Forma como mulher bebe cerveja pode evitar ou aumentar risco de câncer


Publicada no Scandinavian Journal of Primary Health Care, uma pesquisa feita com mulheres suecas revelou que, dentre outras consequências, o consumo moderado de cerveja pode diminuir em até 30% o risco de infarto do miocárdio. Por outro lado, mulheres que bebem cerveja em excesso teriam aumentadas as chances de ter câncer. A pesquisa durou 32 anos – de 1968 a 2000 – e observou 1652 mulheres, na Suécia. No começo das análises, elas tinham idades entre 38 e 60 anos. Ao final, estavam com faixa etária entre 70 e 92 anos. A intenção era descobrir a relação entre a ingestão de vários tipos de bebida alcoólica – vinho, cerveja e destilados – com a incidência de acidentes vasculares cerebrais, infartos, diabetes, câncer e mortalidade, associando também outros fatores externos, como o tabagismo, a alimentação e a prática de atividades físicas. Destas mulheres, 185 apresentaram infarto no miocárdio, 162 tiveram AVC, 160 desenvolveram diabetes e 345 foram acometidas pelo câncer. Analisando a ingestão ou não de bebidas alcoólicas e os hábitos de vida de cada participante, os pesquisadores concluíram que aquelas que bebiam moderadamente – 1 litro por semana – tinham 30% menos chances de sofrer um infarto. Em contrapartida, o consumo excessivo aumentou as chaces do desenvolvimento do câncer. Já aquelas que tomavam bebidas destiladas, como vodca e uísque, mais de duas vezes por mês, tiveram os riscos de sofrer com câncer aumentados em até 50%. (Bolsa de Mulher)

Blog do Genaldo

Comentários