Pular para o conteúdo principal

A democracia das ruas como última chance para o povo brasileiro

Por Genaldo de Melo
Durante muitos anos os movimentos sociais e sindicais organizados da sociedade brasileira permaneceram mais tácitos em função da mudança de configuração do papel do Estado. Mesmo sendo um Estado forte, com presença mais dinâmica na contribuição com o protagonismo da economia brasileira no cenário mundial, tanto que o país passou a ser uma das maiores do mundo, houve o papel primordial e pioneiro em construir Políticas Públicas de distribuição de renda, geração de emprego, aumento do poder aquisitivo e da qualidade de vida dos brasileiros, bem como a preocupação com a justiça social. Somente quem continua negando isso é a Rede Globo e a direita que quer o poder a qualquer custo.

O Estado brasileiro se aproximou da possibilidade de ser o Estado que o povo e as organizações orgânicas da Sociedade Civil sempre pautaram em suas bandeiras de luta. Não foi a situação perfeita como sempre quiseram os homens e as mulheres que entendem um país não somente para uma minoria dos setores proprietários do capital, mas um país para todos, o suficiente para fazer entender que nosso país estava no caminho certo e não se precisava da criação de distúrbios institucionais.

Com a chegada de Michel Temer ao poder na forma mais vergonhosa possível para um país das dimensões como o Brasil, e sendo a sexta economia do mundo, o cenário da Sociedade Civil organizada começa a mudar, e os movimentos dos Aparelhos Privados de Hegemonia começam a compreender que eles devem assumir o protagonismo de educar o povo brasileiro para fazer a luta para manter seus direitos mais elementares que querem tirar e contra o desmonte do Estado brasileiro como um Estado soberano, democrático e acima de tudo forte para cumprir seu papel na defesa do cidadão.

O grupo político que não mais aceitou quatro derrotas sucessivas nas urnas em função exatamente de que o povo brasileiro não quer de jeito nenhum a ideia de um Estado neoliberal, aliou-se ao que existe de pior na política brasileira (prova disso foi a queda de quatro ministros e mais oito sendo investigados em erros com a Coisa Pública), e promoveu a tomada do poder não mais no voto como prerrogativa da democracia e da Constituição Brasileira.

Como os movimentos sociais e sindicais estavam quietos porque foram eles mesmos quem contribuíram com a escolha do projeto de poder até então, Michel Temer pensou que poderia fazer tudo de ruim em um espaço de tempo muito pequeno, e caiu literalmente em desgraça com conseqüências políticas irreparáveis. O povo e os movimentos sociais e sindicais finalmente acordaram e começaram a ocupar as ruas e as praças, cumprindo de novo seu protagonismo histórico em defesa dos interesses e direitos dos seres humanos que são os brasileiros.

Michel Temer, Henrique Meirelles, Aécio Neves (ambos que sonharam ser presidente), PSDB, PMDB, DEM e aliados mexeram com fogo perto do querosene. Pela primeira vez em mais de uma década a população brasileira está organizada para fazer política nas ruas em contraponto ao modo de fazer política do pequeno grupo que está sentado no poder, através da judicialização da própria política. E o povo unido, jamais será vencido, porque é maioria em contraponto ao seleto grupo de aves de rapinas, representantes de outro pequeno grupo do mercado. A Michel Temer ainda cabe a grandeza de ter como saída, a renúncia!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Globo agora anuncia a incrível piada de início de ano com Luciano Huck e Angélica

Por Genaldo de Melo A Rede Globo sempre esteve envolvida nas tentativas de apresentar para a sociedade brasileira candidatos à presidente que representassem a possibilidade de a pequena minoria conservadora e dona dos meios de produção do país tomassem conta do Estado e ficassem no controle dos recursos dos cofres públicos. Mas nunca essa rede de comunicação com concessão pública escancarou tanto na suas escolhas com fez nesse final de semana com a participação de seu funcionário Luciano Huck no programa televisivo de maior audiência do país em um domingo à tarde.
Luciano Huck, que numa contradição além dos limites para um sujeito que aconselha publicamente a seriedade, a honestidade e o combate à corrupção dos homens públicos, demonstrou que além de falta de seriedade dele próprio já que havia desistido publicamente de candidatura, também demonstrou que a Rede Globo resolveu entrar de vez na disputa para ter um nome na Presidência da República para chamar de seu.
E mais grave ainda, par…

O desespero da Globo com seu circo de horrores

Por Genaldo de Melo A Rede Globo de Comunicações, que passou os quinze dias que antecederam o tão badalado depoimento de Lula ao juiz Sérgio Moro, por causa de um triplex, que até agora ninguém mostrou de fato nenhum documento do mesmo no nome dele, e do mesmo modo não comprovou que ele ganhou o mesmo como forma de propina, literalmente entrou em desespero. Interessante é que o tríplex entrou no imposto de renda da OAS, e D. Marisa entrou com um processo judicial para receber sua cota parte de volta, quando desistiu do mesmo, que era de R$ 209 mil em 2009 e hoje é de R$ 300,8 mil (o processo está na 34ª Vara Cível).
A Globo utilizou ao modo de Goebbels o discurso de que Lula poderia, aliás, teria que ser preso ali mesmo em Curitiba, até mesmo com um provável desacato ao juiz, mas como Lula não foi preso porque pelo visto o apartamento não é mesmo dele, partiu para um ataque tão violento, que não se pode dizer que está mais praticando jornalismo.
Do momento do depoimento até agora, quase …

Lava Jato pode apresentar a lista de santos que o Brasil deve votar em 2018

Por Genaldo de Melo O procurador da República em Curitiba, um dos coordenadores da Operação Lava Jato, Deltan Dallagnol, parece que compreendendo que o povo brasileiro é um dos mais despolitizados do mundo, tanto que escolhe sempre os piores para serem representantes no Congresso Nacional, quer que para se terminar com a Operação de vez em 2018, orientar para que se vote nos melhores, só não diz quem são os melhores para um povo que vende o voto para corruptos.
Em sua aparição na Globonews, como se fosse um artista de cinema ou um astro do futebol, fala do fim da Lava Jato, mas deixa bem claro que ela só acaba se os brasileiros melhorarem o Congresso Nacional nas urnas. Ele parece que quer continuar com seus espetáculos e não resolver de fato o problema de combate e prevenção da corrupção, pois trabalha como um cabo eleitoral, e efetivamente não prendeu ninguém que foi delatado ligado aos tucanos, demistas e peemedebistas (com exceção de Cunha, que ninguém sabe de fato se realmente ele …