Pular para o conteúdo principal

O PT é hoje o partido que mais cresce no Brasil, segundo o Datafolha

Por Genaldo de Melo
Gostaria de eu mesmo escrever um texto sobre o crescimento que o Partido dos Trabalhadores (PT) está extraordinariamente tendo, mesmo com todas as adversidades, e contra todo o aparato midiático para destruí-lo de qualquer modo.

Mas como não sou petista, mesmo assim correrei o risco de ser taxado e tratado como petista escrevendo eu próprio sobre o assunto, porque tudo nesse país que representar o pensamento de esquerda, para a mídia e para seus fiéis e cegos seguidores "é coisa de PT".

Desse modo repassarei o artigo de um especialista para que todos fiquem sabendo, que parece que apesar de todas as atenções que vem sendo dada pela imprensa tradicional brasileira para que se crie a imagem de um partido corrupto, como uma organização criminosa, o povo em si está descobrindo que tudo não passa da luta política, e que nas urnas o PT sempre venceu porque tinha um projeto de poder em que o próprio povo, principalmente os pobres, estavam incluídos.

Leiam abaixo artigo de Fernando Nogueira da Costa, professor titular da IE-UNICAMP,  sobre isso em seu Blog:

Preferência Partidária no Brasil

(Fonte: https://fernandonogueiracosta.wordpress.com)

A desconfiança em partidos e políticos, em geral, não é restrita ao Brasil, nestes tempos agitados sob crescimento do conservadorismo. Recebi de um colega uma pesquisa feita na França (Fractures Françaises_2016) que ajuda muito a entender a configuração eleitoral atual, mas que pode ser lida como um bom subsídio para pensar a situação brasileira.
A pesquisa é muito detalhada. Ressalto somente um aspecto dos resultados: muitos dos indicadores tem valor médio próximos ao que pensam os simpatizantes da FN (Frente Nacional), partido xenófobo que disputa o segundo turno na França. Lá como cá, há necessidade de Frente Ampla da Esquerda contra os neoliberais e a direita.
Ricardo Mendonça (Valor, 04/05/17) informa que pesquisa Datafolha divulgada no domingo (30 de abril de 2017) (clique para download) mostra que o PT está conseguindo recuperar parte dos simpatizantes que havia perdido durante o conturbado e incompleto segundo mandato da ex-presidente Dilma Rousseff. Conforme o levantamento feito em 26 e 27 de abril, a legenda do PT é citada como a preferida por 15% dos brasileiros. Trata-se da melhor taxa obtida pelo PT desde o fim de 2014. O PSDB e PMDB alcançam 4% cada. Psol, PV, PDT e PTB aparecem empatados com 1%. Os demais partidos não pontuam.
O PT lidera esse tipo de ranking desde o fim dos anos 90, ainda durante o governo do tucano Fernando Henrique Cardoso. Passou anos com taxa sempre acima de 20%, mas caiu fortemente no seu pior momento, em março de 2015, logo após a segunda posse da ex-presidente Dilma Rousseff. Afundou para 9%, devido ao estelionato eleitoral que representou Joaquim Levy e seu programa neoliberal no Ministério da Fazenda.
Coincide com o período da primeira grande onda de manifestações de rua da direita contra ela. Três meses depois, o PT registrou 11% de preferência (variação na margem de erro) e ficou ainda em uma situação de empate técnico com os 9% alcançados pelo PSDB – o melhor resultado histórico dos tucanos. Em dezembro de 2016, após o golpe e o péssimo desempenho dos petistas nas eleições municipais, a simpatia pelo PT voltou para 9%.
O Datafolha investiga preferência partidária desde 1989. Na série de 26 anos, o melhor momento do PT foi em abril de 2012, quando foi citado por quase um terço dos brasileiros (31%). Esta é a época da Cruzada da Dilma contra os juros altos. Até hoje os economistas neoliberais fazem campanha de ódio contra a Nova Matriz Macroeconômica em suas colunas no PIG. Acham que defendem O Mercado…
Na pesquisa atual, os melhores desempenhos da sigla foram registrados na região Nordeste, onde 22% citam o PT como o partido preferido, entre os eleitores de famílias com renda mensal de até dois salários mínimos (19%) e no conjunto dos que têm entre 25 e 34 anos (18%). O pior resultado é entre os que recebem mais de cinco e menos de dez salários mínimos (9%), i.é, na classe média “média”, nem alta, nem baixa. E reaça… contra o medo da proletarização.
Como é constatado há anos por meio desse tipo de pesquisa, mais da metade da população diz que não prefere partido político algum. Nesta última rodada, a resposta “nenhum” foi citada por 66%. Em dezembro de 2016, no momento de maior rejeição aos partidos, chegou a 75%.
Com 2.781 entrevistas, a margem de erro total do atual levantamento é de dois pontos.
No capítulo eleitoral, a pesquisa mostrou que o ex-presidente Lula lidera todas as simulações de primeiro turno, variando entre 29% e 31% das intenções de voto, conforme o cenário. A ex-ministra Marina Silva (Rede) e o deputado Jair Bolsonaro (PSC) disputam a segunda colocação. Mas a tendência é de ambos perderem no segundo turno, caso lá chegarem.
De 0 a 10, a nota média atribuída ao desempenho de Temer é 3.
Oito em cada dez brasileiros (79%) avaliam que o peemedebista fez menos pelo país do que esperavam que ele fizesse, e somente 4% acreditam que ele fez mais do que o esperado. Para 10%, Temer fez o que esperavam, e os demais não opinaram (3%) ou deram outras respostas espontâneas à questão (4%). A taxa de decepcionados é mais baixa entre os mais ricos (65%) e entre os mais velhos (68%), e mais alta na região Nordeste do país (84%).
desempenho dos deputados e senadores que estão atualmente no Congresso Nacional é reprovado por 58% dos brasileiros, índice que se iguala ao mais alto na série histórica, registrado em dezembro do ano passado. Consideram o trabalho dos congressistas ótimo ou bom somente 7%, e para 31% é regular. Uma parcela de 4% preferiu não opinar sobre o assunto.
A maioria dos brasileiros (89%) ignora a opinião de que no Brasil nada funciona, nada dá certo, e avalia que o Brasil tem jeito. Esse índice fica próximo do registrado em dezembro de 2015 (87%) e dezembro de 1996 (86%). Atualmente, 9% acreditam que o país não tem jeito, e 2% têm outra opinião sobre o assunto.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A manipulação grosseira da Globo do Dia do Trabalho

Por Genaldo de Melo Dificilmente assisto a Rede Globo, porque além de não ter mais paciência, não concordo com a manipulação que ela faz com suas edições políticas contra a esquerda brasileira, e hoje definitivamente contra a democracia brasileira.
Mas confesso que ontem resolvi acompanhar o Jornal Nacional para ver que tipo de grosseria jornalística ela poderia fazer com esse Dia do Trabalho, em que parcela do povo ocupou às ruas em defesa de Lula e da democracia.
Simplesmente vergonhoso seu jornalismo da obediência, pois utilizou a maior parte do noticiário para sensacionalizar e sensibilizar a população sobre o incêndio em São Paulo, e manipulou sua edição com imagens que não mostraram a verdade das ruas no dia do trabalhador.
Não que não seja importante noticiar o incêndio do prédio paulista, mas porque descaradamente usou abusivamente do fato para esconder o óbvio de que os brasileiros ocuparam em massa as ruas do Brasil em defesa de Lula e em defesa da democracia.
Nos fatos ficou cla…

ACM Neto pode não ser mais candidato nas próximas eleições na Bahia

Por Genaldo de Melo Reza a cantilena popular que para bom entendedor meia palavra basta, de modo que não precisa ser muito inteligente ou até mesmo conhecer os bastidores do mundo político, para saber do dilema existencial por qual passa o prefeito de Salvador, ACM Neto, em torno da perigosa decisão que precisa tomar logo, porque o tempo como ele pensa e verbaliza não é tão grande assim, para se lançar como o nome das oposições ao governo do Estado da Bahia nessas eleições vindouras.
Basta somente dialogar com os fatos e analisar mais friamente as próprias palavras do prefeito em entrevista que concedeu na abertura do carnaval da capital baiana para se chegar a dolorosa e cruel conclusão de que ACM Neto não tem tanta certeza assim de uma provável vitória.
ACM Neto verbalizou nas entrelinhas que a decisão não é tão fácil assim como pensam seus aliados, até mesmo porque em se lançando candidato a governador e perdendo as eleições, ele ficará quatro anos sem mandato e sem a possibilidade e …

Sem Lula cidadãos conscientes continuam preferindo Manuela

Por Genaldo de Melo Caso não haja a possibilidade de Lula ser candidato à Presidente da República, muitos cidadãos brasileiros conscientes da importância de um representante que tenha mais a cara do povo brasileiro, e não o espectro dos interesses internacionais, ficarão órfãos para ter que escolher entre os postulantes de centro e de esquerda que estão se colocando a disposição das urnas.
Todos os nomes colocados até o momento que poderiam substituir Lula nas urnas não conseguiram ainda atingir os dois dígitos nas pesquisas eleitorais. Entre os mais bem colocados estão Ciro Gomes (PDT) e Joaquim Barbosa (este colocado aqui por ser provável postulante do “PSB”, mas muito complicado ainda do ponto de vista ideológico). Ainda em processo de construção da imagem estão Manuela D‘Ávila (PCdoB) e Guilherme Boulos (PSOL).
Em relação a Joaquim Barbosa, rumores dão conta que os verdadeiros socialistas estão se remoendo ainda para ter que aceitar aquele sujeito estranho, com mais interesse nos EUA…