Pular para o conteúdo principal

O importante voto de Otto Alencar

Por Genaldo de Melo
Muitas lideranças políticas na Bahia se revelam na capacidade que demonstram a tomar suas decisões, principalmente nas urnas. Nos últimos tempos surgiram lideranças que eram consideradas inofensivas, e que eleitoralmente eram consideradas como “postes”, como o caso do governador rui Costa. Mas nada pode se comparar ao trabalho político feito em silêncio nos últimos anos pelo atual senador Otto Alencar.

Otto depois do auge político ao lado de Antonio Carlos Magalhães recolheu-se à zona de conforto do cargo vitalício de conselheiro do Tribunal de Contas, e muita gente do mundo político não mais o abraçou como político, mas com um técnico.

Como ninguém sabe o que se passa na cabeça de um homem, melhor não fazer conjecturas, sabe-se apenas que abandonou a condição que qualquer público sonha com cargo vitalício, salário eterno, assessores e estrutura para tudo, e abraçou a causa de Jacques Wagner para eleger seu “poste”, voltar aos riscos do mundo político e se tornar Senador da república, ou seja, de novo voltar a fazer política no sentido mais literal da palavra.

Otto Alencar no momento na Bahia pode ser considerado do ponto de vista político um dos quadros mais desejados para que tome determinadas decisões, que seus resultados serão concluídos em 2018. Como política não tão matemática assim, o voto do Senador no julgamento do mérito no processo que se pretende cassar Dilma Rousseff vai dizer muita coisa no futuro da Bahia a partir de janeiro de 2019.

Otto Alencar foi o primeiro por decidir sem “pestanejar os olhos” apoiar Alice Portugal (PCdoB) nas eleições municipais, demonstrando compromisso com as forças que levantaram suas bandeiras nas ruas, mas está em xeque, porque nacionalmente seu partido já fechou compromisso com a proposta do PMDB de Michel Temer.

Não se pode no mundo da política se valorizar demais um homem, mas também seria injustiça e um erro fatal menosprezar sua importância num determinado momento histórico. E o voto de Otto Alencar no julgamento do mérito do impeachment de Dilma Rousseff, desencadeará junto com os resultados das urnas nessas eleições municipais três situações específicas para depois de janeiro de 2019.

Se ele votar em Dilma, mesmo perdendo ele pode ajudar a consolidar na Bahia a posição de reeleição de Rui Costa, e provavelmente fará outro senador para colocar em Brasília em função de seu projeto futuro. Se ele não votar em Dilma, e Michel Temer ganhar, ele vai ter uma briga hercúlea com Geddel Lima que se fortalecerá, e com ACM Neto, que se fortalecerá para as urnas em 2018.

Fica difícil analisar em tão pouco tempo outros cenários, mas a terceira situação a partir de seu voto nesse fatídico março de 2016, é a sua própria. Pois como animal político mais desejado, mais querido, mais solicitado, a capacidade de sua decisão é que vai fazer com que continue bem ou mal a partir de janeiro de 2019. E cabe ao povo da Bahia que o trouxe de volta à política a esperança de que Otto Alencar vote certo!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Grande oportunidade: Inscrições abertas para o Fundo Socioambiental Caixa

Por Genaldo de Melo A Caixa Econômica Federalestá com inscrições abertas para oFundo Socioambiental Caixa – FSA Caixa, que apóia projetos socioambientais voltados ao desenvolvimento integrado e sustentável para a população de baixa renda. O financiamento varia de 200 mil a 1 milhão de reais. São dois os editais abertos no momento para o FSA Caixa: Desenvolvimento e Cidadania; e Energias Renováveis e Recursos Hídricos. No edital de Desenvolvimento e Cidadania serão selecionados 20 projetos voltados à promoção socioeconômica com foco em saúde, educação, inclusão produtiva e promoção da cidadania, que tenham como finalidade a erradicação da pobreza, inclusão social e econômica, promoção da justiça, da dignidade e da qualidade de vida, implementados por organizações da sociedade civil sem fins lucrativos que atuem junto a grupos e comunidades em situação de vulnerabilidade social. O prazo para inscrição nesse edital é dia 11 de julho. Já no edital de Energias Renováveis e R…

Lula foi inocentado

Por Genaldo de Melo Recentemente o jornalista José Roberto Guzzo, colunista da revista Veja, escreveu um artigo intitulado “É só explicar”, cobrando indignado que Lula deveria aproveitar apenas quinze minutos para explicar sobre o polêmico apartamento que por “convicção" setores do Ministério Público Federal insistem na tese de que foi matéria de propina dada pela empresa OAS ao mesmo.
Interessante é que pelo que sabemos Lula já gastou uma carga de centenas e centenas de quinze minutos explicando que o polêmico apartamento não lhe pertence, e de todos os modos tenta explicar juridicamente esse fantoche político, mas tanto o Ministério Público quanto a mídia do Jornalismo de propaganda política continua insistindo nesse assunto.
Agora realmente o que causa um pouco de indignação é que as testemunhas de acusação que apresentaram seus depoimentos hoje (21/11) ao MPF, absolutamente todas são unânimes em dizer que não podem incriminar Lula, porque elas mesmas não negociaram nada disso em…

O desespero da Globo com seu circo de horrores

Por Genaldo de Melo A Rede Globo de Comunicações, que passou os quinze dias que antecederam o tão badalado depoimento de Lula ao juiz Sérgio Moro, por causa de um triplex, que até agora ninguém mostrou de fato nenhum documento do mesmo no nome dele, e do mesmo modo não comprovou que ele ganhou o mesmo como forma de propina, literalmente entrou em desespero. Interessante é que o tríplex entrou no imposto de renda da OAS, e D. Marisa entrou com um processo judicial para receber sua cota parte de volta, quando desistiu do mesmo, que era de R$ 209 mil em 2009 e hoje é de R$ 300,8 mil (o processo está na 34ª Vara Cível).
A Globo utilizou ao modo de Goebbels o discurso de que Lula poderia, aliás, teria que ser preso ali mesmo em Curitiba, até mesmo com um provável desacato ao juiz, mas como Lula não foi preso porque pelo visto o apartamento não é mesmo dele, partiu para um ataque tão violento, que não se pode dizer que está mais praticando jornalismo.
Do momento do depoimento até agora, quase …