Pular para o conteúdo principal

O PT é hoje o partido que mais cresce no Brasil, segundo o Datafolha

Por Genaldo de Melo
Gostaria de eu mesmo escrever um texto sobre o crescimento que o Partido dos Trabalhadores (PT) está extraordinariamente tendo, mesmo com todas as adversidades, e contra todo o aparato midiático para destruí-lo de qualquer modo.

Mas como não sou petista, mesmo assim correrei o risco de ser taxado e tratado como petista escrevendo eu próprio sobre o assunto, porque tudo nesse país que representar o pensamento de esquerda, para a mídia e para seus fiéis e cegos seguidores "é coisa de PT".

Desse modo repassarei o artigo de um especialista para que todos fiquem sabendo, que parece que apesar de todas as atenções que vem sendo dada pela imprensa tradicional brasileira para que se crie a imagem de um partido corrupto, como uma organização criminosa, o povo em si está descobrindo que tudo não passa da luta política, e que nas urnas o PT sempre venceu porque tinha um projeto de poder em que o próprio povo, principalmente os pobres, estavam incluídos.

Leiam abaixo artigo de Fernando Nogueira da Costa, professor titular da IE-UNICAMP,  sobre isso em seu Blog:

Preferência Partidária no Brasil

(Fonte: https://fernandonogueiracosta.wordpress.com)

A desconfiança em partidos e políticos, em geral, não é restrita ao Brasil, nestes tempos agitados sob crescimento do conservadorismo. Recebi de um colega uma pesquisa feita na França (Fractures Françaises_2016) que ajuda muito a entender a configuração eleitoral atual, mas que pode ser lida como um bom subsídio para pensar a situação brasileira.
A pesquisa é muito detalhada. Ressalto somente um aspecto dos resultados: muitos dos indicadores tem valor médio próximos ao que pensam os simpatizantes da FN (Frente Nacional), partido xenófobo que disputa o segundo turno na França. Lá como cá, há necessidade de Frente Ampla da Esquerda contra os neoliberais e a direita.
Ricardo Mendonça (Valor, 04/05/17) informa que pesquisa Datafolha divulgada no domingo (30 de abril de 2017) (clique para download) mostra que o PT está conseguindo recuperar parte dos simpatizantes que havia perdido durante o conturbado e incompleto segundo mandato da ex-presidente Dilma Rousseff. Conforme o levantamento feito em 26 e 27 de abril, a legenda do PT é citada como a preferida por 15% dos brasileiros. Trata-se da melhor taxa obtida pelo PT desde o fim de 2014. O PSDB e PMDB alcançam 4% cada. Psol, PV, PDT e PTB aparecem empatados com 1%. Os demais partidos não pontuam.
O PT lidera esse tipo de ranking desde o fim dos anos 90, ainda durante o governo do tucano Fernando Henrique Cardoso. Passou anos com taxa sempre acima de 20%, mas caiu fortemente no seu pior momento, em março de 2015, logo após a segunda posse da ex-presidente Dilma Rousseff. Afundou para 9%, devido ao estelionato eleitoral que representou Joaquim Levy e seu programa neoliberal no Ministério da Fazenda.
Coincide com o período da primeira grande onda de manifestações de rua da direita contra ela. Três meses depois, o PT registrou 11% de preferência (variação na margem de erro) e ficou ainda em uma situação de empate técnico com os 9% alcançados pelo PSDB – o melhor resultado histórico dos tucanos. Em dezembro de 2016, após o golpe e o péssimo desempenho dos petistas nas eleições municipais, a simpatia pelo PT voltou para 9%.
O Datafolha investiga preferência partidária desde 1989. Na série de 26 anos, o melhor momento do PT foi em abril de 2012, quando foi citado por quase um terço dos brasileiros (31%). Esta é a época da Cruzada da Dilma contra os juros altos. Até hoje os economistas neoliberais fazem campanha de ódio contra a Nova Matriz Macroeconômica em suas colunas no PIG. Acham que defendem O Mercado…
Na pesquisa atual, os melhores desempenhos da sigla foram registrados na região Nordeste, onde 22% citam o PT como o partido preferido, entre os eleitores de famílias com renda mensal de até dois salários mínimos (19%) e no conjunto dos que têm entre 25 e 34 anos (18%). O pior resultado é entre os que recebem mais de cinco e menos de dez salários mínimos (9%), i.é, na classe média “média”, nem alta, nem baixa. E reaça… contra o medo da proletarização.
Como é constatado há anos por meio desse tipo de pesquisa, mais da metade da população diz que não prefere partido político algum. Nesta última rodada, a resposta “nenhum” foi citada por 66%. Em dezembro de 2016, no momento de maior rejeição aos partidos, chegou a 75%.
Com 2.781 entrevistas, a margem de erro total do atual levantamento é de dois pontos.
No capítulo eleitoral, a pesquisa mostrou que o ex-presidente Lula lidera todas as simulações de primeiro turno, variando entre 29% e 31% das intenções de voto, conforme o cenário. A ex-ministra Marina Silva (Rede) e o deputado Jair Bolsonaro (PSC) disputam a segunda colocação. Mas a tendência é de ambos perderem no segundo turno, caso lá chegarem.
De 0 a 10, a nota média atribuída ao desempenho de Temer é 3.
Oito em cada dez brasileiros (79%) avaliam que o peemedebista fez menos pelo país do que esperavam que ele fizesse, e somente 4% acreditam que ele fez mais do que o esperado. Para 10%, Temer fez o que esperavam, e os demais não opinaram (3%) ou deram outras respostas espontâneas à questão (4%). A taxa de decepcionados é mais baixa entre os mais ricos (65%) e entre os mais velhos (68%), e mais alta na região Nordeste do país (84%).
desempenho dos deputados e senadores que estão atualmente no Congresso Nacional é reprovado por 58% dos brasileiros, índice que se iguala ao mais alto na série histórica, registrado em dezembro do ano passado. Consideram o trabalho dos congressistas ótimo ou bom somente 7%, e para 31% é regular. Uma parcela de 4% preferiu não opinar sobre o assunto.
A maioria dos brasileiros (89%) ignora a opinião de que no Brasil nada funciona, nada dá certo, e avalia que o Brasil tem jeito. Esse índice fica próximo do registrado em dezembro de 2015 (87%) e dezembro de 1996 (86%). Atualmente, 9% acreditam que o país não tem jeito, e 2% têm outra opinião sobre o assunto.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Globo agora anuncia a incrível piada de início de ano com Luciano Huck e Angélica

Por Genaldo de Melo A Rede Globo sempre esteve envolvida nas tentativas de apresentar para a sociedade brasileira candidatos à presidente que representassem a possibilidade de a pequena minoria conservadora e dona dos meios de produção do país tomassem conta do Estado e ficassem no controle dos recursos dos cofres públicos. Mas nunca essa rede de comunicação com concessão pública escancarou tanto na suas escolhas com fez nesse final de semana com a participação de seu funcionário Luciano Huck no programa televisivo de maior audiência do país em um domingo à tarde.
Luciano Huck, que numa contradição além dos limites para um sujeito que aconselha publicamente a seriedade, a honestidade e o combate à corrupção dos homens públicos, demonstrou que além de falta de seriedade dele próprio já que havia desistido publicamente de candidatura, também demonstrou que a Rede Globo resolveu entrar de vez na disputa para ter um nome na Presidência da República para chamar de seu.
E mais grave ainda, par…

O desespero da Globo com seu circo de horrores

Por Genaldo de Melo A Rede Globo de Comunicações, que passou os quinze dias que antecederam o tão badalado depoimento de Lula ao juiz Sérgio Moro, por causa de um triplex, que até agora ninguém mostrou de fato nenhum documento do mesmo no nome dele, e do mesmo modo não comprovou que ele ganhou o mesmo como forma de propina, literalmente entrou em desespero. Interessante é que o tríplex entrou no imposto de renda da OAS, e D. Marisa entrou com um processo judicial para receber sua cota parte de volta, quando desistiu do mesmo, que era de R$ 209 mil em 2009 e hoje é de R$ 300,8 mil (o processo está na 34ª Vara Cível).
A Globo utilizou ao modo de Goebbels o discurso de que Lula poderia, aliás, teria que ser preso ali mesmo em Curitiba, até mesmo com um provável desacato ao juiz, mas como Lula não foi preso porque pelo visto o apartamento não é mesmo dele, partiu para um ataque tão violento, que não se pode dizer que está mais praticando jornalismo.
Do momento do depoimento até agora, quase …

Lava Jato pode apresentar a lista de santos que o Brasil deve votar em 2018

Por Genaldo de Melo O procurador da República em Curitiba, um dos coordenadores da Operação Lava Jato, Deltan Dallagnol, parece que compreendendo que o povo brasileiro é um dos mais despolitizados do mundo, tanto que escolhe sempre os piores para serem representantes no Congresso Nacional, quer que para se terminar com a Operação de vez em 2018, orientar para que se vote nos melhores, só não diz quem são os melhores para um povo que vende o voto para corruptos.
Em sua aparição na Globonews, como se fosse um artista de cinema ou um astro do futebol, fala do fim da Lava Jato, mas deixa bem claro que ela só acaba se os brasileiros melhorarem o Congresso Nacional nas urnas. Ele parece que quer continuar com seus espetáculos e não resolver de fato o problema de combate e prevenção da corrupção, pois trabalha como um cabo eleitoral, e efetivamente não prendeu ninguém que foi delatado ligado aos tucanos, demistas e peemedebistas (com exceção de Cunha, que ninguém sabe de fato se realmente ele …