Sem resultados jornais impressos anunciam falência

Por Genaldo de Melo
Velhos jornais impressos já não conseguem competir com as mídias digitais pela facilidade própria das mesmas, já que todas as pessoas que consomem informações e notícias têm as facilidades de fazer isso com um pequeno aparelho telefônico em mãos.

Como exemplo disso, apresento meu próprio Blog com a quantidade de acessos diários que tenho apenas escrevendo de forma autoral opiniões pessoais, ultrapassando cinco mil acessos para cada texto ou artigo de opinião.

Vejo que jornais impressos nas bancas de revistas e suas tiragens não se aproximam em nada apenas do que escrevo no Blog. Imagine então profissionais preparados e reconhecidos que já estão fazendo o mesmo, e tendo mais acessos na rede do que leitores em suas próprias colunas nos impressos!

Além disso, o chamado jornalismo tradicional não tem sido tão respeitado como já foi no passado pela própria postura parcial que tem tomado nos grandes acontecimentos sociais e políticos do país. A maior parte dos jornais impressos parece que começou a trabalhar na formação da opinião de pensamento único sem brechas para o contraditório. Tornaram-se meros comerciantes de interesses jornalísticos, informações e notícias.

O fechamento da Gazeta do Povo no Paraná é a mais perfeita simbologia dessa onda de derrocada do jornalismo impresso, que vai começar de fato a partir de agora. De modo que ninguém espere que por mais que se procure inovar, ou melhor qualificar o processo de distribuição de noticiais e informações por esses meios não se vai apresentar resultados, porque leitores preferem a internet ao papel.

Como contra fatos não existem argumentos, os sites jornalísticos independentes têm ultrapassado em qualidade e quantidade os impressos não somente pela facilidade, mas também pela verdade dos fatos apresentados de forma imparcial e correta. E pelo visto o tempo da Folha, de O Globo, do Estadão, e de revistas como Veja, Época e Isto É estão de fato chegando ao fim!

Comentários