Pular para o conteúdo principal

Vereador é autoridade menor em Feira de Santana

Por Genaldo de Melo

Autoridades menores do mundo político em Feira de Santana ainda não compreenderam, ou não querem de modo nenhum admitir, como são as regras de se fazer política em torno do grupo do Prefeito José Ronaldo. Vereadores quando fazem parte do grupo político liderado pelo prefeito são descartáveis como copos de plásticos, basta somente um pequeno arredio para ficarem marcados e não receberem as benesses do Governo Municipal que lhes garantem votos nas urnas em próximas eleições.

As experiências são muitas, e basta passar um olhar pela história da política recente liderada pelo alcaide para se ver que quem não reza na cartilha azul do mesmo, muitas das vezes são personagens de apenas um mandato de vereador. O grande exemplo de quem fica reclamando do Governo Municipal perto de fofoqueiros foi o do ex-vereador Tonhe Branco, que numa eleição teve seus 3.900 votos e na outra somente 500 e poucos. A crueldade tem sido uma das mais letais armas para se manter coeso um grupo de autoridades menores como, por exemplo, os vereadores de primeiro mandato.

Não seria diferente o tratamento dado por membros do Governo em eventos públicos em relação a essas autoridades menores. Dessa vez foi o vereador novato João Bililiu, vice-presidente da Comissão de Educação, que reclamou, segundo o site Voz de Feira, de que foi desprezado pela Secretária da Educação do município em evento numa escola do Bairro Mangabeira. E ele queria o que mesmo? Que a nobre Secretária mudasse o script de sempre, em que autoridades de dentro do governo se acham maiores que aqueles que tiveram votos? Ela fez o de sempre, considerou o mesmo como uma extensão do Governo Municipal, que mesmo que não dê o mínimo de atenção ele vai sempre votar nos interesses do Alcaide!

Fica a lição para o nobre vereador de que não adianta ele chegar à Câmara de Vereadores e votar contra o povo, especialmente contra os nossos educadores em favor dos interesses do grupo de seu líder político, porque mesmo com seus suados votos, a Secretária não precisou de votos para ser uma autoridade bem  maior do que ele.  E ainda tem mais, ele precisa tomar cuidado porque como vereador da base está sendo vigiado o tempo todo para não poder querer se zangar e ficar reclamando do prefeito, porque quando  a informação chega aos ouvidos do mesmo, chega deturpada e em tamanho maior do que outros crimes.

É assim que tem sido o roteiro do grupo político que hoje hegemoniza em Feira de Santana em torno de si os chamados poderes de decisões. Ninguém chega â Câmara de Vereadores senão com muito trabalho e liderança ou então com necessário “apoio” do líder. Ou se baixa a cabeça e engole alguns sapos ou então vai ficar ruim com seus eleitores, porque nada tem a oferecer. Autoridades pequenas em Feira de Santana somente são líderes de fato quando se têm estrutura política, senão deve se contentar com um mandato e brigar por migalhas para tentar outro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Grande oportunidade: Inscrições abertas para o Fundo Socioambiental Caixa

Por Genaldo de Melo A Caixa Econômica Federalestá com inscrições abertas para oFundo Socioambiental Caixa – FSA Caixa, que apóia projetos socioambientais voltados ao desenvolvimento integrado e sustentável para a população de baixa renda. O financiamento varia de 200 mil a 1 milhão de reais. São dois os editais abertos no momento para o FSA Caixa: Desenvolvimento e Cidadania; e Energias Renováveis e Recursos Hídricos. No edital de Desenvolvimento e Cidadania serão selecionados 20 projetos voltados à promoção socioeconômica com foco em saúde, educação, inclusão produtiva e promoção da cidadania, que tenham como finalidade a erradicação da pobreza, inclusão social e econômica, promoção da justiça, da dignidade e da qualidade de vida, implementados por organizações da sociedade civil sem fins lucrativos que atuem junto a grupos e comunidades em situação de vulnerabilidade social. O prazo para inscrição nesse edital é dia 11 de julho. Já no edital de Energias Renováveis e R…

Lula foi inocentado

Por Genaldo de Melo Recentemente o jornalista José Roberto Guzzo, colunista da revista Veja, escreveu um artigo intitulado “É só explicar”, cobrando indignado que Lula deveria aproveitar apenas quinze minutos para explicar sobre o polêmico apartamento que por “convicção" setores do Ministério Público Federal insistem na tese de que foi matéria de propina dada pela empresa OAS ao mesmo.
Interessante é que pelo que sabemos Lula já gastou uma carga de centenas e centenas de quinze minutos explicando que o polêmico apartamento não lhe pertence, e de todos os modos tenta explicar juridicamente esse fantoche político, mas tanto o Ministério Público quanto a mídia do Jornalismo de propaganda política continua insistindo nesse assunto.
Agora realmente o que causa um pouco de indignação é que as testemunhas de acusação que apresentaram seus depoimentos hoje (21/11) ao MPF, absolutamente todas são unânimes em dizer que não podem incriminar Lula, porque elas mesmas não negociaram nada disso em…

O desespero da Globo com seu circo de horrores

Por Genaldo de Melo A Rede Globo de Comunicações, que passou os quinze dias que antecederam o tão badalado depoimento de Lula ao juiz Sérgio Moro, por causa de um triplex, que até agora ninguém mostrou de fato nenhum documento do mesmo no nome dele, e do mesmo modo não comprovou que ele ganhou o mesmo como forma de propina, literalmente entrou em desespero. Interessante é que o tríplex entrou no imposto de renda da OAS, e D. Marisa entrou com um processo judicial para receber sua cota parte de volta, quando desistiu do mesmo, que era de R$ 209 mil em 2009 e hoje é de R$ 300,8 mil (o processo está na 34ª Vara Cível).
A Globo utilizou ao modo de Goebbels o discurso de que Lula poderia, aliás, teria que ser preso ali mesmo em Curitiba, até mesmo com um provável desacato ao juiz, mas como Lula não foi preso porque pelo visto o apartamento não é mesmo dele, partiu para um ataque tão violento, que não se pode dizer que está mais praticando jornalismo.
Do momento do depoimento até agora, quase …