Os interesses dos conservadores com o golpe no Paraguai

É clarividente o conluio de empresas transnacionais do agronegócio com as oligarquias latifundiárias e a mídia na promoção do golpe
Editorial da edição 488 do Brasil de Fato

Começam a se evidenciar os interesses que motivaram a grotesca ação dos golpistas paraguaios, que destituiu do cargo o presidente constitucional – eleito democraticamente pelo voto popular – Fernando Lugo.
Há casos em que os golpistas ainda conseguem mantê-los longe das discussões públicas, contando com o silêncio da mídia conivente com o golpe. As circunstâncias e os responsáveis pelo conflito armado em que morreram seis soldados e onze camponeses é um desses acontecimentos que os promotores do golpe se esforçam para acobertar. Há indícios de que os soldados foram executados por franco-atiradores. O presidente Lugo havia criado uma comissão para esclarecer o acontecimento. O golpista Frederico Franco, agora no cargo de presidente, destituiu a comissão e reza para que o acontecimento seja esquecido.
No entanto, se há fatos ainda nebulosos, é clarividente o conluio de empresas transnacionais do agronegócio com as oligarquias latifundiárias e a mídia na promoção do golpe. O Paraguai é o país de maior concentração fundiária do planeta: 85% das terras agrícolas estão nas mãos de 2% da população. Essa concentração fundiária torna ridículo o argumento da direita brasileira de que uma população de 400 mil brasiguaios estavam sendo prejudicados pelas ocupações de terras do movimento camponês e pela tímida iniciativa de reforma agrária do Presidente Lugo. As ações de ambos, camponeses e governo, visavam única e exclusivamente as terras obtidas ilegalmente pelos grandes latifundiários, inclusive brasileiros, beneficiados pelos 35 anos da sanguinária ditadura de Alfredo Strossner (1954-1989).
Exemplar é o silencio da mídia, tanto do Paraguai quanto do Brasil, sobre os milhares de brasiguaios – camponeses pobres – que são expulsos pelas oligarquias rurais e pelo agronegócio e hoje engrossam os acampamentos de sem-terras, retornando às terras brasileiras. Lá, como aqui, o latifúndio sobrevive apenas promovendo a violência, deixando um rastro de sangue e atentando contra democracia. Inclusive promovendo um golpe de Estado.
O presidente Lugo, mesmo com uma ação tímida, tomou iniciativas que confrontaram os interesses dos latifundiários e das transnacionais do agronegócio. Viabilizar a instituição de políticas públicas, principalmente nas áreas da saúde e educação, exigiu do presidente Lugo enfrentar a proteção que o Congresso paraguaio dá ao agronegócio, isentando-o, praticamente, do pagamento de impostos. A elite paraguaia se vangloria de ter transformado o país no quarto exportador mundial de soja, condição que possibilita ao agronegócio extrair uma renda anual de 6 bilhões de dólares. Escondem que o imposto imobiliário representa apenas 0,04% da carga tributária. E que a maioria dos latifundiários, ligados ao agronegócio e ao sistema financeiro, possui mansões em Punta Del Este (Uruguai) e em Miami (EUA). Não transformaram o país em exportador de soja. Transformaram o Paraguai na maior fazenda mundial exportadora de soja.
As restrições impostas à liberação das sementes transgênicas para o cultivo comercial também colocaram o governo em confronto com as empresas transnacionais, como Monsanto e Cargil. Nada mais expressivo desse conluio do que a síntese promovida pelo Grupo Zuccolillo: comanda a entidade latifundiária Unión de Gremios de Produção (UGP), é dono do jornal ABC Color e sócio principal da Cargil. Terá sido por interesses democráticos que o ABC Color se transformou num dos principais porta-vozes de oposição ao governo Lugo e defensor do golpe?
Durante meses a direita paraguaia promoveu campanhas midiáticas contra as autoridades governamentais que se opunham aos seus interesses econômicos. Haverá diferenças com as práticas criminosas do contraventor Carlinhos Cachoeira e a revista Veja, do Grupo Abril, sobre autoridades brasileiras? A mídia paraguaia recebeu cópia do discurso da presidenta da Associação Nacional dos Jornais, Judith Brito, que convocou os jornais para serem o verdadeiro partido de oposição ao governo Lula? A direita paraguaia levou a sério a bravata do estrepitoso ex-presidente do STF, Gilmar Mendes, quando disse: eu iria chamar o Lula, presidente da República, “às falas”?
O Brasil tem uma dupla dívida histórica com o povo paraguaio. Nos prestamos aos interesses imperialistas ao promovermos, com Uruguai e Argentina, o genocídio da Guerra do Paraguai (1864-69). Depois, em 1989, ao darmos asilo político ao ditador Alfredo Strossner, assegurando impunidade aos seus crimes.
Esperamos que agora o governo brasileiro não retroceda e compactue com o golpe que a direita paraguaia promoveu. A vitória das forças golpistas significa um alento aos partidos políticos, mídia, oligarquias rurais e aos interesses imperialistas que se sentem derrotados com as eleições de governos democráticos e progressistas na América Latina. A nota do PSDB apoiando o golpe (o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso está de acordo com a nota do seu partido?), as reações da mídia brasileira e as articulações dos latifundiários paraguaios com os daqui evidenciam os interesses comuns das forças retrógradas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ACM Neto pode não ser mais candidato nas próximas eleições na Bahia

A Globo agora anuncia a incrível piada de início de ano com Luciano Huck e Angélica

O Pitbull de Eduardo Cunha finalmente levou uma mordida