UTOPIAS DE RUA

Por Genaldo de Melo

Olhar o fim da rua deserta
E ver as palavras bêbadas
Pelo cheiro de flores secas
E sonhos de livros velhos
Jogadas pelos cantos das calçadas sujas.

Olhar o fim da rua escura
E ver os bêbados
Com suas bocas tortas
Dos copos sujos
E suas utopias molhadas.

Olhar o fim da rua dos outros
Para com sete passos
Chegar ao fim dela...

Olhar o fim da rua deserta
E estender os olhos
Nos sonhos e no silêncio do riso e do esquecimento
E chegar ao fim de novo.

Comentários