Pular para o conteúdo principal

A verdade sobre a vergonhosa trama satânica dos deputados federais contra o povo

Por Genaldo de Melo
Nunca vi em minha vida um Congresso Nacional tão em falta de sintonia com os resultados das urnas. Ou seja, mais precisamente nunca vi de fato um Congresso que não representa de fato os eleitores que colocaram seus membros naquela Casa. Parece que a falta de respeito tomou conta de vez dos parlamentares, foi o que ficou provado na aprovação sem discussão nenhuma, sem o mínimo de debate de matéria tão infame para o povo brasileiro, que foi a provação da PEC 241.

Conservadores que saíram das urnas nas eleições de 2014, ninguém tem dúvidas, agora impressiona mesmo é a verdadeira falta de respeito com seus eleitores. Estão prontos para aprovarem qualquer proposta de Michel Temer, indiscutivelmente sem que haja debate tanto dentro daquela Casa Parlamentar, como com a sociedade como um todo. Parece que o voto depois do golpe de Estado não serve mais para os deputados federais e senadores da República.

Diante de tudo o que está acontecendo muito se discute na necessidade urgente de haver uma reforma política, porque esse sistema representativo não representa o povo brasileiro, pois estão sendo eleitos deputados que não respondem aos eleitores com votações que de fato interessem ao povo. Mas como pautar uma reforma política dentro de um parlamento em que os próprios deputados não querem nem de perto pensar em discutir o assunto? É como defender satanás perto de fundamentalistas religiosos!

A sociedade brasileira se não tomar uma decisão conjunta urgente, utilizando os Aparelhos Privados de Hegemonia vai descobrir ali na frente (e não vai demorar muito tempo, pois basta para que se destrua o sentido literal da palavra soberania, os meses de Michel Temer como presidente ilegítimo) de que somos todos beócios e sem capacidade de nada, porque apenas uma maioria simples de deputados que somente estão interessados em prestar contas ao seus próprios cofres particulares, decidem sozinhos por toda a história que se construiu nesse país de soberania e de democracia plena.

Provavelmente para aprovar em segunda votação um dos maiores desastres políticos para a nação, Temer fará de novo um jantar regado à boa comida e vinhos caros. E por aí vai a aprovação da PEC 241, depois a aprovação de duas outras reformas mais desastrosas ainda, que são a previdenciária e a trabalhista. 

E pelo visto a sociedade somente vai reagir quando perceber o engodo que está sendo perpetrado politicamente por Michel Temer e companhia limitada, e pode ser que quando os olhos ficarem abertos, e pararem de acreditar somente naquilo que o Jornal Nacional da Rede Globo coloca como as mais absolutas verdades, já seja tarde demais para reação política. A amarração da PEC está sendo tão demoníaca que quando se descobrir que somente se pode discutir mudanças na matéria depois de dez anos, será tarde demais para lamentar! É o fim!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Grande oportunidade: Inscrições abertas para o Fundo Socioambiental Caixa

Por Genaldo de Melo A Caixa Econômica Federalestá com inscrições abertas para oFundo Socioambiental Caixa – FSA Caixa, que apóia projetos socioambientais voltados ao desenvolvimento integrado e sustentável para a população de baixa renda. O financiamento varia de 200 mil a 1 milhão de reais. São dois os editais abertos no momento para o FSA Caixa: Desenvolvimento e Cidadania; e Energias Renováveis e Recursos Hídricos. No edital de Desenvolvimento e Cidadania serão selecionados 20 projetos voltados à promoção socioeconômica com foco em saúde, educação, inclusão produtiva e promoção da cidadania, que tenham como finalidade a erradicação da pobreza, inclusão social e econômica, promoção da justiça, da dignidade e da qualidade de vida, implementados por organizações da sociedade civil sem fins lucrativos que atuem junto a grupos e comunidades em situação de vulnerabilidade social. O prazo para inscrição nesse edital é dia 11 de julho. Já no edital de Energias Renováveis e R…

Lula foi inocentado

Por Genaldo de Melo Recentemente o jornalista José Roberto Guzzo, colunista da revista Veja, escreveu um artigo intitulado “É só explicar”, cobrando indignado que Lula deveria aproveitar apenas quinze minutos para explicar sobre o polêmico apartamento que por “convicção" setores do Ministério Público Federal insistem na tese de que foi matéria de propina dada pela empresa OAS ao mesmo.
Interessante é que pelo que sabemos Lula já gastou uma carga de centenas e centenas de quinze minutos explicando que o polêmico apartamento não lhe pertence, e de todos os modos tenta explicar juridicamente esse fantoche político, mas tanto o Ministério Público quanto a mídia do Jornalismo de propaganda política continua insistindo nesse assunto.
Agora realmente o que causa um pouco de indignação é que as testemunhas de acusação que apresentaram seus depoimentos hoje (21/11) ao MPF, absolutamente todas são unânimes em dizer que não podem incriminar Lula, porque elas mesmas não negociaram nada disso em…

O desespero da Globo com seu circo de horrores

Por Genaldo de Melo A Rede Globo de Comunicações, que passou os quinze dias que antecederam o tão badalado depoimento de Lula ao juiz Sérgio Moro, por causa de um triplex, que até agora ninguém mostrou de fato nenhum documento do mesmo no nome dele, e do mesmo modo não comprovou que ele ganhou o mesmo como forma de propina, literalmente entrou em desespero. Interessante é que o tríplex entrou no imposto de renda da OAS, e D. Marisa entrou com um processo judicial para receber sua cota parte de volta, quando desistiu do mesmo, que era de R$ 209 mil em 2009 e hoje é de R$ 300,8 mil (o processo está na 34ª Vara Cível).
A Globo utilizou ao modo de Goebbels o discurso de que Lula poderia, aliás, teria que ser preso ali mesmo em Curitiba, até mesmo com um provável desacato ao juiz, mas como Lula não foi preso porque pelo visto o apartamento não é mesmo dele, partiu para um ataque tão violento, que não se pode dizer que está mais praticando jornalismo.
Do momento do depoimento até agora, quase …