Pular para o conteúdo principal

O teatro dos invisíveis

Por Genaldo de Melo
Resultado de imagem para imagens de Dilma e Temer juntos
A política não é um jogo de cartas marcadas como pensa quem não faz política, pois ela parece muito mais com cartas brancas e pincéis para desenhar gravuras da mais pura traição. E caso vingue a proposta da oposição de promover impeachment político inventado pela primeira vez, distorcendo a lei de 1950, a presidente Dilma Rousseff enfrentará um jogo em que essas cartas podem não ser marcadas como se pensa, pois dos previstos 258 votos, 86 a mais do que o necessário para derrubar de vez a proposta da oposição abençoada pelo “Senhor dos Anéis”, Eduardo Cunha, muitos podem mudar de ventos segundo interesses particulares ou de grupos de interesses.

Mesmo assim a Presidente está diante de dois cenários colocados. O primeiro deles defendido por ela mesmo para acabar com o recesso dos parlamentares, e resolver esse problema logo em janeiro, e o segundo defendido com unhas e dentes pela oposição que quer procrastinar um pouco mais para depois do recesso.

No primeiro cenário, realmente se a temperatura permanecer como está, Dilma se salva do problema e coloca a oposição numa situação chamada metaforicamente de “canto de carroceria”. Mas existe uma diferença em quem está interessado diretamente no processo. Primeiro Dilma que quer governar até 2018, e segundo Michel Temer, que como traidor infantilmente mandou carta desastrosa para ela promovendo praticamente uma ruptura política entre o Governo e a parcela inconformada do PMDB.

Nos bastidores todos sabem muito bem que Dilma não é boa como Lula na arte da política, enquanto o “Mordomo de Filme de Terror”, é uma verdadeira raposa criada. E tudo o que Dilma tem para oferecer aos eleitores do parlamento, ele pode oferecer em dobro, porque utilizará o discurso de que pode também oferecer os espaços que o PT tem hoje, com sua saída. Nesse cenário o perigo está revestido nesse manto escuro, pois Brasília poderá viver em janeiro a maior temporada de traições e conspirações de sua história.

Num segundo cenário também não existe “moleza” prá ninguém, principalmente para a Presidente. O problema é o discurso tácito da oposição de fato se concretizar, ou seja, com o trabalho implacável, cruel e frio da mídia do Jornalismo da Obediência, a sociedade assimilar o discurso de que realmente Dilma tem que sair da cadeira de presidente dando a vaga para outro, aliás, para o próprio Michel Temer.

Mas também pode acontecer o contrário. Como um processo de impeachment não é tão simples assim como querem pensar mentalidades golpistas da oposição, o tempo poderia ser um aliado de Dilma, consolidando a imagem de que ela foi vítima da vingança do dono de contas milionárias na Suíça Eduardo Cunha. Além disso, a judicialização do processo poderia fazer com que o país emendasse Natal, Ano Novo, férias, carnaval, olimpíadas, e eleições municipais, deixando que naturalmente o impeachment fique em segundo plano.

São dois cenários diferentes com vantagens e desvantagens para Dilma. Agora é bom lembrar para todos que quem pensa demais pode sempre morrer de idiotice.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A manipulação grosseira da Globo do Dia do Trabalho

Por Genaldo de Melo Dificilmente assisto a Rede Globo, porque além de não ter mais paciência, não concordo com a manipulação que ela faz com suas edições políticas contra a esquerda brasileira, e hoje definitivamente contra a democracia brasileira.
Mas confesso que ontem resolvi acompanhar o Jornal Nacional para ver que tipo de grosseria jornalística ela poderia fazer com esse Dia do Trabalho, em que parcela do povo ocupou às ruas em defesa de Lula e da democracia.
Simplesmente vergonhoso seu jornalismo da obediência, pois utilizou a maior parte do noticiário para sensacionalizar e sensibilizar a população sobre o incêndio em São Paulo, e manipulou sua edição com imagens que não mostraram a verdade das ruas no dia do trabalhador.
Não que não seja importante noticiar o incêndio do prédio paulista, mas porque descaradamente usou abusivamente do fato para esconder o óbvio de que os brasileiros ocuparam em massa as ruas do Brasil em defesa de Lula e em defesa da democracia.
Nos fatos ficou cla…

ACM Neto pode não ser mais candidato nas próximas eleições na Bahia

Por Genaldo de Melo Reza a cantilena popular que para bom entendedor meia palavra basta, de modo que não precisa ser muito inteligente ou até mesmo conhecer os bastidores do mundo político, para saber do dilema existencial por qual passa o prefeito de Salvador, ACM Neto, em torno da perigosa decisão que precisa tomar logo, porque o tempo como ele pensa e verbaliza não é tão grande assim, para se lançar como o nome das oposições ao governo do Estado da Bahia nessas eleições vindouras.
Basta somente dialogar com os fatos e analisar mais friamente as próprias palavras do prefeito em entrevista que concedeu na abertura do carnaval da capital baiana para se chegar a dolorosa e cruel conclusão de que ACM Neto não tem tanta certeza assim de uma provável vitória.
ACM Neto verbalizou nas entrelinhas que a decisão não é tão fácil assim como pensam seus aliados, até mesmo porque em se lançando candidato a governador e perdendo as eleições, ele ficará quatro anos sem mandato e sem a possibilidade e …

Sem Lula cidadãos conscientes continuam preferindo Manuela

Por Genaldo de Melo Caso não haja a possibilidade de Lula ser candidato à Presidente da República, muitos cidadãos brasileiros conscientes da importância de um representante que tenha mais a cara do povo brasileiro, e não o espectro dos interesses internacionais, ficarão órfãos para ter que escolher entre os postulantes de centro e de esquerda que estão se colocando a disposição das urnas.
Todos os nomes colocados até o momento que poderiam substituir Lula nas urnas não conseguiram ainda atingir os dois dígitos nas pesquisas eleitorais. Entre os mais bem colocados estão Ciro Gomes (PDT) e Joaquim Barbosa (este colocado aqui por ser provável postulante do “PSB”, mas muito complicado ainda do ponto de vista ideológico). Ainda em processo de construção da imagem estão Manuela D‘Ávila (PCdoB) e Guilherme Boulos (PSOL).
Em relação a Joaquim Barbosa, rumores dão conta que os verdadeiros socialistas estão se remoendo ainda para ter que aceitar aquele sujeito estranho, com mais interesse nos EUA…