Folha de São Paulo amarrou o discurso da elite contra o golpe

Por Genaldo de Melo
:
Depois de instituições como Globo e Bradesco se posicionarem contra o eventual impeachment da presidente Dilma Rousseff, a elite empresarial fechou consenso contra o golpe nos últimos dias. Nesta terça-feira, quem explicitou sua posição foi a Folha de S. Paulo, comandada pelos irmãos Frias. "Se o julgamento do impeachment é sobretudo político, não se deve ignorar que ele também contém muito de jurídico. Uma deposição assentada em razões banais traria instabilidade interna e mancharia a imagem do país aos olhos da comunidade internacional – o Brasil em tese superou sua fase de república das bananas", disse Otávio Frias Filho, em editorial (leia aqui). É uma posição alinhada com a de dois representantes da elite econômica, que também explicitaram suas posições no fim de semana. Um deles, Roberto Setubal, do Itaú-Unibanco (leia aqui sua entrevista). "Por corrupção, até aqui, não tem cabimento. Não há nenhum sinal de envolvimento dela com esquemas de corrupção. Pelo contrário, o que a gente vê é que Dilma permitiu uma investigação total sobre o tema. Era difícil imaginar no Brasil uma investigação com tanta independência. A Dilma tem crédito nisso", disse ele. Sobre as chamadas 'pedaladas fiscais', ele também se manifestou. "Isso é grave e pode merecer algum tipo de punição. Mas não me parece ser motivo para tirar a presidente. Até porque presidentes anteriores a ela passaram por situações semelhantes. Seria um artificialismo querer tirar a presidente neste momento. Criaria uma instabilidade ruim para nossa democracia", afirmou. Além dele, o ex-ministro da Fazenda, Maílson da Nóbrega, também apontou a democracia como um bem maior, a ser preservado.  "O segundo impeachment no Brasil, apenas trinta anos depois do fim do regime autoritário, banalizaria o instrumento, inibindo o amadurecimento da democracia", disse ele. "O voto nas eleições presidenciais – e não o impeachment – será a melhor via para julgar a presidente Dilma". Todos esses movimentos isolam ainda mais o senador Aécio Neves (PSDB-MG) e alas da oposição que decidiram apostar na instabilidade política.(Brasil247)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O desespero da Globo com seu circo de horrores

Lava Jato pode apresentar a lista de santos que o Brasil deve votar em 2018

Assaltantes estão causando terror no Distrito de Maria Quitéria