Pular para o conteúdo principal

A sensacional presença de Dilma

Por Genaldo de Melo
Dilma Rousseff
Dilma Rousseff tomou a postura mais correta diante de um julgamento de mérito de um processo de acusação que lhe é imputado com características eminentemente políticas, de apresentar pessoalmente sua defesa, principalmente porque ela falará pelo tempo que quiser enquanto que os senadores, principalmente senadores envolvidos em crimes políticos que não atingem a ela, falarão apenas dez minutos cada.

Um golpe político evidentemente já aconteceu com as mudanças de várias regras feitas no Estado brasileiro nos três meses de administração interina de Michel Temer, mas isso somente não é prerrogativa para dizer que Dilma já caiu, porque ela pode voltar e terá dois anos para se recompor, e recompor o projeto político que ela representa, que está sendo colocado em xeque pela aliança direita/mídia/judiciário.

Premissas para ela vencer o julgamento do mérito não faltam, porém dois elementos podem formatar o eixo da balança das decisões de vários senadores que estão indecisos, porque o processo vai ser visto por toda a população brasileira, mesmo que com distorções das matérias jornalísticas que tentará imprimir a Rede Globo e seus tentáculos de repetição.

Ambos elementos agirão a partir dessa semana simbolicamente com o imaginário tanto da população, bem como com o juízo de alguns senadores, que sabem que tudo isso vai ser utilizado politicamente nas eleições de 2018.

O primeiro é o ato do próprio julgamento em si que se parecerá uma espécie de metáfora de carnificina antijurídica. O ato será realizado sem provas concretas, apenas com discursos “políticos” de senadores que não querem de forma nenhuma o projeto que Dilma representa que 54 milhões de cidadãos foram a favor nas urnas.

Parece que vai ser discurso contra discurso, e a acusação apresentou apenas duas testemunhas, mas já trabalha com a possibilidade de dispensar uma delas para agilizar o andamento do processo. Com essa pressa toda e sem as provas concretas que a Constituição determina, como é mesmo que vai se colocar na cabeça dos brasileiros de que não se trata de um roubo do poder, um assalto sem armas do Estado brasileiro?


O segundo elemento do jogo é a presença física da própria Dilma Rousseff em sua defesa. Ela falará o tempo que quiser, e quando terminar, os senadores poderão questioná-la. E parece que os adversários dela se esqueceram que a mesma foi gestora do último governo de Lula, cumpriu um mandato e meio de presidente, para somente agora ser tratada como incompetente, e incapaz de enfrentar um debate de cabeça erguida. 

Dilma vai pessoalmente se defender das acusações que lhes são imputadas exatamente porque ela não é uma mulher qualquer. E apesar das distorções jornalísticas de que será vítima ela estará diante não somente daquele Senado “romano”, mas diante do Brasil inteiro. E como será que a Rede Globo vai colocar na cabeça dos brasileiros de que não se trata de um roubo ao poder, um assalto sem armas ao Estado brasileiro? O que os senadores vão dizer aos brasileiros nas eleições de 2018? Algumas pessoas pensam que os reis são “bestas”!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A manipulação grosseira da Globo do Dia do Trabalho

Por Genaldo de Melo Dificilmente assisto a Rede Globo, porque além de não ter mais paciência, não concordo com a manipulação que ela faz com suas edições políticas contra a esquerda brasileira, e hoje definitivamente contra a democracia brasileira.
Mas confesso que ontem resolvi acompanhar o Jornal Nacional para ver que tipo de grosseria jornalística ela poderia fazer com esse Dia do Trabalho, em que parcela do povo ocupou às ruas em defesa de Lula e da democracia.
Simplesmente vergonhoso seu jornalismo da obediência, pois utilizou a maior parte do noticiário para sensacionalizar e sensibilizar a população sobre o incêndio em São Paulo, e manipulou sua edição com imagens que não mostraram a verdade das ruas no dia do trabalhador.
Não que não seja importante noticiar o incêndio do prédio paulista, mas porque descaradamente usou abusivamente do fato para esconder o óbvio de que os brasileiros ocuparam em massa as ruas do Brasil em defesa de Lula e em defesa da democracia.
Nos fatos ficou cla…

ACM Neto pode não ser mais candidato nas próximas eleições na Bahia

Por Genaldo de Melo Reza a cantilena popular que para bom entendedor meia palavra basta, de modo que não precisa ser muito inteligente ou até mesmo conhecer os bastidores do mundo político, para saber do dilema existencial por qual passa o prefeito de Salvador, ACM Neto, em torno da perigosa decisão que precisa tomar logo, porque o tempo como ele pensa e verbaliza não é tão grande assim, para se lançar como o nome das oposições ao governo do Estado da Bahia nessas eleições vindouras.
Basta somente dialogar com os fatos e analisar mais friamente as próprias palavras do prefeito em entrevista que concedeu na abertura do carnaval da capital baiana para se chegar a dolorosa e cruel conclusão de que ACM Neto não tem tanta certeza assim de uma provável vitória.
ACM Neto verbalizou nas entrelinhas que a decisão não é tão fácil assim como pensam seus aliados, até mesmo porque em se lançando candidato a governador e perdendo as eleições, ele ficará quatro anos sem mandato e sem a possibilidade e …

Sem Lula cidadãos conscientes continuam preferindo Manuela

Por Genaldo de Melo Caso não haja a possibilidade de Lula ser candidato à Presidente da República, muitos cidadãos brasileiros conscientes da importância de um representante que tenha mais a cara do povo brasileiro, e não o espectro dos interesses internacionais, ficarão órfãos para ter que escolher entre os postulantes de centro e de esquerda que estão se colocando a disposição das urnas.
Todos os nomes colocados até o momento que poderiam substituir Lula nas urnas não conseguiram ainda atingir os dois dígitos nas pesquisas eleitorais. Entre os mais bem colocados estão Ciro Gomes (PDT) e Joaquim Barbosa (este colocado aqui por ser provável postulante do “PSB”, mas muito complicado ainda do ponto de vista ideológico). Ainda em processo de construção da imagem estão Manuela D‘Ávila (PCdoB) e Guilherme Boulos (PSOL).
Em relação a Joaquim Barbosa, rumores dão conta que os verdadeiros socialistas estão se remoendo ainda para ter que aceitar aquele sujeito estranho, com mais interesse nos EUA…