Pular para o conteúdo principal

A arte de resolver os problemas com manifestantes na porrada

Por Genaldo de Melo
thumb image
Se a parcela da população que tem o mínimo de compreensão das coisas políticas, principalmente aquela formada por pessoas que são militantes dos movimentos sociais que foram às ruas contra o golpe proferido pelos verdadeiros corruptos da Lava Jato, pensava que os membros das castas componentes da direita brasileira queriam apenas tirar Dilma Rousseff do Palácio do Planalto para eles tomarem conta do governo via Michel Temer, pode está bem envolvida na mais enganosa das tramas mentais.

A direita brasileira não quer é ser contestada de modo nenhum, principalmente porque ela mesma reconhece na prática que nunca soube fazer oposição política, mas os movimentos sociais, os militantes dos partidos de esquerda, os artistas e intelectuais orgânicos sempre souberam contestar, e vão fazer a contestação porque sabem que esse governo não é legítimo, não passou pelo crivo do voto popular como reza nossa Constituição Federal.

A contestação através da mobilização nas ruas é um direito para todos, exemplo é que em tempos recentes todos os lados em luta, reacionários, conservadores e progressistas ocuparam as ruas do Brasil para defenderem suas teses. O limite do que pode e do que não pode está estabelecido nas Constituição Federal. O que não se pode é transgredir-la, porque isso dá cadeia. E qualquer cidadão de bem que vai às ruas e conhece seus direitos sabe seus limites para não ser chamado pela Folha de São Paulo e pelo Estadão de bandido.

A direita brasileira resolveu usar esses dois meios de imprensa para pautar o governo para mandar “porrada” em qualquer um que discordando das ações impopulares do governo vá às ruas protestar. A direita brasileira está com medo e sabe que o povo não é tão manso como cordeiro para aceitar calado tudo. Sabe mesmo o que poderá acontecer nas ruas quando o governo “ilegítimo” colocar em prática no Congresso Nacional o que vem prometendo há dias, principalmente as reformas previdenciária e trabalhista.

O povo vai para as ruas de forma pacífica como sempre fez. E baderneiros existem em todos os lugares. É bom lembrar o que fizeram recentemente no Paraná com Letícia Sabatella, e em todo o país com pessoas que se vestem de vermelho. Mas Folha e Estadão resolveram antecipar que vai acontecer no Brasil manifestações de rua e resolveram conceituar segundo seus pontos de vistas quem são os protagonistas dos movimentos sociais.

Na folha de São Paulo “Grupelhos, extremistas costumam atrair psicóticos, simplórios e agentes duplos, mas quem manipula os cordéis? O que pretendem tais pescadores de águas turvas? Quem financia e treina essas patrulhas de fascistóides? Está mais do que na hora de as autoridades agirem de modo sistemático a fim de desbaratá-las e submeter os responsáveis ao rigor da lei”. Confesso que nunca vi na minha vida tais coisas: primeiro, treinamento no Brasil de patrulhas fascistóides que podem compor os quadros dos movimentos sociais de forma profissionalizada; e segundo, a Folha de São Paulo exigir “de as autoridades...” tomarem as providências!

O Estadão foi mais profundo e colocou a culpa das manifestações recentes que está acontecendo no Brasil (e que naturalmente vão acontecer se colocarem em prática projetos de lei que arrebentem com a vida dos brasileiros) em Dilma Rousseff pelo seu discurso quando deixou a Presidência da República. Segundo o jornal pode ser prenúncio de uma grave disruptura política e social cuja simples possibilidade é preciso exorcizar.

Par o Estadão o remédio “Cabe as autoridades constituídas reprimir a baderna e impedir que a desordem se torne rotina. É preciso saber distinguir o legítimo e democrático direito a manifestação no espaço público da baderna que atenta contra o direito da população de viver seu cotidiano em paz. (...) A baderna nas ruas, longe de ser uma forma legítima e democrática de manifestação popular, é um grave atentado ao direito fundamental que os cidadãos, o povo, têm de viver em paz”. Assim “porrada” em todo mundo que for prá ruas, porque por esse discurso qualquer cidadão com uma bandeira, um broche ou adesivo com “Fora Temer” é baderneiro! E a polícia pode bater como fez com o advogado no Rio Grande do Sul recentemente ao vivo.

Aqui cabe alguma consideração. Nos últimos anos mudanças aconteceram com novas políticas para o povo brasileiro, e que os novos residentes do poder em Brasília já disseram que vão revogar. Em acontecendo isso, não serão apenas os movimentos sociais que vão para as ruas, será o próprio povo. E se o povo insatisfeito for para as ruas mesmo apoiado pelos movimentos sociais, serão considerados bandidos, criminosos, baderneiros, fascistoides, e deverão levar “porrada”? Então quer dizer que vão privatizar o patrimônio público, aumentar o trabalho para oitenta horas semanais, aumentar o prazo da aposentadoria para setenta anos, acabar com o SUS, criar “exércitos de reservas” no mercado de trabalho, congelar salários e quem for para as ruas vai apanhar? Morda meu dedo, que não dói...!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Grande oportunidade: Inscrições abertas para o Fundo Socioambiental Caixa

Por Genaldo de Melo A Caixa Econômica Federalestá com inscrições abertas para oFundo Socioambiental Caixa – FSA Caixa, que apóia projetos socioambientais voltados ao desenvolvimento integrado e sustentável para a população de baixa renda. O financiamento varia de 200 mil a 1 milhão de reais. São dois os editais abertos no momento para o FSA Caixa: Desenvolvimento e Cidadania; e Energias Renováveis e Recursos Hídricos. No edital de Desenvolvimento e Cidadania serão selecionados 20 projetos voltados à promoção socioeconômica com foco em saúde, educação, inclusão produtiva e promoção da cidadania, que tenham como finalidade a erradicação da pobreza, inclusão social e econômica, promoção da justiça, da dignidade e da qualidade de vida, implementados por organizações da sociedade civil sem fins lucrativos que atuem junto a grupos e comunidades em situação de vulnerabilidade social. O prazo para inscrição nesse edital é dia 11 de julho. Já no edital de Energias Renováveis e R…

Lula foi inocentado

Por Genaldo de Melo Recentemente o jornalista José Roberto Guzzo, colunista da revista Veja, escreveu um artigo intitulado “É só explicar”, cobrando indignado que Lula deveria aproveitar apenas quinze minutos para explicar sobre o polêmico apartamento que por “convicção" setores do Ministério Público Federal insistem na tese de que foi matéria de propina dada pela empresa OAS ao mesmo.
Interessante é que pelo que sabemos Lula já gastou uma carga de centenas e centenas de quinze minutos explicando que o polêmico apartamento não lhe pertence, e de todos os modos tenta explicar juridicamente esse fantoche político, mas tanto o Ministério Público quanto a mídia do Jornalismo de propaganda política continua insistindo nesse assunto.
Agora realmente o que causa um pouco de indignação é que as testemunhas de acusação que apresentaram seus depoimentos hoje (21/11) ao MPF, absolutamente todas são unânimes em dizer que não podem incriminar Lula, porque elas mesmas não negociaram nada disso em…

O desespero da Globo com seu circo de horrores

Por Genaldo de Melo A Rede Globo de Comunicações, que passou os quinze dias que antecederam o tão badalado depoimento de Lula ao juiz Sérgio Moro, por causa de um triplex, que até agora ninguém mostrou de fato nenhum documento do mesmo no nome dele, e do mesmo modo não comprovou que ele ganhou o mesmo como forma de propina, literalmente entrou em desespero. Interessante é que o tríplex entrou no imposto de renda da OAS, e D. Marisa entrou com um processo judicial para receber sua cota parte de volta, quando desistiu do mesmo, que era de R$ 209 mil em 2009 e hoje é de R$ 300,8 mil (o processo está na 34ª Vara Cível).
A Globo utilizou ao modo de Goebbels o discurso de que Lula poderia, aliás, teria que ser preso ali mesmo em Curitiba, até mesmo com um provável desacato ao juiz, mas como Lula não foi preso porque pelo visto o apartamento não é mesmo dele, partiu para um ataque tão violento, que não se pode dizer que está mais praticando jornalismo.
Do momento do depoimento até agora, quase …