Pular para o conteúdo principal

A verdade sobre o prejuízo eleitoral no Brasil

Por Genaldo de Melo
Resultado de imagem para eleições
Alguns especialistas em ciência política, e mesmo alguns analistas do mundo político prático, discutem há muito tempo um assunto polêmico, e que também incomoda vozes contrárias ao mesmo. Por que eleições de dois em dois anos que custa muito para o Estado, e ainda mais atrapalha sempre com gasto de tempo e paralisação da máquina pública? Por que não se faz uma reforma política que leve em consideração mais os aspectos da administração pública como prioridade, e menos os aspectos ideológicos e comportamentais dos partidos políticos? Por que eleição de dois em dois anos se poderíamos fazê-la de quatro em quatro anos para todas as instâncias da República brasileira?

É fato comprovado que a política como coisa em si sobrepuja a execução plena de um projeto de desenvolvimento do país, e mesmo de um ente da Federação ou município. A cada dois anos paralisa-se as estruturas do poder político-administrativo por pelo menos cinco meses, além do tempo que os detentores de mandatos perdem com negociações, conchavos e articulações, esquecendo muitas vezes de pensar as ações específicas do ato de governar de fato.

Se tivéssemos um instrumento científico capaz de estudar o tempo de trabalho perdido por políticos com articulações e maquinações políticas provavelmente chegaríamos à conclusão de que se perde mais tempo fazendo política simplesmente, do que legislando ou governando de fato. Os interesses do povo nesse sentido são menores do que os interesses dos grupos corporativos do mundo político e suas eminências pardas.

Nesse sentido o povo que se dane! Pois quem ganha eleição para vereador em redutos eleitorais maiores, por exemplo, em vez de procurar fazer um bom mandato legislativo, passa tempo mesmo é maquinando sua eleição para deputado estadual. Quem se elege deputado estadual trabalha somente para galgar a Câmara Federal. E quem já está na capital federal passa mais tempo pensando em seus redutos eleitorais, trabalhando apenas para eleger seus cabos eleitorais aos cargos mais baixos em seus estados para não perder a eleição seguinte, do que propondo atos legislativos que melhore a vida do povo, bem como fiscalizando o Governo Federal.

Ora, quem quiser ser prefeito que seja prefeito! Quem quiser ser vereador que seja apenas o vereador, que represente o povo nas câmaras municipais! Quem quiser ser deputado que seja deputado, e pronto! Pois acho inclusive que eleição de dois em dois anos fomenta mesmo é corrupção, e o acúmulo de dinheiro público por alguns para compra de votos e consciências a cada dois anos.


Mas...! Seria bom demais se tivéssemos alguns legisladores no Brasil com “sangue no olho” que tomassem a iniciativa de mudar de fato esse sistema eleitoral anacrônico que prioriza grupos e aves de rapina da coisa pública. Tenho certeza que parte séria da opinião pública tomaria o partido do que é melhor para o Brasil e para seu povo. Pois cargo público não deveria ser considerado como profissão, mas como orgulho de servir por algum tempo nossa nação. Mas...!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A manipulação grosseira da Globo do Dia do Trabalho

Por Genaldo de Melo Dificilmente assisto a Rede Globo, porque além de não ter mais paciência, não concordo com a manipulação que ela faz com suas edições políticas contra a esquerda brasileira, e hoje definitivamente contra a democracia brasileira.
Mas confesso que ontem resolvi acompanhar o Jornal Nacional para ver que tipo de grosseria jornalística ela poderia fazer com esse Dia do Trabalho, em que parcela do povo ocupou às ruas em defesa de Lula e da democracia.
Simplesmente vergonhoso seu jornalismo da obediência, pois utilizou a maior parte do noticiário para sensacionalizar e sensibilizar a população sobre o incêndio em São Paulo, e manipulou sua edição com imagens que não mostraram a verdade das ruas no dia do trabalhador.
Não que não seja importante noticiar o incêndio do prédio paulista, mas porque descaradamente usou abusivamente do fato para esconder o óbvio de que os brasileiros ocuparam em massa as ruas do Brasil em defesa de Lula e em defesa da democracia.
Nos fatos ficou cla…

ACM Neto pode não ser mais candidato nas próximas eleições na Bahia

Por Genaldo de Melo Reza a cantilena popular que para bom entendedor meia palavra basta, de modo que não precisa ser muito inteligente ou até mesmo conhecer os bastidores do mundo político, para saber do dilema existencial por qual passa o prefeito de Salvador, ACM Neto, em torno da perigosa decisão que precisa tomar logo, porque o tempo como ele pensa e verbaliza não é tão grande assim, para se lançar como o nome das oposições ao governo do Estado da Bahia nessas eleições vindouras.
Basta somente dialogar com os fatos e analisar mais friamente as próprias palavras do prefeito em entrevista que concedeu na abertura do carnaval da capital baiana para se chegar a dolorosa e cruel conclusão de que ACM Neto não tem tanta certeza assim de uma provável vitória.
ACM Neto verbalizou nas entrelinhas que a decisão não é tão fácil assim como pensam seus aliados, até mesmo porque em se lançando candidato a governador e perdendo as eleições, ele ficará quatro anos sem mandato e sem a possibilidade e …

Sem Lula cidadãos conscientes continuam preferindo Manuela

Por Genaldo de Melo Caso não haja a possibilidade de Lula ser candidato à Presidente da República, muitos cidadãos brasileiros conscientes da importância de um representante que tenha mais a cara do povo brasileiro, e não o espectro dos interesses internacionais, ficarão órfãos para ter que escolher entre os postulantes de centro e de esquerda que estão se colocando a disposição das urnas.
Todos os nomes colocados até o momento que poderiam substituir Lula nas urnas não conseguiram ainda atingir os dois dígitos nas pesquisas eleitorais. Entre os mais bem colocados estão Ciro Gomes (PDT) e Joaquim Barbosa (este colocado aqui por ser provável postulante do “PSB”, mas muito complicado ainda do ponto de vista ideológico). Ainda em processo de construção da imagem estão Manuela D‘Ávila (PCdoB) e Guilherme Boulos (PSOL).
Em relação a Joaquim Barbosa, rumores dão conta que os verdadeiros socialistas estão se remoendo ainda para ter que aceitar aquele sujeito estranho, com mais interesse nos EUA…