A inesquecível canção que não conta a verdade em Feira de Santana

Por Genaldo de Melo
urnas
A voz maviosa da música do candidato à prefeito por Feira de Santana, que está tentando à reeleição, parece tentar entrar pelos ouvidos como se por osmose. Mas o “Feira encontrou seu lugar, Feira encontrou seu...” não parece muito se harmonizar com a situação em que se encontram alguns bairros da cidade, bem como as comunidades rurais.
Na realidade como matéria de propaganda, a música caiu muito bem no “gosto” das crianças que estão cantando nas ruas, e nos ouvidos daqueles que sem tempo para pensar e lembrar-se dos últimos quatro anos, recebem e ouvem a mesma como se tudo fosse uma grande festa.

Mas é bom que os marqueteiros que estão tentando consolidar o nome da osmose embutida na música, não fiquem pensando que tudo está resolvido para 02 de outubro, porque também está pegando no “gosto” popular mais duas ou três músicas como osmose nesse processo eleitoral, que não necessariamente é a campanha de reeleição do atual dono do Paço Municipal.

É bom que se diga que segundo os ensinamentos de Jean-Marie Domenach, as pessoas em condições cidadãs de votos assimilam osmoticamente tudo aquilo que melodicamente entra pelos ouvidos, mas não esquecem por mais que sejam hipnotizadas do que sentem  na própria pele no dia a dia. Porque as pessoas também precisam ser cuidadas pelo Poder Público, como diz outro refrão das ruas.

Não existe nada decidido ainda nessas eleições, tanto que a mídia local fala de que em torno de 76% dos eleitores ainda não decidiram em quem vai votar em vereador. E apesar de se reconhecer que nessas eleições os candidatos à vereadores não são os verdadeiros cabos eleitorais, como eu mesmo disse em matéria recente aqui (Conselho para quem acha que com vereadores demais ganha eleições), muitos cidadãos na hora da decisão da urna além de votar em candidato à vereador poderá fazer a chamada “casadinha”.

Mas nenhum hipnotismo, feitiçaria de laboratório de gravação de rádio e televisão, nenhuma festa, vão conseguir enfrentar as duas situações naturais enfrentadas pelos milhares de cidadãos feirenses que precisam ser cuidados. A primeira situação é o natural cansaço de sempre ouvir a mesma voz e a mesmo semblante de sempre, como se existisse apenas um nome e um projeto de governo para Feira de Santana. Ninguém é de ferro para não cansar um dia, com a eterna repetição do mesmo!

E a segunda situação é que não existe propaganda certa contra a falta de transporte de qualidade, com postos de saúde com verdadeiros donos políticos, de administradores de bairros e distritos que acham que o povo é um bárbaro que não sabe a direção que vai, de obras bonitas no Centro da cidade para fotografia para colocar em jornais, revistas e sites financiados, de estradas nas comunidades rurais que parecem mais que estamos ainda no século 19 quando não existiam automóveis, mas animais, e outras tantas que fazem o povo não esquecer.

Aliás, não existe propaganda certa com a verdadeira falta de cuidadores do povo na Prefeitura Municipal! Mas os resultados serão computados apenas na noite do dia 02 de outubro, e respeitando quem vencer, ganha ou perde o povo. Os dedos estão cruzados!

Comentários