Pular para o conteúdo principal

A democracia das ruas como última chance para o povo brasileiro

Por Genaldo de Melo
Durante muitos anos os movimentos sociais e sindicais organizados da sociedade brasileira permaneceram mais tácitos em função da mudança de configuração do papel do Estado. Mesmo sendo um Estado forte, com presença mais dinâmica na contribuição com o protagonismo da economia brasileira no cenário mundial, tanto que o país passou a ser uma das maiores do mundo, houve o papel primordial e pioneiro em construir Políticas Públicas de distribuição de renda, geração de emprego, aumento do poder aquisitivo e da qualidade de vida dos brasileiros, bem como a preocupação com a justiça social. Somente quem continua negando isso é a Rede Globo e a direita que quer o poder a qualquer custo.

O Estado brasileiro se aproximou da possibilidade de ser o Estado que o povo e as organizações orgânicas da Sociedade Civil sempre pautaram em suas bandeiras de luta. Não foi a situação perfeita como sempre quiseram os homens e as mulheres que entendem um país não somente para uma minoria dos setores proprietários do capital, mas um país para todos, o suficiente para fazer entender que nosso país estava no caminho certo e não se precisava da criação de distúrbios institucionais.

Com a chegada de Michel Temer ao poder na forma mais vergonhosa possível para um país das dimensões como o Brasil, e sendo a sexta economia do mundo, o cenário da Sociedade Civil organizada começa a mudar, e os movimentos dos Aparelhos Privados de Hegemonia começam a compreender que eles devem assumir o protagonismo de educar o povo brasileiro para fazer a luta para manter seus direitos mais elementares que querem tirar e contra o desmonte do Estado brasileiro como um Estado soberano, democrático e acima de tudo forte para cumprir seu papel na defesa do cidadão.

O grupo político que não mais aceitou quatro derrotas sucessivas nas urnas em função exatamente de que o povo brasileiro não quer de jeito nenhum a ideia de um Estado neoliberal, aliou-se ao que existe de pior na política brasileira (prova disso foi a queda de quatro ministros e mais oito sendo investigados em erros com a Coisa Pública), e promoveu a tomada do poder não mais no voto como prerrogativa da democracia e da Constituição Brasileira.

Como os movimentos sociais e sindicais estavam quietos porque foram eles mesmos quem contribuíram com a escolha do projeto de poder até então, Michel Temer pensou que poderia fazer tudo de ruim em um espaço de tempo muito pequeno, e caiu literalmente em desgraça com conseqüências políticas irreparáveis. O povo e os movimentos sociais e sindicais finalmente acordaram e começaram a ocupar as ruas e as praças, cumprindo de novo seu protagonismo histórico em defesa dos interesses e direitos dos seres humanos que são os brasileiros.

Michel Temer, Henrique Meirelles, Aécio Neves (ambos que sonharam ser presidente), PSDB, PMDB, DEM e aliados mexeram com fogo perto do querosene. Pela primeira vez em mais de uma década a população brasileira está organizada para fazer política nas ruas em contraponto ao modo de fazer política do pequeno grupo que está sentado no poder, através da judicialização da própria política. E o povo unido, jamais será vencido, porque é maioria em contraponto ao seleto grupo de aves de rapinas, representantes de outro pequeno grupo do mercado. A Michel Temer ainda cabe a grandeza de ter como saída, a renúncia!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A manipulação grosseira da Globo do Dia do Trabalho

Por Genaldo de Melo Dificilmente assisto a Rede Globo, porque além de não ter mais paciência, não concordo com a manipulação que ela faz com suas edições políticas contra a esquerda brasileira, e hoje definitivamente contra a democracia brasileira.
Mas confesso que ontem resolvi acompanhar o Jornal Nacional para ver que tipo de grosseria jornalística ela poderia fazer com esse Dia do Trabalho, em que parcela do povo ocupou às ruas em defesa de Lula e da democracia.
Simplesmente vergonhoso seu jornalismo da obediência, pois utilizou a maior parte do noticiário para sensacionalizar e sensibilizar a população sobre o incêndio em São Paulo, e manipulou sua edição com imagens que não mostraram a verdade das ruas no dia do trabalhador.
Não que não seja importante noticiar o incêndio do prédio paulista, mas porque descaradamente usou abusivamente do fato para esconder o óbvio de que os brasileiros ocuparam em massa as ruas do Brasil em defesa de Lula e em defesa da democracia.
Nos fatos ficou cla…

ACM Neto pode não ser mais candidato nas próximas eleições na Bahia

Por Genaldo de Melo Reza a cantilena popular que para bom entendedor meia palavra basta, de modo que não precisa ser muito inteligente ou até mesmo conhecer os bastidores do mundo político, para saber do dilema existencial por qual passa o prefeito de Salvador, ACM Neto, em torno da perigosa decisão que precisa tomar logo, porque o tempo como ele pensa e verbaliza não é tão grande assim, para se lançar como o nome das oposições ao governo do Estado da Bahia nessas eleições vindouras.
Basta somente dialogar com os fatos e analisar mais friamente as próprias palavras do prefeito em entrevista que concedeu na abertura do carnaval da capital baiana para se chegar a dolorosa e cruel conclusão de que ACM Neto não tem tanta certeza assim de uma provável vitória.
ACM Neto verbalizou nas entrelinhas que a decisão não é tão fácil assim como pensam seus aliados, até mesmo porque em se lançando candidato a governador e perdendo as eleições, ele ficará quatro anos sem mandato e sem a possibilidade e …

Sem Lula cidadãos conscientes continuam preferindo Manuela

Por Genaldo de Melo Caso não haja a possibilidade de Lula ser candidato à Presidente da República, muitos cidadãos brasileiros conscientes da importância de um representante que tenha mais a cara do povo brasileiro, e não o espectro dos interesses internacionais, ficarão órfãos para ter que escolher entre os postulantes de centro e de esquerda que estão se colocando a disposição das urnas.
Todos os nomes colocados até o momento que poderiam substituir Lula nas urnas não conseguiram ainda atingir os dois dígitos nas pesquisas eleitorais. Entre os mais bem colocados estão Ciro Gomes (PDT) e Joaquim Barbosa (este colocado aqui por ser provável postulante do “PSB”, mas muito complicado ainda do ponto de vista ideológico). Ainda em processo de construção da imagem estão Manuela D‘Ávila (PCdoB) e Guilherme Boulos (PSOL).
Em relação a Joaquim Barbosa, rumores dão conta que os verdadeiros socialistas estão se remoendo ainda para ter que aceitar aquele sujeito estranho, com mais interesse nos EUA…