Pular para o conteúdo principal

A corrupção do próprio povo

Por Genaldo de Melo

Há algum tempo que o discurso predominante na sociedade brasileira, influenciado principalmente pela nossa imprensa do Jornalismo da Obediência, é de que a corrupção nojenta e endêmica foi criada a partir dos últimos anos, por indivíduos que fazem parte de supostas organizações criminosas, apelidada assim principalmente por um dos principais juristas brasileiros, o ministro do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes.

E a cantilena segue como uma das principais verdades absolutas do mundo político, como se a política como coisa em si tenha começado apenas na última década, como se o resto da história devesse ser esquecida, porque foi protagonizada por meros moralistas e religiosos preocupados com o bem estar do povo e com a ética em relações à coisa pública.

E essa dança a partir dessa canção maviosa para os ouvidos segue em frente porque quem menos sabe sobre política e como ela funciona é exatamente quem dela deveria se beneficiar, o povo. Este é despolitizado pela sua própria natureza por ter sempre a memória curta, como pregava Nicollò Machiavelli.

Desde sempre que personagens do mundo político gastam verdadeiras fortunas para possuir mandatos políticos nos parlamentos e nos executivos, porém os proventos que recebem nos 48 meses que exercem seu poder, não cobrem tais gastos de campanhas eleitorais. Mas disso, o povo nada sabe, e se sabe bem que se esquece, porque para este política é apenas as eleições que acontecem nos outubros da vida a cada dois anos.

Toda esse belíssimo discurso para audiência não passa de mentira, porque a corrupção sempre existiu e sempre vai existir, caso não se reforme as instituições responsáveis pela condução das coisas políticas. A corrupção sempre vai existir porque ela se faz necessária diante do povo que despolitizado é mais corrupto do que quem o corrompe, pois recebe dinheiro da corrupção para dá o seu voto.

O máximo que se discute para a solução do problema é criar mais “currais” eleitorais, quando se trabalha o discurso de que o povo não deve ser politizado, como por exemplo, o discurso de Escola Sem Partido. Escola não é lugar de partido, mas é lugar de formação, e provavelmente todos os educadores não são comunistas como querem alguns que esbravejam reacionarismo, mas estão a caça dos votos dos beócios que não sabem como funciona o mundo político.

Para começar a diminuir a corrupção no mundo político, porque ela não se acaba assim como querem alguns que estudam mais dos que os outros, a não ser que se acabe o gênero humano, a saída mais correta seria não ter como discursam os "esfomeados" pelo poder escola com partido de fato, mas escolas apropriadas e financiadas pelo próprio Estado para ensinar ao povo como funciona o Estado Brasileiro, como funcionam os partidos políticos e como funcionam as estruturas eleitorais.

Assim, e somente assim, o povo não venderia seu voto e não deixaria que indivíduos que nem mesmo com seus salários de 48 meses de poder custeariam essas campanhas milionárias, que são então financiadas por empresas que querem o dinheiro do Estado via licitações públicas e outros meios jurídicos exigidos, que necessitam dos lobistas no Congresso e nos espaços executivos.

Não adianta discursar bonito contra a corrupção, enquanto o povo não compreender o papel da política. Quem primeiro consente a corrupção é o eleitor que vota em quem mais gasta dinheiro nos três meses que precedem o processo eleitoral no Brasil. E quem mais contribui com esse distúrbio no país é exatamente parcela da mídia do Jornalismo da Obediência, que fica com a grande parcela do dinheiro roubado por empresas para certos indivíduos serem seus quadros nos parlamentos e nos executivos.

O povo precisa de educação política promovida pelo próprio Estado, porque quem politiza parcela desse povo no Brasil são os partidos políticos, de direita e de esquerda. E partido político quer nada mais nada menos do que o poder, ou seja, controlar o próprio Estado. Enquanto política, moralismo e juridicismo forem as vertentes ideológicas de uma pequena minoria conservadora nesse país, a corrupção vai cantar a sua cancão predileta como osmose para o povo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A manipulação grosseira da Globo do Dia do Trabalho

Por Genaldo de Melo Dificilmente assisto a Rede Globo, porque além de não ter mais paciência, não concordo com a manipulação que ela faz com suas edições políticas contra a esquerda brasileira, e hoje definitivamente contra a democracia brasileira.
Mas confesso que ontem resolvi acompanhar o Jornal Nacional para ver que tipo de grosseria jornalística ela poderia fazer com esse Dia do Trabalho, em que parcela do povo ocupou às ruas em defesa de Lula e da democracia.
Simplesmente vergonhoso seu jornalismo da obediência, pois utilizou a maior parte do noticiário para sensacionalizar e sensibilizar a população sobre o incêndio em São Paulo, e manipulou sua edição com imagens que não mostraram a verdade das ruas no dia do trabalhador.
Não que não seja importante noticiar o incêndio do prédio paulista, mas porque descaradamente usou abusivamente do fato para esconder o óbvio de que os brasileiros ocuparam em massa as ruas do Brasil em defesa de Lula e em defesa da democracia.
Nos fatos ficou cla…

ACM Neto pode não ser mais candidato nas próximas eleições na Bahia

Por Genaldo de Melo Reza a cantilena popular que para bom entendedor meia palavra basta, de modo que não precisa ser muito inteligente ou até mesmo conhecer os bastidores do mundo político, para saber do dilema existencial por qual passa o prefeito de Salvador, ACM Neto, em torno da perigosa decisão que precisa tomar logo, porque o tempo como ele pensa e verbaliza não é tão grande assim, para se lançar como o nome das oposições ao governo do Estado da Bahia nessas eleições vindouras.
Basta somente dialogar com os fatos e analisar mais friamente as próprias palavras do prefeito em entrevista que concedeu na abertura do carnaval da capital baiana para se chegar a dolorosa e cruel conclusão de que ACM Neto não tem tanta certeza assim de uma provável vitória.
ACM Neto verbalizou nas entrelinhas que a decisão não é tão fácil assim como pensam seus aliados, até mesmo porque em se lançando candidato a governador e perdendo as eleições, ele ficará quatro anos sem mandato e sem a possibilidade e …

Sem Lula cidadãos conscientes continuam preferindo Manuela

Por Genaldo de Melo Caso não haja a possibilidade de Lula ser candidato à Presidente da República, muitos cidadãos brasileiros conscientes da importância de um representante que tenha mais a cara do povo brasileiro, e não o espectro dos interesses internacionais, ficarão órfãos para ter que escolher entre os postulantes de centro e de esquerda que estão se colocando a disposição das urnas.
Todos os nomes colocados até o momento que poderiam substituir Lula nas urnas não conseguiram ainda atingir os dois dígitos nas pesquisas eleitorais. Entre os mais bem colocados estão Ciro Gomes (PDT) e Joaquim Barbosa (este colocado aqui por ser provável postulante do “PSB”, mas muito complicado ainda do ponto de vista ideológico). Ainda em processo de construção da imagem estão Manuela D‘Ávila (PCdoB) e Guilherme Boulos (PSOL).
Em relação a Joaquim Barbosa, rumores dão conta que os verdadeiros socialistas estão se remoendo ainda para ter que aceitar aquele sujeito estranho, com mais interesse nos EUA…