Partidos de oposição montam frente pró-golpe

Por Genaldo de Melo
:
Os partidos que fazem oposição à presidente Dilma Rousseff na Câmara lançaram uma nova tática para tentar alterar o resultado das eleições e abreviar o mandato de Dilma. PSDB, DEM, PPS, Solidariedade, PSC e até membros do PMDB decidiram unificar o discurso e criar um "movimento pró-impeachment", que deve ser lançado na próxima semana. A ideia é lançar campanhas nas redes sociais e contar com o apoio da sociedade para pressionar os deputados de outros partidos a aderirem à causa. Entre os principais entusiastas da nova "Frente pró-Golpe", estão os líderes do PSDB, Carlos Sampaio, do DEM, Mendonça Filho, do PPS, Rubens Bueno, do SD, Paulo Pereira da Silva. Inicialmente, o grupo pensou em montar uma frente parlamentar pelo impeachment de Dilma. Os adeptos do golpismo preferiram, entretanto, criar um movimento para preservar quem não quer se expor. A ideia amadureceu em encontro realizado na semana passada na casa do deputado Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE) e o martelo foi batido nesta quinta-feira, 3. Um integrante do PSDB disse que o movimento terá site e produzirá material gráfico. A intenção é criar um canal de diálogo mais amplo com os movimentos de rua que defendem a interrupção do mandato de Dilma. Um acordo prévio, que ainda não tem data para ser colocado em prática, prevê que, quando apresentado o pedido de impeachment, Cunha não o acate, para não tomar para si todo o ônus político da decisão. A oposição, então, recorreria ao plenário, que precisaria avalizar ou rejeitar a saída da presidente. (247)

Comentários