Pular para o conteúdo principal

O Jornalismo da Obediência quer ser maior que Jesus Cristo!

Por Genaldo de Melo









Sem titubear e se valendo também da tão decantada liberdade de expressão, infiro como desastrosa, e nas entrelinhas como a mais absoluta falta de respeito, a opinião coordenada dos jornalistas que fazem o chamado Jornalismo da Obediência no Brasil, em relação a avaliação feita por eles a partir da opinião do Papa Francisco sobre o atentado ao Jornal Charlie Hebdo, bem como sobre a liberdade de expressão. Pelo que entendi o Papa Francisco não defendeu a violência como forma de resposta às ofensas que fizeram à religião Islâmica, e do mesmo modo, o mesmo defendeu que a liberdade de expressão deve ter um limite sim. Ninguém tem o direito de ofender ninguém e nem uma religião e ao Deus dos outros.

Mas me parece que os “papas” do Jornalismo da Obediência no Brasil não gostaram da opinião do Papa Francisco, e nesses últimos dias numa falta de respeito com o mesmo, bem como com a própria Igreja Católica, eles se colocaram como se suas opiniões pessoais fossem para os religiosos maiores que a do próprio líder da maior religião do Ocidente. Exageraram Ricardo Noblat, Reinaldo Azevedo, José Roberto Guzzo e  Guilhereme Fiuza., em suas colunas nos chamados jornalões familiares.

Parece que eles acham que o Instituto Millenium está muito acima da Igreja Católica. Parece que acham que o dinheiro que mantém esse Instituto que faz as elites brasileiras pensarem de modo coordenado, e de pensamento único, vale mais para os católicos que a palavra de Francisco. Parece que eles também acham que as famílias Civita e Marinho, e as outras empresas que financiam seu Instituto, são mais importantes que Jesus Cristo e toda a Religião Católica no Ocidente, especialmente no Brasil.

A opinião deles depois que o Papa Francisco externou sua opinião sobre os dois temas centrais que mais se discutem hoje no mundo, foi de extremo mal-gosto e da mais falta de civilidade dos últimos tempos de jornalistas que defendem a chamada liberdade de expressão. A opinião deles vale muito, a dos outros jamais! José Roberto Guzzo, diretor editorial da revista Veja disse que o Papa Francisco viajou na maionese. Ricardo Noblat em seu espaço disse que o Papa pisou na bola e afirmou “duvido que Francisco concorde com a morte como meio de se responder a uma ofensa”. Guilherme Fiuza, do jornal o Globo disse “sua Santidade tem uma espécie de João Santana ao pé do ouvido para soprar-lhe as últimas tendências do mercado” (se Francisco tem um assessor desses, prova-se que ele está certo, porque o João Santana de Dilma Rousseff ajudou ela a vencer todos os bons moços do Instituto Millenium nas últimas eleições).

Porém quem mais exagerou e faltou com respeito com o maior líder religioso da face da terra foi Reinaldo Azevedo quando afirmou “Francisco tem cabeça e postura de cura de aldeia, não de Papa. O jesuíta leu mal São Paulo e não sabe que cítara e flauta têm de soar de modo distinto. Suas opiniões sobre o atentado e a liberdade de expressão são covardes, imprecisas e politiqueiras. Deveria se esconder embaixo da cama com Barack Obama para conversar sobre o nada. Ainda bem que nenhum católico vai tentar me dar mil chibatadas por isso”. Confesso que eu não sabia que o papa foi eleitor de Dilma e do PT no Rio de Janeiro ou em São Paulo! Mas...!

O Papa Francisco disse exatamente o que vai transcrito aqui: “Não se pode ofender, ou fazer guerra, ou assassinar em nome da religião ou em nome de Deus”; “acho que os dois são direitos humanos fundamentais, tanto a liberdade religiosa, como a liberdade de expressão”. Entendi muito bem, pois não tenho resistência à raciocínio, e nem recebo ordens de entidades que se acham maiores que as religiões, especialmente a Igreja Católica, que representa bilhões de seres humanos em todo o Ocidente, que o Papa Francisco não defendeu a morte de quem ofende e nem defendeu a fim da liberdade de expressão. O que ele falou foi que tanto o atentado como as ofensas feitas durante anos, e parece que vai continuar com a religião Islâmica, são fatos a serem pensados e repensados, pois não se deve nem ofender religiões e seus ritos e símbolos, e nem matar em nome da própria religião. 

Os funcionários do Instituto Millenium que mantêm o Jornalismo da Obediência, sustentado pelas grandes famílias donas dos meios de comunicação de massa que não respeitam ninguém, pois comprovado está nas novelas nojentas da Rede Globo de Televisão, e no assassinato literalmente falando de reputações no Brasil, precisam respeitar o representante de bilhões de católicos, representante de Jesus Cristo na terra. Jesus está nas mentes e nos corações dos homens e das mulheres do Ocidente a mais de dois mil anos, enquanto eles com seu Instituto de imoralidade serão esquecidos com o tempo. Pois a verdade, e somente a verdade, é quem liberta e continua para sempre!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A manipulação grosseira da Globo do Dia do Trabalho

Por Genaldo de Melo Dificilmente assisto a Rede Globo, porque além de não ter mais paciência, não concordo com a manipulação que ela faz com suas edições políticas contra a esquerda brasileira, e hoje definitivamente contra a democracia brasileira.
Mas confesso que ontem resolvi acompanhar o Jornal Nacional para ver que tipo de grosseria jornalística ela poderia fazer com esse Dia do Trabalho, em que parcela do povo ocupou às ruas em defesa de Lula e da democracia.
Simplesmente vergonhoso seu jornalismo da obediência, pois utilizou a maior parte do noticiário para sensacionalizar e sensibilizar a população sobre o incêndio em São Paulo, e manipulou sua edição com imagens que não mostraram a verdade das ruas no dia do trabalhador.
Não que não seja importante noticiar o incêndio do prédio paulista, mas porque descaradamente usou abusivamente do fato para esconder o óbvio de que os brasileiros ocuparam em massa as ruas do Brasil em defesa de Lula e em defesa da democracia.
Nos fatos ficou cla…

ACM Neto pode não ser mais candidato nas próximas eleições na Bahia

Por Genaldo de Melo Reza a cantilena popular que para bom entendedor meia palavra basta, de modo que não precisa ser muito inteligente ou até mesmo conhecer os bastidores do mundo político, para saber do dilema existencial por qual passa o prefeito de Salvador, ACM Neto, em torno da perigosa decisão que precisa tomar logo, porque o tempo como ele pensa e verbaliza não é tão grande assim, para se lançar como o nome das oposições ao governo do Estado da Bahia nessas eleições vindouras.
Basta somente dialogar com os fatos e analisar mais friamente as próprias palavras do prefeito em entrevista que concedeu na abertura do carnaval da capital baiana para se chegar a dolorosa e cruel conclusão de que ACM Neto não tem tanta certeza assim de uma provável vitória.
ACM Neto verbalizou nas entrelinhas que a decisão não é tão fácil assim como pensam seus aliados, até mesmo porque em se lançando candidato a governador e perdendo as eleições, ele ficará quatro anos sem mandato e sem a possibilidade e …

Sem Lula cidadãos conscientes continuam preferindo Manuela

Por Genaldo de Melo Caso não haja a possibilidade de Lula ser candidato à Presidente da República, muitos cidadãos brasileiros conscientes da importância de um representante que tenha mais a cara do povo brasileiro, e não o espectro dos interesses internacionais, ficarão órfãos para ter que escolher entre os postulantes de centro e de esquerda que estão se colocando a disposição das urnas.
Todos os nomes colocados até o momento que poderiam substituir Lula nas urnas não conseguiram ainda atingir os dois dígitos nas pesquisas eleitorais. Entre os mais bem colocados estão Ciro Gomes (PDT) e Joaquim Barbosa (este colocado aqui por ser provável postulante do “PSB”, mas muito complicado ainda do ponto de vista ideológico). Ainda em processo de construção da imagem estão Manuela D‘Ávila (PCdoB) e Guilherme Boulos (PSOL).
Em relação a Joaquim Barbosa, rumores dão conta que os verdadeiros socialistas estão se remoendo ainda para ter que aceitar aquele sujeito estranho, com mais interesse nos EUA…