46.400 motivos de vergonha para Michel Temer

Por Genaldo de Melo
Caso se concretize a farsa histórica de ter um governo até 2018 estabelecido na ilegalidade constitucional, ou seja, sem a utilização exata das prerrogativas da democracia plena brasileira, que seja através do voto popular, começaremos exatamente com um governo que além de ser ilegítimo, será caracterizado inicialmente por duas manchas de vergonha para os brasileiros. O pior presidente da história brasileira, e o pior presidente da América dos Sul na atualidade.

Nunca na história política brasileira um homem representando o governo teve tanta impopularidade em tão pouco tempo. Se comparado à Dilma Rousseff como querem alguns, fica fora de órbita tal discussão, pois ela para se tornar impopular ao ponto que chegou, foi necessário muita propaganda política bem articulada da mídia brasileira, pois Dilma foi gerente do governo de Lula no segundo mandato, e governou durante mais quatro de forma competente, começando sua impopularidade apenas em meses recentes, tanto que ganhou às ultimas eleições contra tudo e contra todos.

Em relação a Michel Temer é vergonhoso sua condição como presidente interino da República, pois chegou ao patamar de aprovação de apenas 11% da população brasileira em apenas 100 dias de administração. Pelos números na história em cerca de 46.400 dias, em 127 anos de República, ninguém conseguiu tal proeza de ser tão impopular na história política brasileira com apoio incondicional de praticamente toda a mídia nacional.

Caso se consolide no governo como farsa histórica Michel Temer consegue também a proeza de ser atualmente o presidente da República mais impopular da América do Sul, segundo dados estatísticos coletados até 16 de agosto ultimo dos principais institutos de pesquisas da parte de baixo do Hemisfério Sul. Vejamos o quadro abaixo:


Presidente
País
Aprovação
Fonte de pesquisa
Michel Temer
Brasil
11%
Todos os institutos
Pedro Pablo Kuczynski
Peru
70%
Instituto CPI
Maurício Macri
Argentina
56%
Instituto Poliarqui e Jornal La Nación
Evo Morales
Bolívia
 51%
Jornal Poder Y Placer
Rafael Correa
Equador
35%
Cedatos
Juan Manoel Santos
Colômbia
30
Canal Caracol
Tabaré Vásquez
Uruguai
30%
Equipos Consultores
Nicolás Maduro
Venezuela
23%
Instituto Datanálisis
Horácio Cartes
Paraguai
23%
Jornal UH y Telefuturo, IBOPE CIES
Michelle Bachelet
Chile
19%
Instituto Plaza Pública

Comentários