Bolsonaro deixa de ser delírio para ser ameaça real, segundo DataPoder360

Por Genaldo de Melo
Com a queda em todas as pesquisas de opinião sobre as eleições de 2018 dos principais nomes que a direita brasileira sempre teve a disposição, quem assustadoramente está crescendo e se colocando em segundo lugar, somente perdendo para Lula, é exatamente o candidato da extrema-direita, que ninguém, absolutamente ninguém, do mundo político deseja, o deputado federal Jair Bolsonaro.

Para todos que estão acostumados com o discurso da coexistência de vários pensamentos e projetos políticos de poder, Bolsonaro representa o perigo real, porque como ele mesmo vem se definindo nos últimos tempos, ele é a direita mais clara, pintada das matizes mais cruéis, que não aceita e não comunga de modo nenhum com a existência da diversidade brasileira.

Ele é contra homossexuais, contra os direitos elementares das mulheres brasileiras, contra a raça negra, que é predominante no território brasileiro, e pior ainda, nas entrelinhas destaca-se publicamente com seu discurso fascista.

A pesquisa de hoje do DataPoder360 coloca ele em segundo lugar em intenções de votos, na casa dos 20%, com tendência real de franco crescimento. Ele é descrito pelo jornalista Fernando Brito como a “besta” que deixa de ser apenas um delírio para ser de fato uma ameaça para a tão combalida democracia brasileira. Vela o artigo de Fernando Brito em seu Blog ‘Tijolaço”:

A ameaça da besta não é mais um delírio

Por Fernando Brito, editor do Tijolaço

Um exagero aqui, uma redução lá, fato é que a pesquisa divulgada hoje pelo Poder360 mostrando que Jair Bolsonaro circula em torno dos 20% de intenções de voto, em tendência de alta, mostra que a ameaça da besta assumir a liderança da direita brasileira não é um delírio.
Os mais velhos se recordam quando o grotesco Jean-Marie, pai da mais burilada Marine Le Pen era apenas um sujeito “folclórico” que dizia sandices como chamar as câmaras de gás de  “um detalhe da Segunda Guerra Mundial”.
O domingo passado mostrou que, embora perdendo, arrastou um terço da sociedade francesa.
Não é impossível que surja aqui um equivalente, do tipo “a ditadura deveria ter matado mais”, na esteira do ódio político que se instalou no país.
Mesmo suas versões mais (e não tanto) amenizadas, como o bufão paulistano, que se habilita ao posto de Bolsonaro chique – não, chique não é cult – não parecem ter fõlego diante da brutalidade em estado puro.
Não parece plausível que ambos possam ser substituído por uma “aventura Moro”: o seu desempenho pessoal é muito fraco, o olhar vazio, inconvincente e os métodos, primários.
Lula – que a pesquisa registra seguir na frente e sem quedas por conta da ofensiva acusatória dos últimos dias- é maduro o suficiente de não “embarcar” numa polarização com Dória, Bolsonaro (que o desejam ardentemente) e sequer com os tucanos.
Só os ingênuos e os temerários podem querer adotar uma estratégia de enfrentar 2018 com uma esquerda “pura” e, com isso, abrir mão da repulsa ao horror que a direita real – agora, a mais feroz – vai despertando, à medida em que se consolida.
Ao mesmo tempo, é preciso “fechar a porteira” do campo popular que o sustenta e que mostrou, depois de dois anos de massacre midiático, a força da memória popular.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O desespero da Globo com seu circo de horrores

Lava Jato pode apresentar a lista de santos que o Brasil deve votar em 2018

Assaltantes estão causando terror no Distrito de Maria Quitéria