Ladrões do dinheiro da educação

Por Genaldo de Melo
Resultado de imagem para símbolo de roubo
Pela primeira vez na história brasileira resolveram que a corrupção é um fato anormal que deve ser combatido de todos os modos, pois a mesma é uma doença que com seus sintomas atinge diretamente o funcionamento de setores essenciais de nossa sociedade. Porém, a corrupção não pode apenas ser discutida como resultado de um indivíduo, de um grupo ou partido político. A corrupção é endêmica, está nos meios políticos e econômicos, como também está nas ruas nos pequenos detalhes do chamado jeitinho brasileiro para tudo.

Mas ela atinge graus de gravidade e preocupação quando acontece em prejuízo da mais essencial premissa para o processo sucessório de nossa sociedade. Ou seja, quando ela atinge o pilar principal que é a Educação Pública promovida e de responsabilidade dos municípios, que ficam na ponta da funcionalidade da nossa sociedade.

Segundo balanço da Controladoria-Geral da União (CGU) desde 2003 foram desviados em torno de R$ 2 bilhões destinados à merenda e transporte escolar em diversos municípios do país. Ou seja, prefeitos e grupos políticos desonestos desviaram “rios” de dinheiro, que deveria servir para melhorar e motivar para resultados positivos da Educação Pública brasileira. Uma verdadeira vergonha!

Os Ministérios da Justiça, da Educação e a CGU assinaram recentemente uma Portaria conjunta para combater as irregularidades a atuar na fiscalização desses recursos, pois somente em cinco municípios foram desviados cerca de R$ 380 milhões, entre 2003 e 2015. Somente num município do Maranhão (Sermão aos Peixes) foram desviados cerca de R$ 114 milhões!

Em operações conjuntas feitas pela CGU e pela Polícia federal foram presas 350 pessoas, mas ficaram de fora dessa lista provavelmente aqueles que continuam “maquinando” planos para roubar o dinheiro da educação, colocando populações inteiras sob o julgo da ignorância política por falta da educação de qualidade. Pois está comprovado que a média dos Índices de Desempenho da Educação Básica (IDEB), onde há corrupção é menor que a média nacional. A média nacional é de 5,2, enquanto que nos locais onde foi constatado fraudes nos programas da merenda e do transporte escolar é de 3,55.


Bem que a mídia brasileira poderia contribuir com o combate à corrupção, e não utilizar o discurso do combate à corrupção como instrumento de luta pelo poder, pois a corrupção não foi inventada recentemente como querem mostrar, e o Brasil já tem mais de 500 anos de existência. Se não faz isso também ajuda a esconder os mau-feitores!

Comentários