Pular para o conteúdo principal

O Brasil é muito mais rural do que se calcula oficialmente

Por Genaldo de Melo
Resultado de imagem para fotos da agricultura familiar


Depois de anos de pleno desenvolvimento de Políticas Públicas, ainda que tímidas, para o fortalecimento da Agricultura Familiar, como suporte de uma possibilidade de estratégia de desenvolvimento para o Brasil rural, o novo governo coordenado por Michel Temer tem dado claros recados de que defende tacitamente a tese de que realmente o Brasil não pode ser considerado rural, considerando o anacrônico discurso do Decreto-Lei 311 de 1938, do Estado Novo, que considera que cerca de 82% das populações “absolutamente rurais” são urbanas no Brasil

Reverberar o discurso contra a formulação de Políticas Públicas para o fortalecimento da agricultura familiar é um pecado que ultrapassa todos os limites do bom senso, pois os próprios parâmetros da OCDE (Organização de Cooperação e de Desenvolvimento Econômico) diz claramente que somente pode ser considerado urbano os espaços com densidade demográfica acima de 150 hab/kmª, ou seja, que cerca de 70% dos espaços rurais no Brasil não podem ser considerados urbanos, porque têm densidade demográfica inferiores a 40 hab/kmª, e que vivem exclusivamente da Agricultura Familiar e de processos inerentes à mesma.

Enquanto todos os países desenvolvidos do mundo já estabeleceram políticas e planejamento de Políticas Públicas para promover a estratégia de desenvolvimento no campo, considerando exatamente que perto de 50% de toda a população vive exclusivamente das dinâmicas do mundo rural, o Brasil erroneamente trabalha com o discurso do fortalecimento de economias de escala e fomento exclusivo de monoculturas de exportação. 

Um erro que naturalmente em gerações futuras seremos julgados necessariamente, porque o mundo não gira apenas em torno de áreas urbanas, ou seja, a própria dinâmica do mundo rural está a cada dia mais demonstrando que as áreas rurais estão ficando cada vez mais dinâmicas, e não vivendo exclusivamente daquilo que denominamos como o status quo do Brasil rural, ou seja, que vive apenas do setor agropastoril. E também o Brasil não gira apenas em torno da estampa das 11 áreas de influência de macropólos e dos espaços dos microeixos da economia urbana. 

O discurso estatal mais adequado com nossa realidade deveria necessariamente ser afirmar com políticas e planejamento, considerando a agricultura familiar como multifuncional, pluriativa e o vetor da economia mais correto para gerar emprego nos espaços menos densamente povoados (espaços considerado pela OCDE como rurais), enfrentar as desigualdades e conseqüentemente a pobreza, dinamizar as economias dos cerca de 4.500 municípios considerados rurais no país, segundo os parâmetros da OCDE, das três categorias que são consideradas áreas urbanas apenas para o IBGE (urbanizadas, não-urbanizadas e urbanas-isoladas), e dos quatro tipos de aglomerados rurais (extensão urbana, povoados, núcleo e outros).

Assim, e somente assim, estaremos de fato trabalhando uma estratégia de desenvolvimento para o Brasil rural. Pois o discurso oficial ainda não conseguiu esconder o que é mais óbvio, de que somos menos urbanos do que se calcula oficialmente, obedecendo aos anacrônicos parâmetros do getulismo do anos trinta.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Grande oportunidade: Inscrições abertas para o Fundo Socioambiental Caixa

Por Genaldo de Melo A Caixa Econômica Federalestá com inscrições abertas para oFundo Socioambiental Caixa – FSA Caixa, que apóia projetos socioambientais voltados ao desenvolvimento integrado e sustentável para a população de baixa renda. O financiamento varia de 200 mil a 1 milhão de reais. São dois os editais abertos no momento para o FSA Caixa: Desenvolvimento e Cidadania; e Energias Renováveis e Recursos Hídricos. No edital de Desenvolvimento e Cidadania serão selecionados 20 projetos voltados à promoção socioeconômica com foco em saúde, educação, inclusão produtiva e promoção da cidadania, que tenham como finalidade a erradicação da pobreza, inclusão social e econômica, promoção da justiça, da dignidade e da qualidade de vida, implementados por organizações da sociedade civil sem fins lucrativos que atuem junto a grupos e comunidades em situação de vulnerabilidade social. O prazo para inscrição nesse edital é dia 11 de julho. Já no edital de Energias Renováveis e R…

Lula foi inocentado

Por Genaldo de Melo Recentemente o jornalista José Roberto Guzzo, colunista da revista Veja, escreveu um artigo intitulado “É só explicar”, cobrando indignado que Lula deveria aproveitar apenas quinze minutos para explicar sobre o polêmico apartamento que por “convicção" setores do Ministério Público Federal insistem na tese de que foi matéria de propina dada pela empresa OAS ao mesmo.
Interessante é que pelo que sabemos Lula já gastou uma carga de centenas e centenas de quinze minutos explicando que o polêmico apartamento não lhe pertence, e de todos os modos tenta explicar juridicamente esse fantoche político, mas tanto o Ministério Público quanto a mídia do Jornalismo de propaganda política continua insistindo nesse assunto.
Agora realmente o que causa um pouco de indignação é que as testemunhas de acusação que apresentaram seus depoimentos hoje (21/11) ao MPF, absolutamente todas são unânimes em dizer que não podem incriminar Lula, porque elas mesmas não negociaram nada disso em…

O desespero da Globo com seu circo de horrores

Por Genaldo de Melo A Rede Globo de Comunicações, que passou os quinze dias que antecederam o tão badalado depoimento de Lula ao juiz Sérgio Moro, por causa de um triplex, que até agora ninguém mostrou de fato nenhum documento do mesmo no nome dele, e do mesmo modo não comprovou que ele ganhou o mesmo como forma de propina, literalmente entrou em desespero. Interessante é que o tríplex entrou no imposto de renda da OAS, e D. Marisa entrou com um processo judicial para receber sua cota parte de volta, quando desistiu do mesmo, que era de R$ 209 mil em 2009 e hoje é de R$ 300,8 mil (o processo está na 34ª Vara Cível).
A Globo utilizou ao modo de Goebbels o discurso de que Lula poderia, aliás, teria que ser preso ali mesmo em Curitiba, até mesmo com um provável desacato ao juiz, mas como Lula não foi preso porque pelo visto o apartamento não é mesmo dele, partiu para um ataque tão violento, que não se pode dizer que está mais praticando jornalismo.
Do momento do depoimento até agora, quase …