Pular para o conteúdo principal

Agora chegou o momento de comparar quem tem mais força politica nas ruas do Brasil

Por Genaldo de Melo
thumb image
Politicamente o Brasil está dividido desde o final das eleições de 2014, e não adianta ninguém dizer que a culpa é de Lula e de Dilma Rousseff, que não vai convencer quem não tem resistência à raciocínio. O país está dividido exatamente por iniciativa dos grupos políticos da direita e seu principal instrumento de luta, a mídia do Jornalismo da Obediência, porque não concordam mais com o processo democrático, porque ficaram com vergonha das quatro sucessivas derrotas eleitorais.

De modo que, passaram peremptoriamente a trabalhar para derrotar o projeto que eles não conseguiram derrotar nas urnas, e provavelmente não mais vai também em 2018, principalmente se continuar não cumprindo as regras elementares da ciência política, tentando vinte e quatro horas utilizar-se do instrumento do espetáculo midiático, com os materiais formulados pela parcela conservadora e com ambições políticas das cortes judiciárias.

O inimigo público número um é Lula por causa de 2018, e o mecanismo de enfrentamento são os “supostos crimes” e “supostas provas”, resultado de uma operação Lava Jato que deixou de cumprir seu papel investigativo para pegar e prender a todos, simplesmente a todos os corruptos, sem distinção de cor, religião, partido político ou valor da conta bancária, e passou a servir apenas para o espetáculo do riso e do esquecimento de alguns e para o assassinato de reputações apenas de membros da esquerda brasileira, principalmente de Lula.

Nesse contexto o Brasil ficou dividido em quatro grupos de cidadãos. O primeiro é formado por cidadãos comuns que não se envolvem com política, mas consomem o que de pior existe em matéria de jornalismo, o chamado novo jornalismo de propaganda política, vinte e quatro horas por dia como osmose contra apenas o PT e Lula. O segundo grupo é formado também por gente do povo que consciente de que está acontecendo a mais violenta luta política no país, então através dos Aparelhos Privados de Hegemonia têm feito o contraponto nas redes sociais, na blogosfera e nas ruas. Esse dois grupos fazem parte do conjunto de cidadãos que devem ser eliminados politicamente para trabalharem 12 horas por dia, aposentarem-se com 70 anos de idade, ter um plano de saúde popular limitado, seus salários serem congelados durante vinte anos, seus filhos não terem mais o direito à universidade, aliás, para fazer parte do grande exército de reserva (downsizing), com exceção dos melhores, que não serão empreendedores, mais os melhores empregados.

O terceiro grupo de cidadãos é formado pelos membros da classe média que gostam de camisas amarelas e odeiam o vermelho, e se incluem naquele conceito de Horkeimer de que os ridículos são os mais inteligentes, porque parece que estão demorando tempo demais para compreender que como o resto da população, brasileira vão ser apunhalados pelos hiperbóreos manipuladores do golpe de Estado contra a democracia brasileira.

O quarto grupo de cidadãos é formado por todos aqueles que parece que não querem mais ter votos, porque os votos que eles angariam em eleições não são o suficiente para eleger presidente da República. São exatamente aqueles que querem mais é que o povo se dane, porque tomaram o Estado de assalto, e descobriram a atualidade de Étienne de La Boétie.

Para bom entendedor já basta! Nunca o país se viu diante de uma metáfora dessa natureza. Parcela do povo está parecendo com a força que detém no momento com Átila, rei dos hunos, diante de Aécio em frente à Orleans de 451 da Era Cristã, com superioridade absoluta de soldados, mas não luta, simplesmente e misteriosamente vai embora. É necessário que metaforicamente falando o povo transforme as ruas em maioria absoluta como nos campos cataláunicos, e que o sangue daqueles tempos seja na metáfora de hoje bandeiras e gritos nas ruas contra o golpe e o “Fora Temer. Pois só assim, e somente assim, de forma pacífica, mas politicamente, o povo nas ruas vai ser o contraponto às aves de rapina que assaltaram o Palácio do Planalto!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A manipulação grosseira da Globo do Dia do Trabalho

Por Genaldo de Melo Dificilmente assisto a Rede Globo, porque além de não ter mais paciência, não concordo com a manipulação que ela faz com suas edições políticas contra a esquerda brasileira, e hoje definitivamente contra a democracia brasileira.
Mas confesso que ontem resolvi acompanhar o Jornal Nacional para ver que tipo de grosseria jornalística ela poderia fazer com esse Dia do Trabalho, em que parcela do povo ocupou às ruas em defesa de Lula e da democracia.
Simplesmente vergonhoso seu jornalismo da obediência, pois utilizou a maior parte do noticiário para sensacionalizar e sensibilizar a população sobre o incêndio em São Paulo, e manipulou sua edição com imagens que não mostraram a verdade das ruas no dia do trabalhador.
Não que não seja importante noticiar o incêndio do prédio paulista, mas porque descaradamente usou abusivamente do fato para esconder o óbvio de que os brasileiros ocuparam em massa as ruas do Brasil em defesa de Lula e em defesa da democracia.
Nos fatos ficou cla…

ACM Neto pode não ser mais candidato nas próximas eleições na Bahia

Por Genaldo de Melo Reza a cantilena popular que para bom entendedor meia palavra basta, de modo que não precisa ser muito inteligente ou até mesmo conhecer os bastidores do mundo político, para saber do dilema existencial por qual passa o prefeito de Salvador, ACM Neto, em torno da perigosa decisão que precisa tomar logo, porque o tempo como ele pensa e verbaliza não é tão grande assim, para se lançar como o nome das oposições ao governo do Estado da Bahia nessas eleições vindouras.
Basta somente dialogar com os fatos e analisar mais friamente as próprias palavras do prefeito em entrevista que concedeu na abertura do carnaval da capital baiana para se chegar a dolorosa e cruel conclusão de que ACM Neto não tem tanta certeza assim de uma provável vitória.
ACM Neto verbalizou nas entrelinhas que a decisão não é tão fácil assim como pensam seus aliados, até mesmo porque em se lançando candidato a governador e perdendo as eleições, ele ficará quatro anos sem mandato e sem a possibilidade e …

Sem Lula cidadãos conscientes continuam preferindo Manuela

Por Genaldo de Melo Caso não haja a possibilidade de Lula ser candidato à Presidente da República, muitos cidadãos brasileiros conscientes da importância de um representante que tenha mais a cara do povo brasileiro, e não o espectro dos interesses internacionais, ficarão órfãos para ter que escolher entre os postulantes de centro e de esquerda que estão se colocando a disposição das urnas.
Todos os nomes colocados até o momento que poderiam substituir Lula nas urnas não conseguiram ainda atingir os dois dígitos nas pesquisas eleitorais. Entre os mais bem colocados estão Ciro Gomes (PDT) e Joaquim Barbosa (este colocado aqui por ser provável postulante do “PSB”, mas muito complicado ainda do ponto de vista ideológico). Ainda em processo de construção da imagem estão Manuela D‘Ávila (PCdoB) e Guilherme Boulos (PSOL).
Em relação a Joaquim Barbosa, rumores dão conta que os verdadeiros socialistas estão se remoendo ainda para ter que aceitar aquele sujeito estranho, com mais interesse nos EUA…