Idéia de pagamento de propina por meio de igreja partiu de Eduardo Cunha, segundo delator

override-if-required
Em delação premiada na Operação Lava-Jato, o lobista Fernando Baiano relatou que partiu do próprio presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), a ideia de que o empresário Júlio Camargo pagasse propina a ele por meio de doações a uma igreja evangélica – a Assembleia de Deus Ministério Madureira. Segundo o depoimento, por volta do segundo semestre de 2012, “Cunha sugeriu que Júlio Camargo fizesse duas doações [à igreja], no total de R$ 250 mil, cada uma no valor de R$ 125 mil.” A propina se referia à contratação de dois navios-sonda da Petrobras, em negócios intermediados por Camargo. Segundo a delação, Cunha teria se aliado a Baiano, lobista ligado ao PMDB, para cobrar valores do empresário a partir do momento em que este parou de repassar propina ao partido. “Júlio Camargo começou a dizer que estava tendo dificuldade para disponibilizar dinheiro em espécie para pagar Eduardo Cunha, então, o depoente [Baiano] sugeriu que Júlio Camargo fizesse uma doação oficial para Eduardo Cunha ou para o PMDB”, diz o depoimento. A ideia de doação oficial também partiu de Cunha, explicou Baiano. Mas Camargo teria afirmado que não tinha como fazer a doação oficial, por causa dos limites relativos a faturamento impostos pela legislação eleitoral. Diante disso, Cunha teria proposto o pagamento de propina por meio de doação a uma igreja. “O depoente [Baiano] informou isso [impossibilidade de doação oficial] a Eduardo Cunha e então Eduardo Cunha pediu ao depoente para questionar se Júlio Camargo poderia, então, fazer uma doação para uma igreja”, relatou Baiano. O depoimento de Baiano foi anexado à denúncia feita pela Procuradoria Geral da República contra Eduardo Cunha no Supremo Tribunal Federal. (Valor)
Blog do Genaldo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ACM Neto pode não ser mais candidato nas próximas eleições na Bahia

A Globo agora anuncia a incrível piada de início de ano com Luciano Huck e Angélica

O Pitbull de Eduardo Cunha finalmente levou uma mordida