As contradições estão surgindo aos poucos na Lava Jato



Por Genaldo de Melo
 :
Alguns elementos das delações premiadas promovidas pela chamada e espetaculosa operação da Operação Lava Jato parecem que não estão se combinando, e aos poucos novos elementos são colocados que entram em contradição. Enquanto no período eleitoral, em outubro passado, o doleiro mais famoso do esquema investigativo, Alberto Yousseff, coordenado pelo Juiz Sérgio Moro, do Paraná, delatou que a então candidata ao Governo do Estado do Paraná, Gleisi Hoffmann (PT-PR), contra o escondido com medo da população paraense pelo caso de espancamento dos professores daquele Estado, Roberto Richa (PSDB), recebeu R$ 1 milhão para sua campanha ao Senado da República em 2010, o rapaz que era responsável pela entrega do dinheiro sujo, Rafael Ângulo, disse ontem também em processo de delação premiada que não entregou nada de dinheiro à Senadora, que foi derrotada pelo tucano desordeiro do Paraná em 2014. Segundo o colunista Ilimar Franco em nota “Depoimento do delator premiado Rafael Ângulo, quarta-feira, na PF, desmentiu o delator premiado Alberto Youssef. Este, em uma de suas diversas versões, afirmou que Ângulo entregou R$ 1 milhão para a campanha da senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR). Ângulo simplesmente negou que tivesse qualquer conhecimento desse fato.”. Sendo assim então está um pouco difícil compreender quem está certo e quem não está errado nesse roubo que alguns indivíduos empresários e políticos fizeram contra nossa maior empresa! Em entrevista ao 247, a senadora Gleisi Hoffmann afirmou que sua inclusão na Lava Jato visava não apenas minar sua candidatura ao governo do Paraná, mas também aproximar o escândalo da presidente Dilma, durante a corrida presidencial de 2014, uma vez que ela foi ministra da Casa Civil durante a maior parte do primeiro mandato. Não é a primeira vez que há contradições relevantes em versões de delatores. Na Lava Jato o ex-ministro Antonio Palocci também foi citado por Paulo Roberto Costa, que depois acabou desmentido por Youssef, num caso que envolveria a arrecadação de R$ 2 milhões para a campanha da presidente Dilma Rousseff. O Brasil precisa ter poderes independentes sem ficar em função do poder político e econômico, porque senão jamais seremos considerados como um país sério no resto do mundo!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ACM Neto pode não ser mais candidato nas próximas eleições na Bahia

A Globo agora anuncia a incrível piada de início de ano com Luciano Huck e Angélica

O Pitbull de Eduardo Cunha finalmente levou uma mordida