Pular para o conteúdo principal

A verdade sobre Lula, Bolsonaro e as mentiras repetidas mil vezes

Por Genaldo de Melo
Com os últimos fatos do mundo político no Brasil, a verdade precisa ser dita em contrário às teses de Joseph Goebbels, principalmente a de que a mentira repetida mil vezes se torna uma espécie de verdade absoluta. Apesar de que Hitler conseguiu governar a Alemanha por mais de uma década, e de também ter convencido o próprio povo alemão da grandeza de seus desígnios como povo superior aos demais existentes na face da terra, o seu projeto mentiroso não passou dos anos em que foi o líder doente mental, autoritário, prepotente e carniceiro. Ou seja, a mentira repetida mil vezes um dia ela acaba sendo revelada, colocando seu inventor em situação constrangedora, e tendo que ser julgado pelos seus resultados práticos pela própria história.

É evidente que não estamos no Brasil vivendo um projeto parecido com o projeto dos nazistas, mas que estamos do mesmo modo vivendo sob o signo da mentira que se repete mil vezes, isso ninguém em sã consciência, e que conhece o mínimo do mínimo de propaganda política, pelo menos conceitos elementares do Jean-Marie Domenach (que nada tem a haver com Goebbels), jamais vai ser contrário a tal afirmativa. Estamos falando da guerra política imprimida pela direita brasileira contra o projeto político da esquerda, que esteve na coordenação do Estado durante mais de uma década.

Se a mentira não está sendo repetida mil vezes como alguns especialistas da mídia do Jornalismo da Obediência têm afirmado, pelo menos o conceito de criação do “inimigo único” está em pleno vigor. Mas não está funcionando exatamente como querem os mentores da idéia de Estado Mínimo, e de menos privilégios para o povo. Exatamente porque a cada vez que apresentam, como se fosse teoria literária de George Orwell, um fenômeno "pós-verdade" contra o principal representante das correntes do pensamento político da esquerda brasileira, e quiçá latino-americana, Luís Inácio Lula da Silva, e não provam nada contra o mesmo, o projeto político da esquerda que foi assaltado sem as urnas, na própria pessoa do Lula cresce em pesquisas de opinião sobre as eleições de 2018.

A mentira repetida mil vezes está se tornando uma verdadeira catástrofe, do mesmo modo que o projeto do Fuhrer de mil anos, que teve que se contentar com os resultados pífios de seu governo de expansão de apenas 12 anos. O grande problema brasileiro é que com a decadência moral e estatística do projeto que repete mil vezes a mentira, é que está criando aos poucos exatamente um representante de projeto político, parecido com o projeto da Alemanha dos anos trinta e quarenta. Em vez de conseguir imprimir no imaginário brasileiro a idéia de um projeto melhor do que aquele que foi representado na figura de Lula está se criando também a figura da solução imaginária de Bolsonaro. O que é muito mais perigoso para o país como nação soberana do que inclusive o projeto da direita tradicional.

Corruptos por natureza, desde sempre utilizaram até mesmo o discurso de combate à corrupção, mas não conseguiram fazer com que a maioria dos brasileiros assimilasse o conceito único de Lula como o grande chefe da corrupção no Brasil, exatamente porque falam, esbravejam, inventam mentiras repetidas mil vezes, mas não conseguem provar nada contra Lula (se provassem o homem já estava preso!). E assim, aos poucos até mesmo quem não gosta do PT e de Lula começa a sentir saudades da verdade, e repudiar em números a idéia de ser governado pela mentira, pela corrupção, pela suprema necessidade de governo apenas para poucos iluminados do mundo econômico.

Em face disso tudo, o que se constrói aos poucos como cenário para 2018 é a disputa dos dois pólos extremos do mundo político: a esquerda representada por Lula, e a direita representada nada mais nada menos do que por Jair Bolsonaro, e não mais por um representante do consórcio PSDB/PMDB/DEM. E a esquerda mais uma vez despontando como solução para acabar com a crise política e econômica, que provada está de que não foi Dilma Rousseff que a criou, pois ela é resultado do contexto prático da própria idéia da mentira repetida mil vezes, e do capital especulativo em detrimento do capital produtivo.

A mentira repetida mil vezes e não se concretizando em pequeno espaço de tempo pode criar outras sombrias mentiras, capazes de não entender que a diversidade existe, e que ninguém vai mudar essa natureza das coisas em si. No mais das coisas, gostando ou não gostando de Lula, ele representa ideologicamente um projeto mil vezes melhor do que o projeto que quer apresentar para a sociedade brasileira o deputado federal Jair Bolsonaro, porque o consórcio PSDB/PMDB/DEM ainda não conseguiu, e parece que não vai conseguir até 2018 um adversário que enfrente tanto Lula, quanto o próprio representante da idéia de extrema-direita no Brasil. É aceitar a idéia de Lula ou aceitar a idéia que está entrando em moda no mundo todo a partir da vitória de Donald Trump nos EUA. Os números não mentem!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A manipulação grosseira da Globo do Dia do Trabalho

Por Genaldo de Melo Dificilmente assisto a Rede Globo, porque além de não ter mais paciência, não concordo com a manipulação que ela faz com suas edições políticas contra a esquerda brasileira, e hoje definitivamente contra a democracia brasileira.
Mas confesso que ontem resolvi acompanhar o Jornal Nacional para ver que tipo de grosseria jornalística ela poderia fazer com esse Dia do Trabalho, em que parcela do povo ocupou às ruas em defesa de Lula e da democracia.
Simplesmente vergonhoso seu jornalismo da obediência, pois utilizou a maior parte do noticiário para sensacionalizar e sensibilizar a população sobre o incêndio em São Paulo, e manipulou sua edição com imagens que não mostraram a verdade das ruas no dia do trabalhador.
Não que não seja importante noticiar o incêndio do prédio paulista, mas porque descaradamente usou abusivamente do fato para esconder o óbvio de que os brasileiros ocuparam em massa as ruas do Brasil em defesa de Lula e em defesa da democracia.
Nos fatos ficou cla…

ACM Neto pode não ser mais candidato nas próximas eleições na Bahia

Por Genaldo de Melo Reza a cantilena popular que para bom entendedor meia palavra basta, de modo que não precisa ser muito inteligente ou até mesmo conhecer os bastidores do mundo político, para saber do dilema existencial por qual passa o prefeito de Salvador, ACM Neto, em torno da perigosa decisão que precisa tomar logo, porque o tempo como ele pensa e verbaliza não é tão grande assim, para se lançar como o nome das oposições ao governo do Estado da Bahia nessas eleições vindouras.
Basta somente dialogar com os fatos e analisar mais friamente as próprias palavras do prefeito em entrevista que concedeu na abertura do carnaval da capital baiana para se chegar a dolorosa e cruel conclusão de que ACM Neto não tem tanta certeza assim de uma provável vitória.
ACM Neto verbalizou nas entrelinhas que a decisão não é tão fácil assim como pensam seus aliados, até mesmo porque em se lançando candidato a governador e perdendo as eleições, ele ficará quatro anos sem mandato e sem a possibilidade e …

Sem Lula cidadãos conscientes continuam preferindo Manuela

Por Genaldo de Melo Caso não haja a possibilidade de Lula ser candidato à Presidente da República, muitos cidadãos brasileiros conscientes da importância de um representante que tenha mais a cara do povo brasileiro, e não o espectro dos interesses internacionais, ficarão órfãos para ter que escolher entre os postulantes de centro e de esquerda que estão se colocando a disposição das urnas.
Todos os nomes colocados até o momento que poderiam substituir Lula nas urnas não conseguiram ainda atingir os dois dígitos nas pesquisas eleitorais. Entre os mais bem colocados estão Ciro Gomes (PDT) e Joaquim Barbosa (este colocado aqui por ser provável postulante do “PSB”, mas muito complicado ainda do ponto de vista ideológico). Ainda em processo de construção da imagem estão Manuela D‘Ávila (PCdoB) e Guilherme Boulos (PSOL).
Em relação a Joaquim Barbosa, rumores dão conta que os verdadeiros socialistas estão se remoendo ainda para ter que aceitar aquele sujeito estranho, com mais interesse nos EUA…