Pular para o conteúdo principal

CENSURA: CCJ APROVA AUTORIZAÇÃO PARA ENVOLVIDOS EM ESCÂNDALOS TIREM SEUS NOMES DA INTERNET


Apesar dos protestos e reclamações do setor e de parlamentares que ajudaram a construir o texto do Marco Civil da Internet (Lei 12.965/14), o Projeto de Lei (PL) 215 – que trata de ações em casos de crimes praticados na rede mundial – foi aprovado ontem (6) pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara. O PL mantém a mudança referente ao item chamado de “direito ao esquecimento”. A questão é chamada de “pretexto” para a retirada de nomes dos sites de busca e redes sociais, porque permite que os nomes de políticos que sejam réus em processos ainda não transitados em julgado, possam proibir legalmente citações aos seus nomes nesses endereços. A mudança é considerada "absurda" para diversos especialistas e uma espécie de "censura brasileira nas regras da internet". Agora, os opositores à matéria precisam se articular e brigar para manter o texto original durante a votação do PL no plenário na Casa, em data ainda a ser marcada. Uma boa novidade na apreciação do projeto, ao menos, foi que a comissão aprovou um novo texto retirando o dispositivo segundo o qual a autoridade policial poderia requerer dados de navegação de internautas sem autorização judicial – item que estava sendo considerado um “grampo virtual”. Atualmente, existem cerca de dez propostas na Câmara e no Senado que tratam de acréscimos e mudanças ao texto do Marco Civil durante sua regulamentação – que está em discussão e ainda não foi encaminhada pelo Ministério da Justiça ao Congresso. Dessas propostas, duas foram apensadas ao Projeto de Lei 215/2015, de autoria do deputado Hildo Rocha (PMDB-MA). O texto, com o argumento de que “objetiva punir com maior rigor os crimes contra a honra praticados nas redes sociais", tem como um dos pontos fundamentais a utilização, no país, da regra proibitória à citação aos nomes dos políticos envolvidos em escândalos. Para o diretor do Instituto de Tecnologia e Sociedade do Rio de Janeiro (ITS), Carlos Affonso de Souza, o mais perigoso da matéria "é sua capacidade de fazer as pessoas controlarem sua versão da história e imporem essa versão, mesmo que não seja a verdadeira, para toda a coletividade". "O Congresso não pode dar às pessoas públicas o direito de impor à sociedade a trajetória de suas próprias histórias", enfatizou. O deputado Alessandro Molon (Rede-RJ), que relatou o projeto do Marco Civil da Internet e também é totalmente contrário às mudanças, lembrou o período de ampla discussão do projeto, que ocorreu de forma democrática após reuniões com todos os partidos e representantes do setor. “O item aprovado vai na contramão do que foi acordado e votado no ano passado”, reclamou. Os parlamentares que são contra a alteração da lei do marco civil pretendem se articular para evitar a aprovação das mudanças em plenário, a partir da próxima semana. (PM)
Blog do Genaldo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Grande oportunidade: Inscrições abertas para o Fundo Socioambiental Caixa

Por Genaldo de Melo A Caixa Econômica Federalestá com inscrições abertas para oFundo Socioambiental Caixa – FSA Caixa, que apóia projetos socioambientais voltados ao desenvolvimento integrado e sustentável para a população de baixa renda. O financiamento varia de 200 mil a 1 milhão de reais. São dois os editais abertos no momento para o FSA Caixa: Desenvolvimento e Cidadania; e Energias Renováveis e Recursos Hídricos. No edital de Desenvolvimento e Cidadania serão selecionados 20 projetos voltados à promoção socioeconômica com foco em saúde, educação, inclusão produtiva e promoção da cidadania, que tenham como finalidade a erradicação da pobreza, inclusão social e econômica, promoção da justiça, da dignidade e da qualidade de vida, implementados por organizações da sociedade civil sem fins lucrativos que atuem junto a grupos e comunidades em situação de vulnerabilidade social. O prazo para inscrição nesse edital é dia 11 de julho. Já no edital de Energias Renováveis e R…

Lula foi inocentado

Por Genaldo de Melo Recentemente o jornalista José Roberto Guzzo, colunista da revista Veja, escreveu um artigo intitulado “É só explicar”, cobrando indignado que Lula deveria aproveitar apenas quinze minutos para explicar sobre o polêmico apartamento que por “convicção" setores do Ministério Público Federal insistem na tese de que foi matéria de propina dada pela empresa OAS ao mesmo.
Interessante é que pelo que sabemos Lula já gastou uma carga de centenas e centenas de quinze minutos explicando que o polêmico apartamento não lhe pertence, e de todos os modos tenta explicar juridicamente esse fantoche político, mas tanto o Ministério Público quanto a mídia do Jornalismo de propaganda política continua insistindo nesse assunto.
Agora realmente o que causa um pouco de indignação é que as testemunhas de acusação que apresentaram seus depoimentos hoje (21/11) ao MPF, absolutamente todas são unânimes em dizer que não podem incriminar Lula, porque elas mesmas não negociaram nada disso em…

O desespero da Globo com seu circo de horrores

Por Genaldo de Melo A Rede Globo de Comunicações, que passou os quinze dias que antecederam o tão badalado depoimento de Lula ao juiz Sérgio Moro, por causa de um triplex, que até agora ninguém mostrou de fato nenhum documento do mesmo no nome dele, e do mesmo modo não comprovou que ele ganhou o mesmo como forma de propina, literalmente entrou em desespero. Interessante é que o tríplex entrou no imposto de renda da OAS, e D. Marisa entrou com um processo judicial para receber sua cota parte de volta, quando desistiu do mesmo, que era de R$ 209 mil em 2009 e hoje é de R$ 300,8 mil (o processo está na 34ª Vara Cível).
A Globo utilizou ao modo de Goebbels o discurso de que Lula poderia, aliás, teria que ser preso ali mesmo em Curitiba, até mesmo com um provável desacato ao juiz, mas como Lula não foi preso porque pelo visto o apartamento não é mesmo dele, partiu para um ataque tão violento, que não se pode dizer que está mais praticando jornalismo.
Do momento do depoimento até agora, quase …