Pular para o conteúdo principal

A verdade sobre a vergonha do Serviço Público sob o controle de cabos eleitorais

Por Genaldo de Melo
Quando defendemos a tese de que os serviços públicos essenciais à população devem ser executados por pessoas qualificadas e pautadas na competência, e não por cabos eleitorais, somos tratados na maioria das vezes, até por amigos, como gente perturbada da cabeça que é contra tudo e a todos. Mas quando nos deparamos com servidores públicos comissionados, incompetentes e despreparados, para tais funções que exercem indicados por políticos sem compromissos com a população, mas apenas com os votos de seus padrinhos, deputados ou vereadores, que sejam, sentimos que cada vez mais estamos certos em nossas opiniões.

As estruturas do serviço público como trabalham atualmente é um verdadeiro insulto a nossa inteligência. A única obrigação desses prestadores de serviços é com a manutenção dos “currais eleitorais” daqueles que lhes indicam para desenvolverem serviços que não estão na alçada de suas competências. A única obrigação que têm é com conseguir privilégios para eleitores de “cabrestos”, bem como bajularem seus padrinhos políticos.

E que se dane a população ou alguém que reclame de tal fato, porque em suas mentes vazias acham que todo mundo que é assalariado sempre vai precisar de uma requisição médica, ou uma vaga para seu filho em escola pública de melhor qualidade e longe da violência das periferias urbanas, ou outras coisas mais que a regalia do Poder Público pode oferecer a quem acham que deve ser cego a vida toda!

Na forma como determinados serviços públicos funcionam e com dinheiro público, servem apenas a quem compartilhou seu voto com o grupo político que deve está assumindo na vigência o Poder político-administrativo, ou quem assume de viva voz esse compromisso para a próxima eleição. Ou seja, o Estado não serve para todos, serve apenas para a parcela da população que colocou no Parlamento ou no Poder Executivo alguns canalhas, que conseguem humilhar e pisotear o resto do povo que não abraçou o tal do seu “projeto”.

Os hospitais e postos de saúde, os melhores centros educacionais públicos, ou os espaços estatais de atendimento à população não devem e não podem funcionar como centros de excelência e referência que qualquer Estado ou Município deveriam de praxe ter. Servem apenas para deputados ou vereadores que passam a vida toda mostrando o rosto e o discurso de bons moços, do novo, do diferente, mas no fundo bons canalhas, que representam apenas interesses, em primeiro lugar pessoal e em segundo empresarial, já que licitações públicas têm verdadeiros e camuflados donos.

Quem financia os donos das decisões dos cargos comissionados que prestam serviços à população? É uma verdadeira vergonha, mas é assim que funcionam as coisas em grande parcela do serviço público! Formado sempre por gente sem compromisso nenhum com o povo, bem como gente mal qualificada para funções públicas de atendimento a quem trabalha e naturalmente faz a nação existir de fato. Sempre com gente com compromisso apenas com seu umbigo, e com o bom moço que chegou ao posto de Poder graças ao voto de uma esperança que acaba virando um inferno.


Sempre depois de cada eleição a cor azul e amarela vira tinta fresca, a verde amarela e a vermelha vira cinza! É somente fazer uma pequena experiência empírica prá ver!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Globo agora anuncia a incrível piada de início de ano com Luciano Huck e Angélica

Por Genaldo de Melo A Rede Globo sempre esteve envolvida nas tentativas de apresentar para a sociedade brasileira candidatos à presidente que representassem a possibilidade de a pequena minoria conservadora e dona dos meios de produção do país tomassem conta do Estado e ficassem no controle dos recursos dos cofres públicos. Mas nunca essa rede de comunicação com concessão pública escancarou tanto na suas escolhas com fez nesse final de semana com a participação de seu funcionário Luciano Huck no programa televisivo de maior audiência do país em um domingo à tarde.
Luciano Huck, que numa contradição além dos limites para um sujeito que aconselha publicamente a seriedade, a honestidade e o combate à corrupção dos homens públicos, demonstrou que além de falta de seriedade dele próprio já que havia desistido publicamente de candidatura, também demonstrou que a Rede Globo resolveu entrar de vez na disputa para ter um nome na Presidência da República para chamar de seu.
E mais grave ainda, par…

O desespero da Globo com seu circo de horrores

Por Genaldo de Melo A Rede Globo de Comunicações, que passou os quinze dias que antecederam o tão badalado depoimento de Lula ao juiz Sérgio Moro, por causa de um triplex, que até agora ninguém mostrou de fato nenhum documento do mesmo no nome dele, e do mesmo modo não comprovou que ele ganhou o mesmo como forma de propina, literalmente entrou em desespero. Interessante é que o tríplex entrou no imposto de renda da OAS, e D. Marisa entrou com um processo judicial para receber sua cota parte de volta, quando desistiu do mesmo, que era de R$ 209 mil em 2009 e hoje é de R$ 300,8 mil (o processo está na 34ª Vara Cível).
A Globo utilizou ao modo de Goebbels o discurso de que Lula poderia, aliás, teria que ser preso ali mesmo em Curitiba, até mesmo com um provável desacato ao juiz, mas como Lula não foi preso porque pelo visto o apartamento não é mesmo dele, partiu para um ataque tão violento, que não se pode dizer que está mais praticando jornalismo.
Do momento do depoimento até agora, quase …

Lava Jato pode apresentar a lista de santos que o Brasil deve votar em 2018

Por Genaldo de Melo O procurador da República em Curitiba, um dos coordenadores da Operação Lava Jato, Deltan Dallagnol, parece que compreendendo que o povo brasileiro é um dos mais despolitizados do mundo, tanto que escolhe sempre os piores para serem representantes no Congresso Nacional, quer que para se terminar com a Operação de vez em 2018, orientar para que se vote nos melhores, só não diz quem são os melhores para um povo que vende o voto para corruptos.
Em sua aparição na Globonews, como se fosse um artista de cinema ou um astro do futebol, fala do fim da Lava Jato, mas deixa bem claro que ela só acaba se os brasileiros melhorarem o Congresso Nacional nas urnas. Ele parece que quer continuar com seus espetáculos e não resolver de fato o problema de combate e prevenção da corrupção, pois trabalha como um cabo eleitoral, e efetivamente não prendeu ninguém que foi delatado ligado aos tucanos, demistas e peemedebistas (com exceção de Cunha, que ninguém sabe de fato se realmente ele …