Pular para o conteúdo principal

O ovo da serpente chocou

Por Genaldo de Melo

Passam dos quinhentos anos em que Maquiavel em sua Florença da Idade Média dizia em alto e bom som que a história é a prova dos nove. E esta mesma, reiteradas vezes vem provando que a roda civilizatória não gira para trás quando se trata da própria civilização humana. É simplesmente incoerente a humanidade desenvolver estudos, criar tecnologias cada vez mais avançadas, produzir teorias que melhoram a prática da humanidade, avançar nos costumes e na cultura, e de hora prá outra simplesmente poucos que se acham iluminados impõem como a coisa mais natural do mundo o retrocesso ao passado.

Mas vergonhosamente o Congresso Nacional brasileiro aprovou o relatório da reforma trabalhista, de interesses apenas de um diminuto grupo da população brasileira para retrocedermos ao passado, quando não existiam direitos, quando se escravizava no trabalho em nome da acumulação absoluta de riquezas sob o controle de uma minoria conservadora, quando as teses econômicas pautadas na teoria da geração espontânea eram regras, porque a humanidade não tinha ainda avançado tecnológica e intelectualmente.

Ou seja, vergonhosamente estamos voltando ao passado com uma diferença abissal, porque hoje mesmo que as pessoas fiquem sob o crivo da barbárie trabalhista, elas sabem disso, e sabem que também podem e devem também radicalizar na barbárie. Ou alguém acha que daqui a dois ou três anos o povo brasileiro não irá sentir a falta de seus direitos mais elementares, que foram simplesmente tomados a força para se repetir o passado, como se a história não fosse a prova dos nove.

Se Stephen  Hawking preconiza que em breve tempo teremos desemprego e pobreza estrutural em função exatamente da possibilidade da substituição da mão de obra humana por máquinas, como pode um grupo pequeno de representantes no Congresso Nacional numa sociedade de 205 milhões de pessoas aprovar num espaço limitado de apenas poucos meses o retrocesso a um passado que a própria história com sua desenvoltura condena?

Foram precisos mais de 10 décadas de muita luta para que os avanços nos direitos sociais e trabalhistas acompanhassem os avanços dos demais setores da sociedade, principalmente os avanços científicos. Mais simplesmente um pequeno grupo de empresários, intelectuais comprometidos com seus empregos na área do pensamento, e deputados pequenos que não conhecem a história, mas apenas a ciência de angariar votos dos menores intelectualmente, impôs em pouco espaço de tempo a aprovação da PEC 55, que diminui o papel do Estado, a terceirização que provada está que no Brasil com sua legislação frágil cria somente escravos de poucos, e simplesmente coloca a CLT de 74 anos de idade como peça de museu e de estante.

Ao atual governo pouco importa sua baixa impopularidade, pois ele não teve votos mesmo da sociedade brasileira! Ele simplesmente comprometido com setores exageradamente no controle dos meios de produção, pega da estante teorias ultrapassadas, que comprovadamente para a civilização avançada em que vivemos somente vai construir a barbárie e a guerra entre grupos sociais, e impõe uma volta ao passado em que as pessoas ainda não tinham instrumentos adequados para lutar como existem hoje, principalmente a informação.

Com a aprovação de medidas constitucionais de exceção desenha-se no momento uma perigosa linha de raciocínio de uma nova ditadura no Brasil, a ditadura do judiciário que será responsável pelo cumprimento dos rigores da lei, através da força no sentido mais literal da palavra, porque o povo da mesma forma que a roda da história gira, está girando para frente, e naturalmente não vai aceitar de bom grado voltar ao passado. Maquiavel nunca esteve tão atual, e os fracos espiritualmente da sociedade brasileira insistem em não querer entender, ou aceitar de bom grado que a história é a prova dos nove.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Globo agora anuncia a incrível piada de início de ano com Luciano Huck e Angélica

Por Genaldo de Melo A Rede Globo sempre esteve envolvida nas tentativas de apresentar para a sociedade brasileira candidatos à presidente que representassem a possibilidade de a pequena minoria conservadora e dona dos meios de produção do país tomassem conta do Estado e ficassem no controle dos recursos dos cofres públicos. Mas nunca essa rede de comunicação com concessão pública escancarou tanto na suas escolhas com fez nesse final de semana com a participação de seu funcionário Luciano Huck no programa televisivo de maior audiência do país em um domingo à tarde.
Luciano Huck, que numa contradição além dos limites para um sujeito que aconselha publicamente a seriedade, a honestidade e o combate à corrupção dos homens públicos, demonstrou que além de falta de seriedade dele próprio já que havia desistido publicamente de candidatura, também demonstrou que a Rede Globo resolveu entrar de vez na disputa para ter um nome na Presidência da República para chamar de seu.
E mais grave ainda, par…

O desespero da Globo com seu circo de horrores

Por Genaldo de Melo A Rede Globo de Comunicações, que passou os quinze dias que antecederam o tão badalado depoimento de Lula ao juiz Sérgio Moro, por causa de um triplex, que até agora ninguém mostrou de fato nenhum documento do mesmo no nome dele, e do mesmo modo não comprovou que ele ganhou o mesmo como forma de propina, literalmente entrou em desespero. Interessante é que o tríplex entrou no imposto de renda da OAS, e D. Marisa entrou com um processo judicial para receber sua cota parte de volta, quando desistiu do mesmo, que era de R$ 209 mil em 2009 e hoje é de R$ 300,8 mil (o processo está na 34ª Vara Cível).
A Globo utilizou ao modo de Goebbels o discurso de que Lula poderia, aliás, teria que ser preso ali mesmo em Curitiba, até mesmo com um provável desacato ao juiz, mas como Lula não foi preso porque pelo visto o apartamento não é mesmo dele, partiu para um ataque tão violento, que não se pode dizer que está mais praticando jornalismo.
Do momento do depoimento até agora, quase …

Lava Jato pode apresentar a lista de santos que o Brasil deve votar em 2018

Por Genaldo de Melo O procurador da República em Curitiba, um dos coordenadores da Operação Lava Jato, Deltan Dallagnol, parece que compreendendo que o povo brasileiro é um dos mais despolitizados do mundo, tanto que escolhe sempre os piores para serem representantes no Congresso Nacional, quer que para se terminar com a Operação de vez em 2018, orientar para que se vote nos melhores, só não diz quem são os melhores para um povo que vende o voto para corruptos.
Em sua aparição na Globonews, como se fosse um artista de cinema ou um astro do futebol, fala do fim da Lava Jato, mas deixa bem claro que ela só acaba se os brasileiros melhorarem o Congresso Nacional nas urnas. Ele parece que quer continuar com seus espetáculos e não resolver de fato o problema de combate e prevenção da corrupção, pois trabalha como um cabo eleitoral, e efetivamente não prendeu ninguém que foi delatado ligado aos tucanos, demistas e peemedebistas (com exceção de Cunha, que ninguém sabe de fato se realmente ele …