Pular para o conteúdo principal

O revolucionário movimento de "militontos" anuncia que quer endireitar o Brasil

Por Genaldo de Melo
Nenhum movimento ou mobilização social nasce sem que algum tipo de apoio financeiro ou material possa existir. O chamado Movimento Brasil Livre (MBL) nasceu do mesmo modo, porém o que não se sabe na sociedade é quem de fato concretamente financiou um movimento de jovens com um discurso liberal contra apenas uma força política, que representa em seu bojo um projeto político de sociedade, mesmo que de projeto de sociedade o Movimento em si não entenda nada. Mas como ninguém tem resistência à raciocínio sabe-se que foi financiado por setores que queriam o fim do petismo.

Mas nasceu com um discurso afinado de que não participaria de nenhum partido político, mas com a absoluta e doentia obsessão contra Lula, o PT e os seus três governos que de fato foram para pobres e ricos. Passado o tempo os membros do MBL retiraram suas máscaras e foram participar das urnas exatamente em partidos da direita brasileira. Ainda não se sabe se eles vão compreender o que é ser representante político em parlamentos ou se vão ser manipulados pelas raposas que os financiaram. Mas aí tudo bem, porque necessariamente todo movimento pela sua própria natureza acaba partícipe do mundo político. O que causa estranheza são suas posturas estranhas e contra a liberdade de manifestação dos outros.

Nesse último final de semana fizeram um Congresso de seus membros para colocarem no papel suas teses e suas posturas a partir de agora. A imprensa tinha apresentado que o Movimento não tinha captado os recursos necessários para fazer o Congresso, mas ele levou para participar gente de peso da sociedade brasileira. Entre os palestrantes, o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes, o Ministro da Educação, Mendonça Filho, o deputado e relator da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 241 na Câmara, Darcísio Perondi (PMDB-RS), o prefeito eleito de São Paulo, João Dória Junior (PSDB), a professora da Faculdade de Direito da USP Janaína Paschoal e subcelebridades afinadas com o antipetismo, como o apresentador Danilo Gentili, além de expoentes do MBL, como Kim Kataguiri e Fernando Holiday, eleito vereador na cidade de São Paulo pelo DEM.

Decisão para um movimento que se diz social correta fazer um Congresso e formular teses e resoluções para a prática. Porém três propostas é que são estranhas, porque não parece ser de um movimento que se coloca como mobilizador de forças sociais da sociedade brasileira, mas um movimento para partir para a briga apenas representando interesses da direita e dos partidos políticos da direita brasileira e do governo “ilegítimo” de Michel Temer.

A primeira e provavelmente a mais absurda proposta para o contexto é querer partir para a “porrada” mesmo, contra os estudantes que ocupam em torno de 640 escolas e campi de universidades brasileiras. Uma proposta dessa natureza não é coisa de movimento social, é coisa de aparelho de políticos que não sabem nem conversar e nem negociar, então a saída é o conflito. Movimento que representa apelos sociais e por direitos briga é com aparelhos governamentais, empresas e instituições que oprimem, e que cumpre aquilo que seus partícipes desejam.

Outra proposta que cheira a coisa que não representa nada que se possa dizer que é coisa de movimento é defender obsessivamente o fim da contribuição sindical para enfraquecer os sindicatos que representam exatamente quem os movimentos sociais mais defendem que são os trabalhadores, somente com o discurso de que os sindicatos apoiam o PT. É uma tese um pouco "torta" acabar com os sindicatos, com o discurso do pensamento único, e não merece muita credibilidade do povo além da classe média alta que na frente com o que se vislumbra vão se arrepender, e muito.

Agora o mais absurdo do congresso do MBL foi o discurso do seu garoto propaganda, Kim Kataguiri. Segundo sua tese a política deve ser criminalizada, porém apenas ao campo da esquerda, pois tudo que for da direita liberal é apropriado. Ou seja, o MBL como movimento social que se diz, defende que a esquerda brasileira deve ser criminalizada, ser considerada coisa de bandido, e a direita ser ovacionada porque é somente disso que o Brasil precisa. Com esses discursos eles se apropriam da palavra “movimento” que em seu próprio conceito já diz que respeita em si a diversidade de pensamento e não o pensamento único. É esse o Brasil que querem, sem controvérsias!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Grande oportunidade: Inscrições abertas para o Fundo Socioambiental Caixa

Por Genaldo de Melo A Caixa Econômica Federalestá com inscrições abertas para oFundo Socioambiental Caixa – FSA Caixa, que apóia projetos socioambientais voltados ao desenvolvimento integrado e sustentável para a população de baixa renda. O financiamento varia de 200 mil a 1 milhão de reais. São dois os editais abertos no momento para o FSA Caixa: Desenvolvimento e Cidadania; e Energias Renováveis e Recursos Hídricos. No edital de Desenvolvimento e Cidadania serão selecionados 20 projetos voltados à promoção socioeconômica com foco em saúde, educação, inclusão produtiva e promoção da cidadania, que tenham como finalidade a erradicação da pobreza, inclusão social e econômica, promoção da justiça, da dignidade e da qualidade de vida, implementados por organizações da sociedade civil sem fins lucrativos que atuem junto a grupos e comunidades em situação de vulnerabilidade social. O prazo para inscrição nesse edital é dia 11 de julho. Já no edital de Energias Renováveis e R…

Lula foi inocentado

Por Genaldo de Melo Recentemente o jornalista José Roberto Guzzo, colunista da revista Veja, escreveu um artigo intitulado “É só explicar”, cobrando indignado que Lula deveria aproveitar apenas quinze minutos para explicar sobre o polêmico apartamento que por “convicção" setores do Ministério Público Federal insistem na tese de que foi matéria de propina dada pela empresa OAS ao mesmo.
Interessante é que pelo que sabemos Lula já gastou uma carga de centenas e centenas de quinze minutos explicando que o polêmico apartamento não lhe pertence, e de todos os modos tenta explicar juridicamente esse fantoche político, mas tanto o Ministério Público quanto a mídia do Jornalismo de propaganda política continua insistindo nesse assunto.
Agora realmente o que causa um pouco de indignação é que as testemunhas de acusação que apresentaram seus depoimentos hoje (21/11) ao MPF, absolutamente todas são unânimes em dizer que não podem incriminar Lula, porque elas mesmas não negociaram nada disso em…

O desespero da Globo com seu circo de horrores

Por Genaldo de Melo A Rede Globo de Comunicações, que passou os quinze dias que antecederam o tão badalado depoimento de Lula ao juiz Sérgio Moro, por causa de um triplex, que até agora ninguém mostrou de fato nenhum documento do mesmo no nome dele, e do mesmo modo não comprovou que ele ganhou o mesmo como forma de propina, literalmente entrou em desespero. Interessante é que o tríplex entrou no imposto de renda da OAS, e D. Marisa entrou com um processo judicial para receber sua cota parte de volta, quando desistiu do mesmo, que era de R$ 209 mil em 2009 e hoje é de R$ 300,8 mil (o processo está na 34ª Vara Cível).
A Globo utilizou ao modo de Goebbels o discurso de que Lula poderia, aliás, teria que ser preso ali mesmo em Curitiba, até mesmo com um provável desacato ao juiz, mas como Lula não foi preso porque pelo visto o apartamento não é mesmo dele, partiu para um ataque tão violento, que não se pode dizer que está mais praticando jornalismo.
Do momento do depoimento até agora, quase …