A verdade sobre o governo que anuncia uma tragédia para o resto do mundo

Por Genaldo de Melo
Os Estados Unidos da América, como todos os países do mundo, sempre tiveram uma classe de bilionários que nunca se envolveram diretamente na política, mas sempre financiaram quadros e grupos políticos para que estes administrassem o Estado de conformidade com seus interesses políticos e econômicos.

Porém pela primeira vez na história americana os bilionários estão diretamente no controle da máquina pública para administrar o Estado diretamente em função de seus interesses econômicos. Foram alijados do processo eleitoral do lado republicano todos os quadros literalmente políticos e assumiu o posto de representante direto exatamente Donald Trump, bilionário com negócios espalhados pelo resto do mundo.

Para o bilionário conservador Trump chegar ao poder vencendo nas eleições a representante da nata política do Partido Democrata, Hillary Clinton, utilizou-se o discurso que sempre foi utilizado por todos, mas colocando em pauta que os atuais políticos não prestam. Ou seja, utilizou-se a retórica da suposta contestação da classe política de Washington e a afirmação de uma política que elege os imigrantes e os muçulmanos como o mal absoluto.

Na verdade o pano de fundo desse novo governo coordenado diretamente por um bilionário é tornar os ricos mais ricos, enquanto o resto da sociedade se entretém em perseguir os imigrantes e muçulmanos, e não conseguem assim, enxergar nas entrelinhas a verdade absoluta do que vai ser a política protecionista americana em relação ao resto do mundo. O mundo pode perder e muito, porque o principal discurso de Trump é trazer de volta para seu país todos os grandes empreendimentos para gerar empregos somente para os americanos, e expulsando os milhões de imigrantes estabelecidos no país.

Prova disso são os escolhidos para assessorá-lo diretamente em áreas estratégicas. Para coordenar a Agência Ambiental foi escolhido Scott Pruitt, homem que sempre foi contra o discurso do aquecimento global; para a Agência de Energia, foi escolhido Rick Perry, que sempre trabalhou nos bastidores para que a mesma agência fosse extinta; para Relações Exteriores, foi escolhido Rex W. Tillerson, empresário de uma das maiores petrolíferas do mundo, condecorado nada mais nada menos do que por Vladimir Putin; para a Saúde Pública, foi escolhido Tom Price, homem que sempre foi contrário ao plano de saúde de Obama; e para a área da Educação Pública, foi escolhido Betsy Devos, representante direto dos colégios privados no país.

Se alguém duvida de que o governo de Donald Trump será um governo ainda mais cruel com a pobreza estrutural globalizada, e totalmente protecionista no tocante aos interesses dos bilionários americanos, pode ficar de prolegômenos menores, e esperar prá ver, porque enquanto uns soltarão fogos de artifício, outros chorarão lágrimas de sangue!

Comentários