Malvinas: lançamento de mísseis na região é nova ameaça para AL

Os jogos de guerra com lançamento de mísseis que o Reino Unido leva adiante nas ilhas Malvinas, constituem uma nova ameaça para toda a região latino-americana, advertiu nesta quinta-feira (26) o governo argentino.

“O exercício coloca em risco a segurança de todas as embarcações que se encontram na área”, destacou o Ministério de Relações Exteriores em nota de repúdio a esta nova demonstração de força.

Estas manobras ilegítimas, aponta o texto, não só resultam contrárias a Resolução 31/49 da Assembleia Geral da ONU, que impõe para Argentina e Reino Unido a obrigação de “ evitar adotar decisões unilaterais que inovem sobre a situação imperante no Atlântico Sul”.

Também, agrega, são contrárias a vontade dos países da região, que rechaçaram estes exercícios militares através de múltiplos pronunciamentos do Mercosul, Unasul e o Grupo do Rio.


A nota considera condenável a postura britânica de ignorar ao apelo da região e persistir com condutas de provocação, as quais ssão contrárias a busca de uma solução pacífica ao litigio pela soberania sobre as ilhas do Atlântico Sul e seus mares.

A Argentina vem denunciando, reiteradamente, perante a ONU e outros organismos internacionais a crescente militarização do Atlântico Sul por parte do Reino Unido, que não só mantém ali uma situação colonial, mas persiste na realização de vários atos ilegais unilaterais.

Em declaração a propósito da comemoração do 10 de julho como “Dia de afirmação dos direitos argentinos sobre as Malvinas, ilhas e Setor Antártico”, a chancelaria reiterou “com serenidade e firmeza” seu direito inalienável de exercer seus direitos soberanos sobre esta porção austral do território.

Lembrou que em nenhum momento, desde seu surgimento como nação independente, renunciou sua soberania sobre os territórios austrais e espações marítimos, nem permitiu que uma potência, continental ou extracontinental, exerça atos de jurisdição sobre os mesmos.

“O exercício claro e pacifico da soberania sobre as Malvinas e suas independências interromperam o ato beligerante levado a cabo pelas forças britânicas no dia 3 de janeiro de 1833, expulsando as autoridades e a população argentina e substituindo por britânicos”, pontuou.

O Reino Unido está realizando exercícios com lançamento de mísseis na região das Malvinas até a próxima sexta-feira (27).

Fonte: Prensa Latina

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A manipulação grosseira da Globo do Dia do Trabalho

Sem Lula cidadãos conscientes continuam preferindo Manuela

Rodrigo Maia pode surpreender a todos unificando as forças de direita