Oposição que prega golpe se cala sobre Cunha

Por Genaldo Melo
:
O senador Aécio Neves (PSDB-MG), sempre tão ágil em divulgar notas que questionam a legitimidade do governo da presidente Dilma Rousseff, ainda não se manifestou sobre o caso do deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), presidente da Câmara dos Deputados, que será denunciado por corrupção e lavagem de dinheiro, em razão de uma suposta propina de US$ 5 milhões, que teria sido paga pelo delator Júlio Camargo. Da mesma forma, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que, no início da semana, foi às redes sociais para dizer que o governo da presidente Dilma Rousseff é "legal, mas não é legítimo", ainda não pronunciou sobre o caso Cunha. Na oposição, a linha geral tem sido de obsequioso silêncio, salvo raras exceções. Quem se pronunciou, por exemplo, foi o presidente do PPS, Roberto Freire. "O Psol quer trazer a crise para dentro do Congresso. A crise está nas mãos de Dilma e do Lula. Deixa a crise lá", disse ele, referindo-se à iniciativa do Psol, que pretende propor o afastamento do presidente da Câmara. O obsequioso silêncio que predomina entre os oposicionistas tem uma explicação. Cunha é quem, em tese, tem poder para abrir eventual processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff, que teria apoio do PSDB, conforme já foi dito, nesta semana, pelo senador Aloysio Nunes (PSDB-SP). No entanto, mesmo entre os mais ferrenhos opositores, há um consenso sobre seu isolamento e sua fragilidade. "Se, como consequência de sua denúncia, Cunha acelerar o processo de impeachment contra a presidente Dilma, por exemplo, ficará do ato a suspeita de que se trata de uma retaliação pessoal", escreveu o jornalista Merval Pereira, do Globo, em sua coluna "O ocaso de Cunha", publicada nesta quinta-feira.(Brasil247)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O desespero da Globo com seu circo de horrores

Lava Jato pode apresentar a lista de santos que o Brasil deve votar em 2018

Assaltantes estão causando terror no Distrito de Maria Quitéria