Pular para o conteúdo principal

O Jornalismo da Obediência quer ser maior que Jesus Cristo!

Por Genaldo de Melo









Sem titubear e se valendo também da tão decantada liberdade de expressão, infiro como desastrosa, e nas entrelinhas como a mais absoluta falta de respeito, a opinião coordenada dos jornalistas que fazem o chamado Jornalismo da Obediência no Brasil, em relação a avaliação feita por eles a partir da opinião do Papa Francisco sobre o atentado ao Jornal Charlie Hebdo, bem como sobre a liberdade de expressão. Pelo que entendi o Papa Francisco não defendeu a violência como forma de resposta às ofensas que fizeram à religião Islâmica, e do mesmo modo, o mesmo defendeu que a liberdade de expressão deve ter um limite sim. Ninguém tem o direito de ofender ninguém e nem uma religião e ao Deus dos outros.

Mas me parece que os “papas” do Jornalismo da Obediência no Brasil não gostaram da opinião do Papa Francisco, e nesses últimos dias numa falta de respeito com o mesmo, bem como com a própria Igreja Católica, eles se colocaram como se suas opiniões pessoais fossem para os religiosos maiores que a do próprio líder da maior religião do Ocidente. Exageraram Ricardo Noblat, Reinaldo Azevedo, José Roberto Guzzo e  Guilhereme Fiuza., em suas colunas nos chamados jornalões familiares.

Parece que eles acham que o Instituto Millenium está muito acima da Igreja Católica. Parece que acham que o dinheiro que mantém esse Instituto que faz as elites brasileiras pensarem de modo coordenado, e de pensamento único, vale mais para os católicos que a palavra de Francisco. Parece que eles também acham que as famílias Civita e Marinho, e as outras empresas que financiam seu Instituto, são mais importantes que Jesus Cristo e toda a Religião Católica no Ocidente, especialmente no Brasil.

A opinião deles depois que o Papa Francisco externou sua opinião sobre os dois temas centrais que mais se discutem hoje no mundo, foi de extremo mal-gosto e da mais falta de civilidade dos últimos tempos de jornalistas que defendem a chamada liberdade de expressão. A opinião deles vale muito, a dos outros jamais! José Roberto Guzzo, diretor editorial da revista Veja disse que o Papa Francisco viajou na maionese. Ricardo Noblat em seu espaço disse que o Papa pisou na bola e afirmou “duvido que Francisco concorde com a morte como meio de se responder a uma ofensa”. Guilherme Fiuza, do jornal o Globo disse “sua Santidade tem uma espécie de João Santana ao pé do ouvido para soprar-lhe as últimas tendências do mercado” (se Francisco tem um assessor desses, prova-se que ele está certo, porque o João Santana de Dilma Rousseff ajudou ela a vencer todos os bons moços do Instituto Millenium nas últimas eleições).

Porém quem mais exagerou e faltou com respeito com o maior líder religioso da face da terra foi Reinaldo Azevedo quando afirmou “Francisco tem cabeça e postura de cura de aldeia, não de Papa. O jesuíta leu mal São Paulo e não sabe que cítara e flauta têm de soar de modo distinto. Suas opiniões sobre o atentado e a liberdade de expressão são covardes, imprecisas e politiqueiras. Deveria se esconder embaixo da cama com Barack Obama para conversar sobre o nada. Ainda bem que nenhum católico vai tentar me dar mil chibatadas por isso”. Confesso que eu não sabia que o papa foi eleitor de Dilma e do PT no Rio de Janeiro ou em São Paulo! Mas...!

O Papa Francisco disse exatamente o que vai transcrito aqui: “Não se pode ofender, ou fazer guerra, ou assassinar em nome da religião ou em nome de Deus”; “acho que os dois são direitos humanos fundamentais, tanto a liberdade religiosa, como a liberdade de expressão”. Entendi muito bem, pois não tenho resistência à raciocínio, e nem recebo ordens de entidades que se acham maiores que as religiões, especialmente a Igreja Católica, que representa bilhões de seres humanos em todo o Ocidente, que o Papa Francisco não defendeu a morte de quem ofende e nem defendeu a fim da liberdade de expressão. O que ele falou foi que tanto o atentado como as ofensas feitas durante anos, e parece que vai continuar com a religião Islâmica, são fatos a serem pensados e repensados, pois não se deve nem ofender religiões e seus ritos e símbolos, e nem matar em nome da própria religião. 

Os funcionários do Instituto Millenium que mantêm o Jornalismo da Obediência, sustentado pelas grandes famílias donas dos meios de comunicação de massa que não respeitam ninguém, pois comprovado está nas novelas nojentas da Rede Globo de Televisão, e no assassinato literalmente falando de reputações no Brasil, precisam respeitar o representante de bilhões de católicos, representante de Jesus Cristo na terra. Jesus está nas mentes e nos corações dos homens e das mulheres do Ocidente a mais de dois mil anos, enquanto eles com seu Instituto de imoralidade serão esquecidos com o tempo. Pois a verdade, e somente a verdade, é quem liberta e continua para sempre!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Globo agora anuncia a incrível piada de início de ano com Luciano Huck e Angélica

Por Genaldo de Melo A Rede Globo sempre esteve envolvida nas tentativas de apresentar para a sociedade brasileira candidatos à presidente que representassem a possibilidade de a pequena minoria conservadora e dona dos meios de produção do país tomassem conta do Estado e ficassem no controle dos recursos dos cofres públicos. Mas nunca essa rede de comunicação com concessão pública escancarou tanto na suas escolhas com fez nesse final de semana com a participação de seu funcionário Luciano Huck no programa televisivo de maior audiência do país em um domingo à tarde.
Luciano Huck, que numa contradição além dos limites para um sujeito que aconselha publicamente a seriedade, a honestidade e o combate à corrupção dos homens públicos, demonstrou que além de falta de seriedade dele próprio já que havia desistido publicamente de candidatura, também demonstrou que a Rede Globo resolveu entrar de vez na disputa para ter um nome na Presidência da República para chamar de seu.
E mais grave ainda, par…

O desespero da Globo com seu circo de horrores

Por Genaldo de Melo A Rede Globo de Comunicações, que passou os quinze dias que antecederam o tão badalado depoimento de Lula ao juiz Sérgio Moro, por causa de um triplex, que até agora ninguém mostrou de fato nenhum documento do mesmo no nome dele, e do mesmo modo não comprovou que ele ganhou o mesmo como forma de propina, literalmente entrou em desespero. Interessante é que o tríplex entrou no imposto de renda da OAS, e D. Marisa entrou com um processo judicial para receber sua cota parte de volta, quando desistiu do mesmo, que era de R$ 209 mil em 2009 e hoje é de R$ 300,8 mil (o processo está na 34ª Vara Cível).
A Globo utilizou ao modo de Goebbels o discurso de que Lula poderia, aliás, teria que ser preso ali mesmo em Curitiba, até mesmo com um provável desacato ao juiz, mas como Lula não foi preso porque pelo visto o apartamento não é mesmo dele, partiu para um ataque tão violento, que não se pode dizer que está mais praticando jornalismo.
Do momento do depoimento até agora, quase …

Lava Jato pode apresentar a lista de santos que o Brasil deve votar em 2018

Por Genaldo de Melo O procurador da República em Curitiba, um dos coordenadores da Operação Lava Jato, Deltan Dallagnol, parece que compreendendo que o povo brasileiro é um dos mais despolitizados do mundo, tanto que escolhe sempre os piores para serem representantes no Congresso Nacional, quer que para se terminar com a Operação de vez em 2018, orientar para que se vote nos melhores, só não diz quem são os melhores para um povo que vende o voto para corruptos.
Em sua aparição na Globonews, como se fosse um artista de cinema ou um astro do futebol, fala do fim da Lava Jato, mas deixa bem claro que ela só acaba se os brasileiros melhorarem o Congresso Nacional nas urnas. Ele parece que quer continuar com seus espetáculos e não resolver de fato o problema de combate e prevenção da corrupção, pois trabalha como um cabo eleitoral, e efetivamente não prendeu ninguém que foi delatado ligado aos tucanos, demistas e peemedebistas (com exceção de Cunha, que ninguém sabe de fato se realmente ele …