Supremo nega pedido para revogar prisão de Luiz Argôlo

O Supremo Tribunal Federal (STF) negou, nesta quarta-feira (28), o pedido da defesa do ex-deputado federal Luiz Argôlo (ex-PP e SD) para que a prisão preventiva fosse revogada.A defesa de Argôlo utilizou os mesmos argumentos do habeas corpus do executivo do grupo Odebrecht, Alexandrino de Salles Ramos Alencar, para garantir a liberdade. Mas o ministro Teori Zavascki entendeu que “a situação processual é distinta da verificada”. Segundo o ministro, no caso de Alexandrino, a prisão preventiva decretada pelo juiz Sérgio Moro, responsável pelo processo da Lava Jato na primeira instância, foi justificada por uma fundamentação “genérica”, que não individualizou a necessidade de prisão em face da situação específica do acusado. O decreto prisional apontou motivos genéricos como risco de fuga, risco de reiteração da atividade delitiva e possível interferência na colheita de provas. Já no caso de Luiz Argôlo, o decreto prisional aponta suposta participação em tentativa de interferência “na colheita de provas e sustenta ainda haver influência do acusado sobre outros políticos na Bahia”. “Apresenta ainda indícios de recebimento de vantagens indevidas pelo ex-deputado até a ocorrência da prisão preventiva de Alberto Youssef, também alvo de investigações na operação Lava-Jato”, argumentou Zavascki. A defesa do ex-parlamentar também impetrou um habeas corpus no Superior Tribunal de Justiça (STJ), que deve entrar em pauta nas próximas semanas. (BN)

Blog do Genaldo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ACM Neto pode não ser mais candidato nas próximas eleições na Bahia

A Globo agora anuncia a incrível piada de início de ano com Luciano Huck e Angélica

O Pitbull de Eduardo Cunha finalmente levou uma mordida