Pular para o conteúdo principal

A verdade sobre Lula, Bolsonaro e as mentiras repetidas mil vezes

Por Genaldo de Melo
Com os últimos fatos do mundo político no Brasil, a verdade precisa ser dita em contrário às teses de Joseph Goebbels, principalmente a de que a mentira repetida mil vezes se torna uma espécie de verdade absoluta. Apesar de que Hitler conseguiu governar a Alemanha por mais de uma década, e de também ter convencido o próprio povo alemão da grandeza de seus desígnios como povo superior aos demais existentes na face da terra, o seu projeto mentiroso não passou dos anos em que foi o líder doente mental, autoritário, prepotente e carniceiro. Ou seja, a mentira repetida mil vezes um dia ela acaba sendo revelada, colocando seu inventor em situação constrangedora, e tendo que ser julgado pelos seus resultados práticos pela própria história.

É evidente que não estamos no Brasil vivendo um projeto parecido com o projeto dos nazistas, mas que estamos do mesmo modo vivendo sob o signo da mentira que se repete mil vezes, isso ninguém em sã consciência, e que conhece o mínimo do mínimo de propaganda política, pelo menos conceitos elementares do Jean-Marie Domenach (que nada tem a haver com Goebbels), jamais vai ser contrário a tal afirmativa. Estamos falando da guerra política imprimida pela direita brasileira contra o projeto político da esquerda, que esteve na coordenação do Estado durante mais de uma década.

Se a mentira não está sendo repetida mil vezes como alguns especialistas da mídia do Jornalismo da Obediência têm afirmado, pelo menos o conceito de criação do “inimigo único” está em pleno vigor. Mas não está funcionando exatamente como querem os mentores da idéia de Estado Mínimo, e de menos privilégios para o povo. Exatamente porque a cada vez que apresentam, como se fosse teoria literária de George Orwell, um fenômeno "pós-verdade" contra o principal representante das correntes do pensamento político da esquerda brasileira, e quiçá latino-americana, Luís Inácio Lula da Silva, e não provam nada contra o mesmo, o projeto político da esquerda que foi assaltado sem as urnas, na própria pessoa do Lula cresce em pesquisas de opinião sobre as eleições de 2018.

A mentira repetida mil vezes está se tornando uma verdadeira catástrofe, do mesmo modo que o projeto do Fuhrer de mil anos, que teve que se contentar com os resultados pífios de seu governo de expansão de apenas 12 anos. O grande problema brasileiro é que com a decadência moral e estatística do projeto que repete mil vezes a mentira, é que está criando aos poucos exatamente um representante de projeto político, parecido com o projeto da Alemanha dos anos trinta e quarenta. Em vez de conseguir imprimir no imaginário brasileiro a idéia de um projeto melhor do que aquele que foi representado na figura de Lula está se criando também a figura da solução imaginária de Bolsonaro. O que é muito mais perigoso para o país como nação soberana do que inclusive o projeto da direita tradicional.

Corruptos por natureza, desde sempre utilizaram até mesmo o discurso de combate à corrupção, mas não conseguiram fazer com que a maioria dos brasileiros assimilasse o conceito único de Lula como o grande chefe da corrupção no Brasil, exatamente porque falam, esbravejam, inventam mentiras repetidas mil vezes, mas não conseguem provar nada contra Lula (se provassem o homem já estava preso!). E assim, aos poucos até mesmo quem não gosta do PT e de Lula começa a sentir saudades da verdade, e repudiar em números a idéia de ser governado pela mentira, pela corrupção, pela suprema necessidade de governo apenas para poucos iluminados do mundo econômico.

Em face disso tudo, o que se constrói aos poucos como cenário para 2018 é a disputa dos dois pólos extremos do mundo político: a esquerda representada por Lula, e a direita representada nada mais nada menos do que por Jair Bolsonaro, e não mais por um representante do consórcio PSDB/PMDB/DEM. E a esquerda mais uma vez despontando como solução para acabar com a crise política e econômica, que provada está de que não foi Dilma Rousseff que a criou, pois ela é resultado do contexto prático da própria idéia da mentira repetida mil vezes, e do capital especulativo em detrimento do capital produtivo.

A mentira repetida mil vezes e não se concretizando em pequeno espaço de tempo pode criar outras sombrias mentiras, capazes de não entender que a diversidade existe, e que ninguém vai mudar essa natureza das coisas em si. No mais das coisas, gostando ou não gostando de Lula, ele representa ideologicamente um projeto mil vezes melhor do que o projeto que quer apresentar para a sociedade brasileira o deputado federal Jair Bolsonaro, porque o consórcio PSDB/PMDB/DEM ainda não conseguiu, e parece que não vai conseguir até 2018 um adversário que enfrente tanto Lula, quanto o próprio representante da idéia de extrema-direita no Brasil. É aceitar a idéia de Lula ou aceitar a idéia que está entrando em moda no mundo todo a partir da vitória de Donald Trump nos EUA. Os números não mentem!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Grande oportunidade: Inscrições abertas para o Fundo Socioambiental Caixa

Por Genaldo de Melo A Caixa Econômica Federalestá com inscrições abertas para oFundo Socioambiental Caixa – FSA Caixa, que apóia projetos socioambientais voltados ao desenvolvimento integrado e sustentável para a população de baixa renda. O financiamento varia de 200 mil a 1 milhão de reais. São dois os editais abertos no momento para o FSA Caixa: Desenvolvimento e Cidadania; e Energias Renováveis e Recursos Hídricos. No edital de Desenvolvimento e Cidadania serão selecionados 20 projetos voltados à promoção socioeconômica com foco em saúde, educação, inclusão produtiva e promoção da cidadania, que tenham como finalidade a erradicação da pobreza, inclusão social e econômica, promoção da justiça, da dignidade e da qualidade de vida, implementados por organizações da sociedade civil sem fins lucrativos que atuem junto a grupos e comunidades em situação de vulnerabilidade social. O prazo para inscrição nesse edital é dia 11 de julho. Já no edital de Energias Renováveis e R…

Lula foi inocentado

Por Genaldo de Melo Recentemente o jornalista José Roberto Guzzo, colunista da revista Veja, escreveu um artigo intitulado “É só explicar”, cobrando indignado que Lula deveria aproveitar apenas quinze minutos para explicar sobre o polêmico apartamento que por “convicção" setores do Ministério Público Federal insistem na tese de que foi matéria de propina dada pela empresa OAS ao mesmo.
Interessante é que pelo que sabemos Lula já gastou uma carga de centenas e centenas de quinze minutos explicando que o polêmico apartamento não lhe pertence, e de todos os modos tenta explicar juridicamente esse fantoche político, mas tanto o Ministério Público quanto a mídia do Jornalismo de propaganda política continua insistindo nesse assunto.
Agora realmente o que causa um pouco de indignação é que as testemunhas de acusação que apresentaram seus depoimentos hoje (21/11) ao MPF, absolutamente todas são unânimes em dizer que não podem incriminar Lula, porque elas mesmas não negociaram nada disso em…

O desespero da Globo com seu circo de horrores

Por Genaldo de Melo A Rede Globo de Comunicações, que passou os quinze dias que antecederam o tão badalado depoimento de Lula ao juiz Sérgio Moro, por causa de um triplex, que até agora ninguém mostrou de fato nenhum documento do mesmo no nome dele, e do mesmo modo não comprovou que ele ganhou o mesmo como forma de propina, literalmente entrou em desespero. Interessante é que o tríplex entrou no imposto de renda da OAS, e D. Marisa entrou com um processo judicial para receber sua cota parte de volta, quando desistiu do mesmo, que era de R$ 209 mil em 2009 e hoje é de R$ 300,8 mil (o processo está na 34ª Vara Cível).
A Globo utilizou ao modo de Goebbels o discurso de que Lula poderia, aliás, teria que ser preso ali mesmo em Curitiba, até mesmo com um provável desacato ao juiz, mas como Lula não foi preso porque pelo visto o apartamento não é mesmo dele, partiu para um ataque tão violento, que não se pode dizer que está mais praticando jornalismo.
Do momento do depoimento até agora, quase …