Pular para o conteúdo principal

Conselho para aqueles que não sabem que o amor é mais poderoso que a morte

Por Genaldo de Melo
Não concordo, absolutamente não concordo que adversários políticos possam e devam ser necessariamente inimigos do ponto de vista pessoal, pois para eu isso ultrapassa os limites da civilidade e da condição da convivência humana. Vejo que em tempos recentes certos movimentos desencadeados por indivíduos e grupos sociais no Brasil pregam abertamente o conceito de política não como disputa educada e civilizada, mas como se fosse guerra em que o inimigo deve morrer, e pronto!

Tal pensamento é muito perigoso para o cumprimento dos acordos de convivência dentro de um contexto de diversidades em todos os níveis, seja religioso, cultural, social, econômico e político. Isso se torna motivo maior de preocupação, porque independente de quem seja o agente político responsável pelas decisões políticas, ainda assim, deveremos todos como brasileiros obrigatoriamente sob o mesmo regime viver juntos.

As disputas jamais vão terminar, porque isso é da natureza da política como "coisa em si". Agora o que não se deve, e não se pode, é defender em viva voz a morte ou o extermínio dos contrários. O que não se pode em democracia é o ódio pessoal ou grupal!

É da natureza do fascismo o ódio e o desejo de extermínio humano na política, e não dos regimes democráticos. Se eu não concordo com o governo ilegítimo de Michel Temer, não tenho, e absolutamente não tenho o direito de lhe desejar a morte. O direito que me permite é ir às ruas manifestar minha opinião e exigir que ele respeite a democracia, renuncie ou convoque logo novas eleições.

Se outro indivíduo ou grupo social não concorda com o que eu penso, não concorda com o projeto político de Lula, Dilma, Requião, Ciro, Jandira, do PCdoB, PT e partidos de esquerda, e movimentos sociais que o defendem, nenhuma lei ou convenção lhe dá o direito de não respeitar essa nossa opinião, e desejar até mesmo nosso extermínio físico.

Então é bom que nos respeitemos, e que nossa guerra seja a guerra de idéias, e que vença o melhor no voto, mesmo sabendo que em política não existe batalha final, mas batalhas de momentos, pois sempre deverão ter outras, porque é da natureza da democracia.


As pessoas e grupos sociais que pensam a política como ódio devem estudar um pouco de história para saber que ódio na política é fascismo. E que ele nunca foi bom quando de fato existiu, não pode ser bom agora para existir, e jamais vai ser algum dia bom para os brasileiros, que prezam a paz. Ele começa assim em movimentos de idéias uniformizadas desejando nossa morte quando não concorda quando escrevemos em apenas um blog de opinião que as pessoas acessam, destilando ódio. E ódio nunca foi e não é, e nunca vai ser política. O ódio político é começo do inferno!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Grande oportunidade: Inscrições abertas para o Fundo Socioambiental Caixa

Por Genaldo de Melo A Caixa Econômica Federalestá com inscrições abertas para oFundo Socioambiental Caixa – FSA Caixa, que apóia projetos socioambientais voltados ao desenvolvimento integrado e sustentável para a população de baixa renda. O financiamento varia de 200 mil a 1 milhão de reais. São dois os editais abertos no momento para o FSA Caixa: Desenvolvimento e Cidadania; e Energias Renováveis e Recursos Hídricos. No edital de Desenvolvimento e Cidadania serão selecionados 20 projetos voltados à promoção socioeconômica com foco em saúde, educação, inclusão produtiva e promoção da cidadania, que tenham como finalidade a erradicação da pobreza, inclusão social e econômica, promoção da justiça, da dignidade e da qualidade de vida, implementados por organizações da sociedade civil sem fins lucrativos que atuem junto a grupos e comunidades em situação de vulnerabilidade social. O prazo para inscrição nesse edital é dia 11 de julho. Já no edital de Energias Renováveis e R…

Lula foi inocentado

Por Genaldo de Melo Recentemente o jornalista José Roberto Guzzo, colunista da revista Veja, escreveu um artigo intitulado “É só explicar”, cobrando indignado que Lula deveria aproveitar apenas quinze minutos para explicar sobre o polêmico apartamento que por “convicção" setores do Ministério Público Federal insistem na tese de que foi matéria de propina dada pela empresa OAS ao mesmo.
Interessante é que pelo que sabemos Lula já gastou uma carga de centenas e centenas de quinze minutos explicando que o polêmico apartamento não lhe pertence, e de todos os modos tenta explicar juridicamente esse fantoche político, mas tanto o Ministério Público quanto a mídia do Jornalismo de propaganda política continua insistindo nesse assunto.
Agora realmente o que causa um pouco de indignação é que as testemunhas de acusação que apresentaram seus depoimentos hoje (21/11) ao MPF, absolutamente todas são unânimes em dizer que não podem incriminar Lula, porque elas mesmas não negociaram nada disso em…

O desespero da Globo com seu circo de horrores

Por Genaldo de Melo A Rede Globo de Comunicações, que passou os quinze dias que antecederam o tão badalado depoimento de Lula ao juiz Sérgio Moro, por causa de um triplex, que até agora ninguém mostrou de fato nenhum documento do mesmo no nome dele, e do mesmo modo não comprovou que ele ganhou o mesmo como forma de propina, literalmente entrou em desespero. Interessante é que o tríplex entrou no imposto de renda da OAS, e D. Marisa entrou com um processo judicial para receber sua cota parte de volta, quando desistiu do mesmo, que era de R$ 209 mil em 2009 e hoje é de R$ 300,8 mil (o processo está na 34ª Vara Cível).
A Globo utilizou ao modo de Goebbels o discurso de que Lula poderia, aliás, teria que ser preso ali mesmo em Curitiba, até mesmo com um provável desacato ao juiz, mas como Lula não foi preso porque pelo visto o apartamento não é mesmo dele, partiu para um ataque tão violento, que não se pode dizer que está mais praticando jornalismo.
Do momento do depoimento até agora, quase …