Ku Klux Klan se manifesta nos EUA e são massacrados pelos novos Panteras Negras

Por Genaldo de Melo
As ruas da cidade americana Columbia ficaram mais agitadas no último sábado (18) pois, membros do grupo “Cavaleiros Leais Brancos”, uma fração da organização racista Ku Klux Klan, entraram em conflito com representantes do New Black Panther Party, novo partido das Panteras Negras, e outras frentes do movimento negro — vale uma ressalva para os Bloods e os Crips que se uniram para combater os racistas.  O motivo para tal marchas que resultaram no conflito foi a retirada, no último dia 10, da bandeira confederada que ficava na Parlamento da cidade de Columbia. A bandeira ainda é um simbolo forte do passado de segregação e escravidão no sul dos Estados Unidos; região que ainda possui alarmantes índices de racismo. As manifestações foram programadas pouco depois de a governadora Nikki Haley sancionar a lei, aprovada pelo congresso estadual que autorizou a retirada da bandeira do Parlamento. Como pode imaginar, os representantes da Ku Klux Klan não gostaram nada da decisão do governo e foram para a rua protestar pela retirada do simbolo de segregação. Carregando bandeiras confederadas, algumas delas com o símbolo nazista, o grupo radical passou a xingar os negros que passavam por ali, e que horas antes tinham realizado uma vigília na região para celebrar a retirada da bandeira confederada. Apesar do aumento de policiamento na região o conflito se tornou inevitável. O conflito foi tão intenso que a governadora do estado de Carolina do Sul, Harley, emitiu um comunicado à população para que evitasse a região da sede Parlamentar. “Esperamos que os residentes se mantenham afastados dos grupos do Ku Klux Klan, e em vez de promover a separação, nos mantenhamos unidos como o povo que somos“, disse O prefeito de Columbia, Steve Benjamin também se mostrou contra as manifestações da Ku Klux Klan e pediu para que os moradores não participassem das manifestações.

Comentários