Pular para o conteúdo principal

Michel e Ricardo já decidiram privatizar a saúde no Brasil

Por Genaldo de Melo
Resultado de imagem para logomarca do SUS
Uma iniquidade vem sendo formulada silenciosamente dentro do Governo interino de Michel Temer, ou seja, trabalha-se nos bastidores o discurso prático do desmantelamento do Sistema Único de Saúde (SUS), porque segundo os porta-vozes da mercantilização da saúde no Brasil o Estado é ineficiente para cumprir a prerrogativa constitucional de que saúde é “direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem a redução do risco de doenças e outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação”.

De acordo com notícias recentes, o atual Ministro da Saúde, Ricardo Barros (aquele que disse recentemente que os brasileiros inventam doenças) defende a implantação de um plano de saúde “popular”, no qual os usuários teriam acesso a um conjunto menor de serviços de saúde ofertados pela cobertura mínima exigida pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), pois seu baixo custo melhoraria a sustentabilidade do SUS.

Na verdade essa proposta é uma opção neoliberal, recomendada pelo Banco Mundial, que concebe saúde como “ausência de doença”, e conduz à privatização do setor, pois em nome da eficiência e da eficácia subordina a saúde pública aos imperativos da austeridade econômica.

Nas entrelinhas do discurso do Ministro da Saúde esse pacote de serviços de saúde “populares” necessariamente conduzirá à privatização total do setor, desde o controle dos fundos públicos pelo capital financeiro até a expansão dos seguros privados de saúde como alternativa viável ao sistema público. A mercantilização da saúde será alcançada em todas as esferas que possam ser capturadas pelo setor privado para ampliar seus lucros.

Pela lógica da lucratividade o mercado não vai querer fazer nada de bom grado para o povo, e isso não vai ser bom para os brasileiros, como já não vem dando certo essas receitas neoliberais em outras partes da América Latina. As experiências realizadas pelas privatizações em todos os setores dos serviços públicos essenciais (não somente de saúde) comprovam que está se criando nichos de reserva, e com a saúde pública isso se configurará numa tragédia que se anuncia.


É bom que a sociedade brasileira reaja logo, porque quem pensa demais pode morrer não somente de doença mais também de idiotice. E a idéia de Estado Mínimo na saúde definida pelo Ministro Ricardo Barros e sua turma, é exatamente o contrário da postura do silêncio diante de tudo, pois é resultado de quem não está pensando muito, além da visão do lucro desenfreado. 

Desde que Michel Temer assumiu o Governo interino, e Ricardo Barros com sua equipe o Ministério da Saúde nada mais fazem do que formular as estratégias das idéias práticas dos proprietários dos planos de saúde no Brasil. É a visão mercantilista do lucro, e com doença não se brinca, amigos!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Grande oportunidade: Inscrições abertas para o Fundo Socioambiental Caixa

Por Genaldo de Melo A Caixa Econômica Federalestá com inscrições abertas para oFundo Socioambiental Caixa – FSA Caixa, que apóia projetos socioambientais voltados ao desenvolvimento integrado e sustentável para a população de baixa renda. O financiamento varia de 200 mil a 1 milhão de reais. São dois os editais abertos no momento para o FSA Caixa: Desenvolvimento e Cidadania; e Energias Renováveis e Recursos Hídricos. No edital de Desenvolvimento e Cidadania serão selecionados 20 projetos voltados à promoção socioeconômica com foco em saúde, educação, inclusão produtiva e promoção da cidadania, que tenham como finalidade a erradicação da pobreza, inclusão social e econômica, promoção da justiça, da dignidade e da qualidade de vida, implementados por organizações da sociedade civil sem fins lucrativos que atuem junto a grupos e comunidades em situação de vulnerabilidade social. O prazo para inscrição nesse edital é dia 11 de julho. Já no edital de Energias Renováveis e R…

Lula foi inocentado

Por Genaldo de Melo Recentemente o jornalista José Roberto Guzzo, colunista da revista Veja, escreveu um artigo intitulado “É só explicar”, cobrando indignado que Lula deveria aproveitar apenas quinze minutos para explicar sobre o polêmico apartamento que por “convicção" setores do Ministério Público Federal insistem na tese de que foi matéria de propina dada pela empresa OAS ao mesmo.
Interessante é que pelo que sabemos Lula já gastou uma carga de centenas e centenas de quinze minutos explicando que o polêmico apartamento não lhe pertence, e de todos os modos tenta explicar juridicamente esse fantoche político, mas tanto o Ministério Público quanto a mídia do Jornalismo de propaganda política continua insistindo nesse assunto.
Agora realmente o que causa um pouco de indignação é que as testemunhas de acusação que apresentaram seus depoimentos hoje (21/11) ao MPF, absolutamente todas são unânimes em dizer que não podem incriminar Lula, porque elas mesmas não negociaram nada disso em…

O desespero da Globo com seu circo de horrores

Por Genaldo de Melo A Rede Globo de Comunicações, que passou os quinze dias que antecederam o tão badalado depoimento de Lula ao juiz Sérgio Moro, por causa de um triplex, que até agora ninguém mostrou de fato nenhum documento do mesmo no nome dele, e do mesmo modo não comprovou que ele ganhou o mesmo como forma de propina, literalmente entrou em desespero. Interessante é que o tríplex entrou no imposto de renda da OAS, e D. Marisa entrou com um processo judicial para receber sua cota parte de volta, quando desistiu do mesmo, que era de R$ 209 mil em 2009 e hoje é de R$ 300,8 mil (o processo está na 34ª Vara Cível).
A Globo utilizou ao modo de Goebbels o discurso de que Lula poderia, aliás, teria que ser preso ali mesmo em Curitiba, até mesmo com um provável desacato ao juiz, mas como Lula não foi preso porque pelo visto o apartamento não é mesmo dele, partiu para um ataque tão violento, que não se pode dizer que está mais praticando jornalismo.
Do momento do depoimento até agora, quase …