Pular para o conteúdo principal

02 famosos rejeitam representar Sérgio Moro em filme: Wagner Moura e Rodrigo Lombardi

Por Genaldo de Melo
Como perguntar não faz a gente está cometendo nenhum tipo de crime, por que será que atores famosos estão literalmente rejeitando a participação no filme “Polícia Federal: A lei é para todos”,  e nesse caso representar o papel do juiz justiceiro de Curitiba, Sérgio Moro?

Nessa mesma semana dois atores conhecidíssimos do público brasileiro rejeitam a proposta de representar Moro no filme, que é o primeiro de uma trilogia que será lançada em janeiro de 2017. E parece que se continuar com a rejeição de outros atores vai deixar uma espécie de pulga atrás da orelha de todo mundo.

O primeiro foi Wagner Moura que rejeitou o papel na série encomendada pelo Netflix, com direção de José Padilha, com quem já trabalhou em Tropa de Elite e, atualmente, em Narcos, série original da plataforma. O segundo agora é o ator Rodrigo Lombardi que preferiu ir para a nova novela da TV Globo, À Flor da Pele, que deve estrear em 2017 (ele ainda será visto na série Carcereiros, no lugar de Domingos Montagner, morto em setembro).

A dúvida que fica é porque Sérgio Moro foi transformado em uma espécie de herói nacional no combate à corrupção. Para quem acompanha os fatos em detalhes e sem os “óculos marrons” de parcela da mídia brasileira, Moro sempre foi o herói do combate à corrupção de um lado só, a corrupção dos petistas, porque a cada novo fato que surge de suposição de corrupção que envolve membros do PSDB, do PMDB, do DEM e de outros partidos ele se cala.


Será que os atores que estão sendo convidados para representar Moro, não estão interessados em representar o papel desse herói, porque é somente o herói para perseguir membros do PT e da esquerda em geral? Deve surgir em breve uma resposta mais plausível!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Grande oportunidade: Inscrições abertas para o Fundo Socioambiental Caixa

Por Genaldo de Melo A Caixa Econômica Federalestá com inscrições abertas para oFundo Socioambiental Caixa – FSA Caixa, que apóia projetos socioambientais voltados ao desenvolvimento integrado e sustentável para a população de baixa renda. O financiamento varia de 200 mil a 1 milhão de reais. São dois os editais abertos no momento para o FSA Caixa: Desenvolvimento e Cidadania; e Energias Renováveis e Recursos Hídricos. No edital de Desenvolvimento e Cidadania serão selecionados 20 projetos voltados à promoção socioeconômica com foco em saúde, educação, inclusão produtiva e promoção da cidadania, que tenham como finalidade a erradicação da pobreza, inclusão social e econômica, promoção da justiça, da dignidade e da qualidade de vida, implementados por organizações da sociedade civil sem fins lucrativos que atuem junto a grupos e comunidades em situação de vulnerabilidade social. O prazo para inscrição nesse edital é dia 11 de julho. Já no edital de Energias Renováveis e R…

Lula foi inocentado

Por Genaldo de Melo Recentemente o jornalista José Roberto Guzzo, colunista da revista Veja, escreveu um artigo intitulado “É só explicar”, cobrando indignado que Lula deveria aproveitar apenas quinze minutos para explicar sobre o polêmico apartamento que por “convicção" setores do Ministério Público Federal insistem na tese de que foi matéria de propina dada pela empresa OAS ao mesmo.
Interessante é que pelo que sabemos Lula já gastou uma carga de centenas e centenas de quinze minutos explicando que o polêmico apartamento não lhe pertence, e de todos os modos tenta explicar juridicamente esse fantoche político, mas tanto o Ministério Público quanto a mídia do Jornalismo de propaganda política continua insistindo nesse assunto.
Agora realmente o que causa um pouco de indignação é que as testemunhas de acusação que apresentaram seus depoimentos hoje (21/11) ao MPF, absolutamente todas são unânimes em dizer que não podem incriminar Lula, porque elas mesmas não negociaram nada disso em…

O desespero da Globo com seu circo de horrores

Por Genaldo de Melo A Rede Globo de Comunicações, que passou os quinze dias que antecederam o tão badalado depoimento de Lula ao juiz Sérgio Moro, por causa de um triplex, que até agora ninguém mostrou de fato nenhum documento do mesmo no nome dele, e do mesmo modo não comprovou que ele ganhou o mesmo como forma de propina, literalmente entrou em desespero. Interessante é que o tríplex entrou no imposto de renda da OAS, e D. Marisa entrou com um processo judicial para receber sua cota parte de volta, quando desistiu do mesmo, que era de R$ 209 mil em 2009 e hoje é de R$ 300,8 mil (o processo está na 34ª Vara Cível).
A Globo utilizou ao modo de Goebbels o discurso de que Lula poderia, aliás, teria que ser preso ali mesmo em Curitiba, até mesmo com um provável desacato ao juiz, mas como Lula não foi preso porque pelo visto o apartamento não é mesmo dele, partiu para um ataque tão violento, que não se pode dizer que está mais praticando jornalismo.
Do momento do depoimento até agora, quase …