Senador paulista, privataria, Banestado e 'Gregório'

Por Genaldo de Melo
 O deputado federal Paulo Pimenta (PT-RS) desnudou mais uma vez parlamentares do PSDB e DEM que fazem da CPI da Petrobrás um palco para o exercício da demagogia e buscam encobrir o passado de seus partidos, marcado por escândalos de corrupção. Durante reunião da Comissão na tarde desta terça-feira (25), o petista denunciou a atuação da oposição que trabalha para que só “meia corrupção” seja investigada e criticou os trabalhos da CPI que decidiu por não apurar o pagamento de propina na estatal durante os governos FHC. Segundo um dos delatores, o esquema de corrupção na Petrobrás iniciou em 1997, no primeiro mandato do ex-presidente Fernando Henrique.“É curioso porque há um esforço por parte de alguns partidos de tratar esse tema como se fôssemos um bando de ingênuos. Se observarmos alguns episódios de maior repercussão do governo FHC, vamos ver que o Alberto Youssef estava lá. Se formos na CPI da Banestado, quem estava lá? O Youssef e o Ricardo Sérgio. Quem é Ricardo Sérgio? O tesoureiro da campanha do José Serra. Agora, na denúncia do Janot aparece o Júlio Camargo juntamente com um cidadão chamado Gregório Marin Preciado. Quem é o Gregório? Primo do Serra, sócio do Serra. Capítulo 8 da Privataria Tucana”, indicou Pimenta. O deputado também reafirmou que as contribuições recebidas pela campanha da Presidenta Dilma Rousseff foram legais. De acordo com o parlamentar, “ninguém é bobo” para acreditar que a mesma empresa que doava para Dilma fazia porque o dinheiro era “propina”, enquanto as doações para Aécio – muito maiores – eram feitas por “generosidade” e por “amor”. Sobre o esforço do PSDB e do DEM, que em ao longo de seus governos se especializaram abafar as operações de investigação, o deputado Pimenta cobrou que um patamar mínimo de coerência dos parlamentares para que a CPI da Petrobrás tenha alguma credibilidade junto à sociedade. “O PSDB e o DEM tratam os brasileiros como se fossem uma população sem memória, como se não conhecessem a história do Brasil e não soubessem quem eles são. Nós sabemos o que vocês fizeram no verão passado. Vamos investigar a fundo todas as irregularidades, mas nós não vamos aceitar o PSDB e o DEM como parâmetros de conduta ética na gestão da coisa pública, porque eles não são”, acusou Pimenta.(PB)

Comentários