A verdade que Brizola eternamente anuncia que nunca aconteceu

Por Genaldo de Melo
Leonel Brizola foi o primeiro quadro político brasileiro que falou abertamente de forma contundente contra o monopólio quase que absoluto dos meios de comunicações exercido pela Rede Globo no Brasil. E mesmo sendo colocado no pedestal dos inimigos absolutos pela Rede Globo ele conseguiu ser governador do Rio de Janeiro, onde está localizada no Jardim Botânico a sede da mesma, e situou-se como referência no país em favor da democratização dos meios de comunicações, principalmente no tocante a divisão dos recursos estatais para a imprensa.

E foi exatamente por não acompanhar o Brizola nessa luta de Davi contra o Golias das comunicações que a esquerda brasileira mais errou contra o principal inimigo dela, a própria assessora de comunicações da direita brasileira. A esquerda brasileira teve a grande chance de desmascarar e tirar esse poder absoluto que segundo a própria Constituição Federal a Globo não deveria ter. Mas não fez isso, mesmo quando Lula foi politicamente absoluto no país, quando tinha todo um Congresso Nacional em sua órbita, e agora está pagando muito caro por tal negligência política.

A Rede Globo desde a sua fundação foi tudo para o país como formadora de opinião e formadora de comportamentos sociais, econômicos e políticos, menos amiga dos próprios brasileiros, porque para ela nada no Brasil tem valor, porque para a mesma valor mesmo é o que vem dos Estados Unidos da América e dos países europeus. Esse tocante e estarrecedor comportamento dessa rede de comunicações parcial no país revela-se em dois campos absolutamente necessários para que o país possa ser referência mundial, como foi em alguns poucos anos em que a esquerda brasileira governou o país, menos uma sociedade de quintal, e colonizada.

Um campo de atuação da Globo para que o Brasil pudesse ser um país soberano e independente diante do mundo é na cultura. A Globo influencia todos os brasileiros pela capilaridade nacional a assumirem comportamentos que os próprios brasileiros pela sua formação e condição econômica para vão poder assumir. Não existem expressões culturais naquela televisão que seja totalmente da cultura e das tradições brasileiras, pois quase tudo que ela passa para o povo são restos culturais dos americanos e dos europeus. As novelas repetem os padrões não da grande realidade brasileira, mas os padrões que ricos cariocas e paulistas querem a todo custo imitar exatamente de americanos e europeus. Os filmes são dos “heróis” de Hollywood, e os programas de entretenimento não fazem mais nada do que imbecilizar e transformar a todos em robôs para não pensar.

O outro campo absolutamente ridículo da Rede Globo situa-se no jornalismo, mais precisamente o jornalismo político tendencioso e com espaço apenas para as opiniões da direita. Pela sua capilaridade nacional a Globo trabalha com os brasileiros como os personagens de Orwell, que todos os dias mudam de opinião porque todos os dias no horário das oito a própria Globo muda de opinião segundo seus interesses. E não adianta muita coisa, porque o povo sem opção de TV aberta fica somente sabendo do que acontece no país e no mundo a partir do que os jornalistas do Jornal Nacional repassam mastigados e contaminados pelos interesses políticos da família Marinho.

É tão ridículo e escancarado o que a Globo faz com os brasileiros, que a partir do momento que a esquerda voltar ao poder  vai ter que fazer o que não fez, e ouvir finalmente Leonel Brizola, e democratizar as comunicações desse país (e pode voltar porque o povo aos poucos está compreendendo o que apoiou, influenciados pela Globo, que vai querer de volta as forças políticas que foram transformadas em demônios). Porque tudo o que não vem da Rede Globo em matéria de notícias é considerado coisa de jornalista que não pesquisa, ou de blogs que são chamados copiosamente de “sujos”.

O grande exemplo da manipulação das informações no país é em relação a Operação Lava Jato. Quando interessa a prejudicar ou assassinar a reputação de alguém da esquerda brasileira as noticias escandalizam-se pelo país afora, não somente contra o criminoso, mas principalmente contra as forças de esquerda como um todo. Quando as notícias podem atingir diretamente a turma que a Globo apoiou nas últimas eleições, ela fica entre o riso e esquecimento, no silêncio de um túmulo. Deveremos ver agora como vai se comportar essa rede de televisão porque Michel Temer não aceitou suas imposições de colocar na rua seu ministro da Justiça, e nomeou mesmo sob ataque o homem para ser ministro do STF. E parece que do jeito que estão indo os fatos, prova que a voz de Brizola começa aos poucos a voltar a ficar em voga...!

Comentários