Dilma resolveu que vai prá guerra prá defender seu mandato

Por Genaldo de Melo


Dessa vez Dilma Rousseff (PT) que vem sendo atacada de forma constante, e de forma inclusive desrespeitosa, tanto pelos representantes da direita brasileira, que são Aécio Neves (PSDB-MG), Carlos Sampaio (PSDB-SP), Cássio Cunha Lima (PSDB-PB), Ronaldo Caiado (DEM-GO), Agripino Maia (DEM-RN) e Roberto Freire (PPS-SP), que ainda contam com o apoio discreto do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, como por eleitores de Aécio desavisados da legislação brasileira, resolveu de forma sublime se defender e dizer a verdade para esses que ela chamou de golpistas. Em entrevista da presidente Dilma Rousseff aos jornalistas Maria Cristina Frias, Valdo Cruz e Natuza Nery, da Folha de S. Paulo, teve um grande mérito: usou a palavra correta para denunciar o movimento antidemocrático que vem sendo liderado por determinada ala da oposição. Na entrevista, Dilma fez jus ao aposto "coração valente" e sinalizou que está pronta para a briga. "Eu não quis me suicidar na hora que eles estavam querendo me matar", fazendo uma referência ao tempo em que foi presa política durante a ditadura militar. "A troco de quê eu iria me suicidar agora?” disse ela na entrevista. Desse modo, a presidente deixou claro que vai prá briga, e não deixar de nenhum modo que tomem na forma de golpe o mandato que os brasileiros lhe confiou. Somente falta agora é o Partido dos Trabalhadores tomar também postura de guerra contra a direita brasileira que acha que deve governar sem voto das urnas!

Comentários