Pular para o conteúdo principal

Vem aí mais dois partidos políticos no Brasil

Por Genaldo de Melo
Resultado de imagem para imagens de confusão
Apesar de não concordar com esse proselitismo é prerrogativa de nossa democracia que segmentos da sociedade brasileira possam criar partidos políticos no Brasil. Primeiro é que nem todos os segmentos da sociedade se sentem representados pelas correntes políticas e agremiações partidárias existentes, que são herméticas e na realidade são verdadeiros feudos que tem donos. Segundo porque a própria legislação eleitoral no Brasil que se constitui numa verdadeira aberração permite tal coisa.

Mas a preocupação é que estamos fragmentando demais a estrutura eleitoral no país, e cada dia surgem grupos criando partidos políticos como se fossem associações de moradores, criadas a partir de interesses e conflitos existentes na própria estrutura arcaica do movimento comunitário no Brasil.

Uma reforma política precisa urgentemente ser pensada para que todos possam ter espaços nos partidos políticos considerados sérios, e não enveredem na febre atual de se criar novos partidos. Sem entrar na questão do mérito, já estão surgindo mais dois partidos políticos no Brasil, com a finalidade de representar correntes da sociedade brasileira que dizem não ter  espaço nenhum na atual estrutura partidária anacrônica e das aves de rapina.

O primeiro deles ainda precisa explicar melhor para a sociedade, pois nasce da divisão de um grupo considerado radical, com viés marxista, mas que nunca foi aprovado nas urnas, que é evidentemente uma das finalidades dos partidos políticos, segundo a Lei dos Partidos (Lei 9.096/95). Na realidade este novo partido surge de um grupo de pessoas descontentes com a linha política do Partido Socialista dos Trabalhadores Unificados (PSTU), e que resolveram promover o famoso “racha” dos partidos de extrema-esquerda no país, e será denominado segundo seus porta-vozes de MAIS (Movimento por uma Alternativa Independente Socialista). Ou é partido político, ou é grupo de estudos de conjuntura?

A outra mais nova agremiação teve sua pedra fundamental lançada também por esses dias, denominada de Partido Frente Favela Brasil. Esse é ainda mais complicado de entender, pois nasce com o incentivo de lideranças comunitárias com bases na organização não-governamental Central Única das Favelas (CUF). Mas não deu ainda muito para compreender o discurso de um dos seus postulantes, o fundador da CUF, Celso Athayde, de que “os parlamentares desse partido devolverão 50% de seu salário para a fundação do partido, que devolve para a sociedade a partir de edital anual". Ou é partido político ou então é Terceiro setor? não se pode confundir essas estrutura jurídicas!


Pois é! Como a democracia permite o direito e a liberdade de se criar partidos políticos a partir das regras de nossa legislação vigente, e da aberração institucional existente, isso é um direito de todos! Porém isso significa mais fragmentação e mais confusão num país em que o povo não sabe o que significa de fato programa partidário e nem mesmo partido político.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Grande oportunidade: Inscrições abertas para o Fundo Socioambiental Caixa

Por Genaldo de Melo A Caixa Econômica Federalestá com inscrições abertas para oFundo Socioambiental Caixa – FSA Caixa, que apóia projetos socioambientais voltados ao desenvolvimento integrado e sustentável para a população de baixa renda. O financiamento varia de 200 mil a 1 milhão de reais. São dois os editais abertos no momento para o FSA Caixa: Desenvolvimento e Cidadania; e Energias Renováveis e Recursos Hídricos. No edital de Desenvolvimento e Cidadania serão selecionados 20 projetos voltados à promoção socioeconômica com foco em saúde, educação, inclusão produtiva e promoção da cidadania, que tenham como finalidade a erradicação da pobreza, inclusão social e econômica, promoção da justiça, da dignidade e da qualidade de vida, implementados por organizações da sociedade civil sem fins lucrativos que atuem junto a grupos e comunidades em situação de vulnerabilidade social. O prazo para inscrição nesse edital é dia 11 de julho. Já no edital de Energias Renováveis e R…

Lula foi inocentado

Por Genaldo de Melo Recentemente o jornalista José Roberto Guzzo, colunista da revista Veja, escreveu um artigo intitulado “É só explicar”, cobrando indignado que Lula deveria aproveitar apenas quinze minutos para explicar sobre o polêmico apartamento que por “convicção" setores do Ministério Público Federal insistem na tese de que foi matéria de propina dada pela empresa OAS ao mesmo.
Interessante é que pelo que sabemos Lula já gastou uma carga de centenas e centenas de quinze minutos explicando que o polêmico apartamento não lhe pertence, e de todos os modos tenta explicar juridicamente esse fantoche político, mas tanto o Ministério Público quanto a mídia do Jornalismo de propaganda política continua insistindo nesse assunto.
Agora realmente o que causa um pouco de indignação é que as testemunhas de acusação que apresentaram seus depoimentos hoje (21/11) ao MPF, absolutamente todas são unânimes em dizer que não podem incriminar Lula, porque elas mesmas não negociaram nada disso em…

O desespero da Globo com seu circo de horrores

Por Genaldo de Melo A Rede Globo de Comunicações, que passou os quinze dias que antecederam o tão badalado depoimento de Lula ao juiz Sérgio Moro, por causa de um triplex, que até agora ninguém mostrou de fato nenhum documento do mesmo no nome dele, e do mesmo modo não comprovou que ele ganhou o mesmo como forma de propina, literalmente entrou em desespero. Interessante é que o tríplex entrou no imposto de renda da OAS, e D. Marisa entrou com um processo judicial para receber sua cota parte de volta, quando desistiu do mesmo, que era de R$ 209 mil em 2009 e hoje é de R$ 300,8 mil (o processo está na 34ª Vara Cível).
A Globo utilizou ao modo de Goebbels o discurso de que Lula poderia, aliás, teria que ser preso ali mesmo em Curitiba, até mesmo com um provável desacato ao juiz, mas como Lula não foi preso porque pelo visto o apartamento não é mesmo dele, partiu para um ataque tão violento, que não se pode dizer que está mais praticando jornalismo.
Do momento do depoimento até agora, quase …