Pular para o conteúdo principal

Collor volta a criticar Janot e diz que procurador mentiu em sabatina

Por Genaldo de Melo

Collor volta a criticar Janot e diz que procurador mentiu em sabatina
O senador Fernando Collor (PTB-AL) voltou à tribuna do Senado nesta segunda-feira (31) para tecer mais críticas ao procurador geral da República, Rodrigo Janot, que teve sua recondução ao cargo aprovada pelo Senado na semana passada. Collor acusou Janot de ter mentido na sabatina a que foi submetido pela Comissão de Constituição e Justiça antes de ter seu nome avalizado pelos senadores. "Ao contrário do que a maioria dos meios divulgou, o procurador geral mentiu em respostas às várias perguntas feitas por mim. Em outras, apenas tangenciou as respostas e, em algumas, sequer respondeu", disse. O ex-presidente repetiu na tribuna algumas das acusações que fez durante a sabatina. Ele disse que Janot advogou para uma empresa em disputa que interessava à Petrobras enquanto era sub-procurador da República e disse que ele contratou, sem licitação, uma assessoria de comunicação. Collor também afirmou que Janot alugou ilegalmente um imóvel sem alvará em área nobre de Brasília e que deu abrigo a um parente "contraventor". Denunciado por Janot no âmbito da Operação Lava Jato, o senador afirmou possuir documentos que comprovam todas as acusações. Os papéis foram entregues ao Senado. "Mesmo assim, mostrando algumas dessas provas documentais, o senhor Janot fez cara de paisagem durante a sabatina. Ela ainda deve muitos esclarecimentos e, tenho certeza, não vai demorar para que a população brasileira e a grande mídia percebam que o Procurador Geral da República está longe, muito longe, anos-luz, de ser a probidade em pessoa", disse. Collor reclamou ainda da cobertura feita pela imprensa da sabatina e disse que neste tipo de audiência não é possível esclarecer todas as dúvidas e denúncias. "As regras e a dinâmica que envolvem uma sabatina não permitem, por limitação de tempo, o completo esclarecimento dos fatos e, menos ainda, a devida cobertura e repercussão. Soma-se a isso a recorrente parcialidade da mídia, que, salvo exceções, inclina sempre suas matérias e análises, quase adernando. Isso é fato ou não é? É claro que é fato. Todos nós aqui sabemos que é um fato", disse. Para o senador, Janot foi cínico ao afirmar que não tem nenhuma atuação política no comando do Ministério Público e dizer que sua gestão é pautada apenas em aspectos técnicos. Como contraponto, Collor relembrou uma foto em que Janot aparece sorridente ao lado de uma faixa com os dizeres "Janot, você é a esperança do Brasil". "Cinicamente o senhor Janot declarou-se, vejam só, um ser apolítico. Ou seja, que se guia somente pelos aspectos técnicos, pois a atuação política não seria a sua seara. E pergunto: e aquela foto tirada com um cartaz de salvador da pátria? Olha que foto! A alegria e a felicidade estampadas em seu rosto, acreditando ser ele esse que ele tem inscrito no seu busto", disse. O procurador geral passou por mais de dez horas de sabatina na Comissão de Constituição e Justiça do Senado. Acusado de promover vazamentos de informações sigilosas, Janot defendeu a legalidade da Operação Lava Jato. Na comissão, Janot foi aprovado por 26 votos a 1.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Globo agora anuncia a incrível piada de início de ano com Luciano Huck e Angélica

Por Genaldo de Melo A Rede Globo sempre esteve envolvida nas tentativas de apresentar para a sociedade brasileira candidatos à presidente que representassem a possibilidade de a pequena minoria conservadora e dona dos meios de produção do país tomassem conta do Estado e ficassem no controle dos recursos dos cofres públicos. Mas nunca essa rede de comunicação com concessão pública escancarou tanto na suas escolhas com fez nesse final de semana com a participação de seu funcionário Luciano Huck no programa televisivo de maior audiência do país em um domingo à tarde.
Luciano Huck, que numa contradição além dos limites para um sujeito que aconselha publicamente a seriedade, a honestidade e o combate à corrupção dos homens públicos, demonstrou que além de falta de seriedade dele próprio já que havia desistido publicamente de candidatura, também demonstrou que a Rede Globo resolveu entrar de vez na disputa para ter um nome na Presidência da República para chamar de seu.
E mais grave ainda, par…

O desespero da Globo com seu circo de horrores

Por Genaldo de Melo A Rede Globo de Comunicações, que passou os quinze dias que antecederam o tão badalado depoimento de Lula ao juiz Sérgio Moro, por causa de um triplex, que até agora ninguém mostrou de fato nenhum documento do mesmo no nome dele, e do mesmo modo não comprovou que ele ganhou o mesmo como forma de propina, literalmente entrou em desespero. Interessante é que o tríplex entrou no imposto de renda da OAS, e D. Marisa entrou com um processo judicial para receber sua cota parte de volta, quando desistiu do mesmo, que era de R$ 209 mil em 2009 e hoje é de R$ 300,8 mil (o processo está na 34ª Vara Cível).
A Globo utilizou ao modo de Goebbels o discurso de que Lula poderia, aliás, teria que ser preso ali mesmo em Curitiba, até mesmo com um provável desacato ao juiz, mas como Lula não foi preso porque pelo visto o apartamento não é mesmo dele, partiu para um ataque tão violento, que não se pode dizer que está mais praticando jornalismo.
Do momento do depoimento até agora, quase …

Lava Jato pode apresentar a lista de santos que o Brasil deve votar em 2018

Por Genaldo de Melo O procurador da República em Curitiba, um dos coordenadores da Operação Lava Jato, Deltan Dallagnol, parece que compreendendo que o povo brasileiro é um dos mais despolitizados do mundo, tanto que escolhe sempre os piores para serem representantes no Congresso Nacional, quer que para se terminar com a Operação de vez em 2018, orientar para que se vote nos melhores, só não diz quem são os melhores para um povo que vende o voto para corruptos.
Em sua aparição na Globonews, como se fosse um artista de cinema ou um astro do futebol, fala do fim da Lava Jato, mas deixa bem claro que ela só acaba se os brasileiros melhorarem o Congresso Nacional nas urnas. Ele parece que quer continuar com seus espetáculos e não resolver de fato o problema de combate e prevenção da corrupção, pois trabalha como um cabo eleitoral, e efetivamente não prendeu ninguém que foi delatado ligado aos tucanos, demistas e peemedebistas (com exceção de Cunha, que ninguém sabe de fato se realmente ele …