Pular para o conteúdo principal

O teatro dos invisíveis

Por Genaldo de Melo
Resultado de imagem para imagens de Dilma e Temer juntos
A política não é um jogo de cartas marcadas como pensa quem não faz política, pois ela parece muito mais com cartas brancas e pincéis para desenhar gravuras da mais pura traição. E caso vingue a proposta da oposição de promover impeachment político inventado pela primeira vez, distorcendo a lei de 1950, a presidente Dilma Rousseff enfrentará um jogo em que essas cartas podem não ser marcadas como se pensa, pois dos previstos 258 votos, 86 a mais do que o necessário para derrubar de vez a proposta da oposição abençoada pelo “Senhor dos Anéis”, Eduardo Cunha, muitos podem mudar de ventos segundo interesses particulares ou de grupos de interesses.

Mesmo assim a Presidente está diante de dois cenários colocados. O primeiro deles defendido por ela mesmo para acabar com o recesso dos parlamentares, e resolver esse problema logo em janeiro, e o segundo defendido com unhas e dentes pela oposição que quer procrastinar um pouco mais para depois do recesso.

No primeiro cenário, realmente se a temperatura permanecer como está, Dilma se salva do problema e coloca a oposição numa situação chamada metaforicamente de “canto de carroceria”. Mas existe uma diferença em quem está interessado diretamente no processo. Primeiro Dilma que quer governar até 2018, e segundo Michel Temer, que como traidor infantilmente mandou carta desastrosa para ela promovendo praticamente uma ruptura política entre o Governo e a parcela inconformada do PMDB.

Nos bastidores todos sabem muito bem que Dilma não é boa como Lula na arte da política, enquanto o “Mordomo de Filme de Terror”, é uma verdadeira raposa criada. E tudo o que Dilma tem para oferecer aos eleitores do parlamento, ele pode oferecer em dobro, porque utilizará o discurso de que pode também oferecer os espaços que o PT tem hoje, com sua saída. Nesse cenário o perigo está revestido nesse manto escuro, pois Brasília poderá viver em janeiro a maior temporada de traições e conspirações de sua história.

Num segundo cenário também não existe “moleza” prá ninguém, principalmente para a Presidente. O problema é o discurso tácito da oposição de fato se concretizar, ou seja, com o trabalho implacável, cruel e frio da mídia do Jornalismo da Obediência, a sociedade assimilar o discurso de que realmente Dilma tem que sair da cadeira de presidente dando a vaga para outro, aliás, para o próprio Michel Temer.

Mas também pode acontecer o contrário. Como um processo de impeachment não é tão simples assim como querem pensar mentalidades golpistas da oposição, o tempo poderia ser um aliado de Dilma, consolidando a imagem de que ela foi vítima da vingança do dono de contas milionárias na Suíça Eduardo Cunha. Além disso, a judicialização do processo poderia fazer com que o país emendasse Natal, Ano Novo, férias, carnaval, olimpíadas, e eleições municipais, deixando que naturalmente o impeachment fique em segundo plano.

São dois cenários diferentes com vantagens e desvantagens para Dilma. Agora é bom lembrar para todos que quem pensa demais pode sempre morrer de idiotice.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Globo agora anuncia a incrível piada de início de ano com Luciano Huck e Angélica

Por Genaldo de Melo A Rede Globo sempre esteve envolvida nas tentativas de apresentar para a sociedade brasileira candidatos à presidente que representassem a possibilidade de a pequena minoria conservadora e dona dos meios de produção do país tomassem conta do Estado e ficassem no controle dos recursos dos cofres públicos. Mas nunca essa rede de comunicação com concessão pública escancarou tanto na suas escolhas com fez nesse final de semana com a participação de seu funcionário Luciano Huck no programa televisivo de maior audiência do país em um domingo à tarde.
Luciano Huck, que numa contradição além dos limites para um sujeito que aconselha publicamente a seriedade, a honestidade e o combate à corrupção dos homens públicos, demonstrou que além de falta de seriedade dele próprio já que havia desistido publicamente de candidatura, também demonstrou que a Rede Globo resolveu entrar de vez na disputa para ter um nome na Presidência da República para chamar de seu.
E mais grave ainda, par…

O desespero da Globo com seu circo de horrores

Por Genaldo de Melo A Rede Globo de Comunicações, que passou os quinze dias que antecederam o tão badalado depoimento de Lula ao juiz Sérgio Moro, por causa de um triplex, que até agora ninguém mostrou de fato nenhum documento do mesmo no nome dele, e do mesmo modo não comprovou que ele ganhou o mesmo como forma de propina, literalmente entrou em desespero. Interessante é que o tríplex entrou no imposto de renda da OAS, e D. Marisa entrou com um processo judicial para receber sua cota parte de volta, quando desistiu do mesmo, que era de R$ 209 mil em 2009 e hoje é de R$ 300,8 mil (o processo está na 34ª Vara Cível).
A Globo utilizou ao modo de Goebbels o discurso de que Lula poderia, aliás, teria que ser preso ali mesmo em Curitiba, até mesmo com um provável desacato ao juiz, mas como Lula não foi preso porque pelo visto o apartamento não é mesmo dele, partiu para um ataque tão violento, que não se pode dizer que está mais praticando jornalismo.
Do momento do depoimento até agora, quase …

Lava Jato pode apresentar a lista de santos que o Brasil deve votar em 2018

Por Genaldo de Melo O procurador da República em Curitiba, um dos coordenadores da Operação Lava Jato, Deltan Dallagnol, parece que compreendendo que o povo brasileiro é um dos mais despolitizados do mundo, tanto que escolhe sempre os piores para serem representantes no Congresso Nacional, quer que para se terminar com a Operação de vez em 2018, orientar para que se vote nos melhores, só não diz quem são os melhores para um povo que vende o voto para corruptos.
Em sua aparição na Globonews, como se fosse um artista de cinema ou um astro do futebol, fala do fim da Lava Jato, mas deixa bem claro que ela só acaba se os brasileiros melhorarem o Congresso Nacional nas urnas. Ele parece que quer continuar com seus espetáculos e não resolver de fato o problema de combate e prevenção da corrupção, pois trabalha como um cabo eleitoral, e efetivamente não prendeu ninguém que foi delatado ligado aos tucanos, demistas e peemedebistas (com exceção de Cunha, que ninguém sabe de fato se realmente ele …