Pular para o conteúdo principal

Bolsonaro deixa de ser delírio para ser ameaça real, segundo DataPoder360

Por Genaldo de Melo
Com a queda em todas as pesquisas de opinião sobre as eleições de 2018 dos principais nomes que a direita brasileira sempre teve a disposição, quem assustadoramente está crescendo e se colocando em segundo lugar, somente perdendo para Lula, é exatamente o candidato da extrema-direita, que ninguém, absolutamente ninguém, do mundo político deseja, o deputado federal Jair Bolsonaro.

Para todos que estão acostumados com o discurso da coexistência de vários pensamentos e projetos políticos de poder, Bolsonaro representa o perigo real, porque como ele mesmo vem se definindo nos últimos tempos, ele é a direita mais clara, pintada das matizes mais cruéis, que não aceita e não comunga de modo nenhum com a existência da diversidade brasileira.

Ele é contra homossexuais, contra os direitos elementares das mulheres brasileiras, contra a raça negra, que é predominante no território brasileiro, e pior ainda, nas entrelinhas destaca-se publicamente com seu discurso fascista.

A pesquisa de hoje do DataPoder360 coloca ele em segundo lugar em intenções de votos, na casa dos 20%, com tendência real de franco crescimento. Ele é descrito pelo jornalista Fernando Brito como a “besta” que deixa de ser apenas um delírio para ser de fato uma ameaça para a tão combalida democracia brasileira. Vela o artigo de Fernando Brito em seu Blog ‘Tijolaço”:

A ameaça da besta não é mais um delírio

Por Fernando Brito, editor do Tijolaço

Um exagero aqui, uma redução lá, fato é que a pesquisa divulgada hoje pelo Poder360 mostrando que Jair Bolsonaro circula em torno dos 20% de intenções de voto, em tendência de alta, mostra que a ameaça da besta assumir a liderança da direita brasileira não é um delírio.
Os mais velhos se recordam quando o grotesco Jean-Marie, pai da mais burilada Marine Le Pen era apenas um sujeito “folclórico” que dizia sandices como chamar as câmaras de gás de  “um detalhe da Segunda Guerra Mundial”.
O domingo passado mostrou que, embora perdendo, arrastou um terço da sociedade francesa.
Não é impossível que surja aqui um equivalente, do tipo “a ditadura deveria ter matado mais”, na esteira do ódio político que se instalou no país.
Mesmo suas versões mais (e não tanto) amenizadas, como o bufão paulistano, que se habilita ao posto de Bolsonaro chique – não, chique não é cult – não parecem ter fõlego diante da brutalidade em estado puro.
Não parece plausível que ambos possam ser substituído por uma “aventura Moro”: o seu desempenho pessoal é muito fraco, o olhar vazio, inconvincente e os métodos, primários.
Lula – que a pesquisa registra seguir na frente e sem quedas por conta da ofensiva acusatória dos últimos dias- é maduro o suficiente de não “embarcar” numa polarização com Dória, Bolsonaro (que o desejam ardentemente) e sequer com os tucanos.
Só os ingênuos e os temerários podem querer adotar uma estratégia de enfrentar 2018 com uma esquerda “pura” e, com isso, abrir mão da repulsa ao horror que a direita real – agora, a mais feroz – vai despertando, à medida em que se consolida.
Ao mesmo tempo, é preciso “fechar a porteira” do campo popular que o sustenta e que mostrou, depois de dois anos de massacre midiático, a força da memória popular.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A manipulação grosseira da Globo do Dia do Trabalho

Por Genaldo de Melo Dificilmente assisto a Rede Globo, porque além de não ter mais paciência, não concordo com a manipulação que ela faz com suas edições políticas contra a esquerda brasileira, e hoje definitivamente contra a democracia brasileira.
Mas confesso que ontem resolvi acompanhar o Jornal Nacional para ver que tipo de grosseria jornalística ela poderia fazer com esse Dia do Trabalho, em que parcela do povo ocupou às ruas em defesa de Lula e da democracia.
Simplesmente vergonhoso seu jornalismo da obediência, pois utilizou a maior parte do noticiário para sensacionalizar e sensibilizar a população sobre o incêndio em São Paulo, e manipulou sua edição com imagens que não mostraram a verdade das ruas no dia do trabalhador.
Não que não seja importante noticiar o incêndio do prédio paulista, mas porque descaradamente usou abusivamente do fato para esconder o óbvio de que os brasileiros ocuparam em massa as ruas do Brasil em defesa de Lula e em defesa da democracia.
Nos fatos ficou cla…

ACM Neto pode não ser mais candidato nas próximas eleições na Bahia

Por Genaldo de Melo Reza a cantilena popular que para bom entendedor meia palavra basta, de modo que não precisa ser muito inteligente ou até mesmo conhecer os bastidores do mundo político, para saber do dilema existencial por qual passa o prefeito de Salvador, ACM Neto, em torno da perigosa decisão que precisa tomar logo, porque o tempo como ele pensa e verbaliza não é tão grande assim, para se lançar como o nome das oposições ao governo do Estado da Bahia nessas eleições vindouras.
Basta somente dialogar com os fatos e analisar mais friamente as próprias palavras do prefeito em entrevista que concedeu na abertura do carnaval da capital baiana para se chegar a dolorosa e cruel conclusão de que ACM Neto não tem tanta certeza assim de uma provável vitória.
ACM Neto verbalizou nas entrelinhas que a decisão não é tão fácil assim como pensam seus aliados, até mesmo porque em se lançando candidato a governador e perdendo as eleições, ele ficará quatro anos sem mandato e sem a possibilidade e …

Sem Lula cidadãos conscientes continuam preferindo Manuela

Por Genaldo de Melo Caso não haja a possibilidade de Lula ser candidato à Presidente da República, muitos cidadãos brasileiros conscientes da importância de um representante que tenha mais a cara do povo brasileiro, e não o espectro dos interesses internacionais, ficarão órfãos para ter que escolher entre os postulantes de centro e de esquerda que estão se colocando a disposição das urnas.
Todos os nomes colocados até o momento que poderiam substituir Lula nas urnas não conseguiram ainda atingir os dois dígitos nas pesquisas eleitorais. Entre os mais bem colocados estão Ciro Gomes (PDT) e Joaquim Barbosa (este colocado aqui por ser provável postulante do “PSB”, mas muito complicado ainda do ponto de vista ideológico). Ainda em processo de construção da imagem estão Manuela D‘Ávila (PCdoB) e Guilherme Boulos (PSOL).
Em relação a Joaquim Barbosa, rumores dão conta que os verdadeiros socialistas estão se remoendo ainda para ter que aceitar aquele sujeito estranho, com mais interesse nos EUA…