chega a ser cretina a recomendação do Banco de Compensações Internacionais (BIS), dito e havido como "banco central dos bancos centrais" a respeito do Brasil. As informações estão na matéria "Reunião dos BCs mundiais alerta para o risco do crédito no Brasil", de Deborah Berlinck, em O Globo de 25/06.

A "preocupação" do órgão é que o crédito no país cresceu 6% a mais do que o PIB e por ser alto o endividamento de empresas e famílias. Isso faria o Brasil sofrer restrições do crédito mundial e ainda chegam a comparar o início da crise européia e estadunidense ao que ocorre por aqui. Nada mais falso.
Além disso, a análise de que a expansão do crédito deve se dar pelo natural desenvolvimento do sistema financeiro e a recomendação ao problema, adivinhem? Corte de juros e regras mais rígidas para concessão de crédito. Se fosse escrito pela Febraban não seria melhor.

Justamente quando o governo reduz drasticamente a SELIC, amplia prazos para financiamentos imobiliários e de automóveis, cria incentivos para renegociação de dívidas e amplia o teto de benefícios desta, tudo por mais consumo, mais produção, menos inadimplência e mais crescimento.
Por trás do BIS está exatamente os países da OCDE, do G-7, da UE, que temem o crescimento de

BRICS e emergentes por ser um claro obstáculo para a recuperação do espaço econômico das mercadorias destas nações em crise. Era isso que estava por trás do rebaixamento do rarting da Índia, que exigia que aquele BRICS tomasse medidas liberais para combater o efeito da crise, justamente o que poderia derrubar sua economia de vez. Um cavalo-de-Tróia contra o que a Índia realmente estava fazendo, que era ampliar a regulação de mercados para não ter seu desenvolvimento refém da especulação.
A crise da zona do euro tem por genitora o mega-endividamento das grandes corporações privadas em associação com os grandes do sistema financeiro privado, num continente de alta renda. Nada a ver com o Brasil. 

Outra piada é a tentativa do FMI de criar um "controle de controle" de capitais.

Incomodados - de novo OCDE e cia. - com o sucesso da taxação de capitais especulativos indesejados, a instituição quer elaborar cartilhas aos emergentes sobre como melhor controlar capitais e até estabelecer um teto máximo de 15% para as taxas. Leia-se: "como melhor controlar capitais" significa como readequar a já inevitável reorganização da economia mundial com travas ao livre-cambismo, de forma a regulamentar,claramente as margens de lucro da especulação e menos flexibilidade para se defender dos "tsunamis monetários", originados pela impressão de papel-moela americana e transferência de dinheiro público para a banca privada, que desvaloriza a modela do "terceiro mundo".

Felizmente, o economista Amarendra Bhattacharya, secretário do G-24 "tocou no aspecto central do debate: por que os emergentes vão aceitar limites ao seu direito de se defender dos fluxos de capitais, enquanto os países desenvolvidos seguem sem limites nas suas políticas que provocam os fluxos de capitais?" ("Querem controlar os controles de capitais", Valor Econômico - 22/06/2012).
John Williamson, autor do livro-base desta nova idéia (ele, o criador do termo "Consenso de Washington") propõe como contrapartida que os ricos taxem os capitais na saída...

A despeito de que isso seria um impasse em si, porque seria a anulação da proposta implícita por de trás do controle de capitais "na entrada", aceitar este debate, por si só, já seria uma armadilha, pois abriria caminho para a correlação de forças diplomática estabelecer, de modo não-necessariamente proporcional, o teto da entrada e o da saída. Nos dois casos a questão é: os países em desenvolvimento crescem mais pelo enrobustecimento de seu mercado interno e pela atração, sob controle, do financiamento externo e, este último, resulta do clima de negócios propiciado pelo primeiro. Assim, destrua-se, com recomendações e menos crédito e regulamentação do poder de uso do investimento externo de modo soberano, esta tendência e este processo.

O interessante nisso tudo, é o "sapateado de catita" (como se diz na minha terra, o estado do Pará) dos desenvolvidos. Hoje, não dá mais para simplesmente ditar as regras pelas agências multilaterais. É preciso, ao menos, voltar à época de ver se cola ofertar espelho para vê-lo compensado com ouro, cobre e pau-brasil.

Leopoldo Vieira, membro da Direção Nacional da Juventude do PT, editor do blog Juventude em Pauta! e assessor da Secretaria de Investimentos Estratégicos do Ministério do Planejamento

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A manipulação grosseira da Globo do Dia do Trabalho

Por Genaldo de Melo Dificilmente assisto a Rede Globo, porque além de não ter mais paciência, não concordo com a manipulação que ela faz com suas edições políticas contra a esquerda brasileira, e hoje definitivamente contra a democracia brasileira.
Mas confesso que ontem resolvi acompanhar o Jornal Nacional para ver que tipo de grosseria jornalística ela poderia fazer com esse Dia do Trabalho, em que parcela do povo ocupou às ruas em defesa de Lula e da democracia.
Simplesmente vergonhoso seu jornalismo da obediência, pois utilizou a maior parte do noticiário para sensacionalizar e sensibilizar a população sobre o incêndio em São Paulo, e manipulou sua edição com imagens que não mostraram a verdade das ruas no dia do trabalhador.
Não que não seja importante noticiar o incêndio do prédio paulista, mas porque descaradamente usou abusivamente do fato para esconder o óbvio de que os brasileiros ocuparam em massa as ruas do Brasil em defesa de Lula e em defesa da democracia.
Nos fatos ficou cla…

ACM Neto pode não ser mais candidato nas próximas eleições na Bahia

Por Genaldo de Melo Reza a cantilena popular que para bom entendedor meia palavra basta, de modo que não precisa ser muito inteligente ou até mesmo conhecer os bastidores do mundo político, para saber do dilema existencial por qual passa o prefeito de Salvador, ACM Neto, em torno da perigosa decisão que precisa tomar logo, porque o tempo como ele pensa e verbaliza não é tão grande assim, para se lançar como o nome das oposições ao governo do Estado da Bahia nessas eleições vindouras.
Basta somente dialogar com os fatos e analisar mais friamente as próprias palavras do prefeito em entrevista que concedeu na abertura do carnaval da capital baiana para se chegar a dolorosa e cruel conclusão de que ACM Neto não tem tanta certeza assim de uma provável vitória.
ACM Neto verbalizou nas entrelinhas que a decisão não é tão fácil assim como pensam seus aliados, até mesmo porque em se lançando candidato a governador e perdendo as eleições, ele ficará quatro anos sem mandato e sem a possibilidade e …

Sem Lula cidadãos conscientes continuam preferindo Manuela

Por Genaldo de Melo Caso não haja a possibilidade de Lula ser candidato à Presidente da República, muitos cidadãos brasileiros conscientes da importância de um representante que tenha mais a cara do povo brasileiro, e não o espectro dos interesses internacionais, ficarão órfãos para ter que escolher entre os postulantes de centro e de esquerda que estão se colocando a disposição das urnas.
Todos os nomes colocados até o momento que poderiam substituir Lula nas urnas não conseguiram ainda atingir os dois dígitos nas pesquisas eleitorais. Entre os mais bem colocados estão Ciro Gomes (PDT) e Joaquim Barbosa (este colocado aqui por ser provável postulante do “PSB”, mas muito complicado ainda do ponto de vista ideológico). Ainda em processo de construção da imagem estão Manuela D‘Ávila (PCdoB) e Guilherme Boulos (PSOL).
Em relação a Joaquim Barbosa, rumores dão conta que os verdadeiros socialistas estão se remoendo ainda para ter que aceitar aquele sujeito estranho, com mais interesse nos EUA…