Pular para o conteúdo principal

Ainda não somos nem povo e nem Sociedade Civil

Por Genaldo de Melo
No Brasil não temos absolutamente nenhum tipo de povo no sentido mais político da palavra, o que temos na realidade é uma sociedade formada por uma grande massa de gente manipulada culturalmente por poucos que detém os instrumentos formadores de opinião. Não temos absolutamente nenhum tipo de sociedade civil no sentido mais literal da palavra, o que temos na verdade são grupos de interesses, que organizados em torno da luta por direitos econômicos pautam os governos e as estruturas empresariais por melhores condições salariais e de trabalho decente propriamente dito.

Mesmo assim, por mais que iluminados do mundo da intelectualidade conservadora queiram dizer o contrário, temos sim a noção prática de direita e esquerda na política. Na realidade existe direita e esquerda política e uma grande massa da população que não tem a mínima noção da disputa permanente pelos aparelhos do Estado para controlar exatamente os instrumentos políticos e os próprios recursos públicos.

A esquerda é sempre menor no sentido de números, pois é composta por dirigentes partidários, lideranças sindicais e do movimento popular, e intelectuais orgânicos de instituições governamentais, não-governamentais e nos meios acadêmicos, mas carece de números como se comprova pela própria necessidade de lideranças políticas capazes de inclusive substituir a grande carência política-eleitoral que todos têm da figura de Lula.

A direita ao contrário, é formada por um conjunto da população, especialmente dentro da classe média que estuda mais as teses que defende ou até mesmo é influenciada pela imprensa tradicional que a massa não ler, mais repete. Por mais que atores do campo da esquerda não queiram aceitar essa tese, mas a massa que ainda não é povo não acompanha projetos políticos que a coloca no centro do debate, melhor dizendo, que coloca a mesma dentro do orçamento do Estado. A massa em si acompanha em determinados momentos os líderes carismáticos, e nada mais do que isso.

Prova mais contundente de que ainda não temos sociedade civil e nem povo no sentido mais político da palavra é que a sociedade brasileira está mais preocupada e ocupando as ruas em função da não aprovação da Reforma da Previdência, mas não está literalmente muito preocupada com desastre da Reforma Trabalhista. 

Enquanto isso, a direita brasileira está utilizando a seu bel-prazer seus instrumentos de influência cultural para convencer, e está conseguindo fazer isso com a massa de gente, de que as reformas são necessárias, exatamente porque a esquerda também não tem instrumentos de comunicação que atinjam os mais periféricos locais aonde vive a grande massa populacional que somente recebe como informações políticas, as opiniões de béocios como Fausto Silva e Willian Bonner.

O Movimento Sindical e o movimento social nessa conjuntura precisam de fato criar novos instrumentos que não sejam apenas para atingir seu público alvo, que são os trabalhadores em cada categoria isolada, mas construir processos para está no meio do povo como classe em si contra uma pequena minoria conservadora que não quer de modo nenhum, como a história comprova, dividir os privilégios do Estado com o resto da sociedade. 

É principalmente o Movimento Sindical que deverá servir de instrumento para que a sociedade civil possa existir e que a massa de cidadãos e cidadãs brasileiras tenha a exata consciência de que deve ser povo no sentido mais político da palavra, porque senão retrocederemos dezenas de anos atrás. E a direita brasileira não está brincando de fazer política, ela está fazendo.

No contexto atual da sociedade brasileira, apenas as organizações sindicais e os movimentos sociais podem parar a tese da criação da pobreza para existir como necessária "coisa em si", no sentido mais literal da palavra, como defendem aqueles que comungam por causa de seus interesses particulares das idéias do Consenso de Washington. Ou se faz isso ou sucumbiremos a condição de sociedade colonizada cultural, política e economicamente que fomos durante muitas dezenas de anos atrás!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Globo agora anuncia a incrível piada de início de ano com Luciano Huck e Angélica

Por Genaldo de Melo A Rede Globo sempre esteve envolvida nas tentativas de apresentar para a sociedade brasileira candidatos à presidente que representassem a possibilidade de a pequena minoria conservadora e dona dos meios de produção do país tomassem conta do Estado e ficassem no controle dos recursos dos cofres públicos. Mas nunca essa rede de comunicação com concessão pública escancarou tanto na suas escolhas com fez nesse final de semana com a participação de seu funcionário Luciano Huck no programa televisivo de maior audiência do país em um domingo à tarde.
Luciano Huck, que numa contradição além dos limites para um sujeito que aconselha publicamente a seriedade, a honestidade e o combate à corrupção dos homens públicos, demonstrou que além de falta de seriedade dele próprio já que havia desistido publicamente de candidatura, também demonstrou que a Rede Globo resolveu entrar de vez na disputa para ter um nome na Presidência da República para chamar de seu.
E mais grave ainda, par…

O desespero da Globo com seu circo de horrores

Por Genaldo de Melo A Rede Globo de Comunicações, que passou os quinze dias que antecederam o tão badalado depoimento de Lula ao juiz Sérgio Moro, por causa de um triplex, que até agora ninguém mostrou de fato nenhum documento do mesmo no nome dele, e do mesmo modo não comprovou que ele ganhou o mesmo como forma de propina, literalmente entrou em desespero. Interessante é que o tríplex entrou no imposto de renda da OAS, e D. Marisa entrou com um processo judicial para receber sua cota parte de volta, quando desistiu do mesmo, que era de R$ 209 mil em 2009 e hoje é de R$ 300,8 mil (o processo está na 34ª Vara Cível).
A Globo utilizou ao modo de Goebbels o discurso de que Lula poderia, aliás, teria que ser preso ali mesmo em Curitiba, até mesmo com um provável desacato ao juiz, mas como Lula não foi preso porque pelo visto o apartamento não é mesmo dele, partiu para um ataque tão violento, que não se pode dizer que está mais praticando jornalismo.
Do momento do depoimento até agora, quase …

Lava Jato pode apresentar a lista de santos que o Brasil deve votar em 2018

Por Genaldo de Melo O procurador da República em Curitiba, um dos coordenadores da Operação Lava Jato, Deltan Dallagnol, parece que compreendendo que o povo brasileiro é um dos mais despolitizados do mundo, tanto que escolhe sempre os piores para serem representantes no Congresso Nacional, quer que para se terminar com a Operação de vez em 2018, orientar para que se vote nos melhores, só não diz quem são os melhores para um povo que vende o voto para corruptos.
Em sua aparição na Globonews, como se fosse um artista de cinema ou um astro do futebol, fala do fim da Lava Jato, mas deixa bem claro que ela só acaba se os brasileiros melhorarem o Congresso Nacional nas urnas. Ele parece que quer continuar com seus espetáculos e não resolver de fato o problema de combate e prevenção da corrupção, pois trabalha como um cabo eleitoral, e efetivamente não prendeu ninguém que foi delatado ligado aos tucanos, demistas e peemedebistas (com exceção de Cunha, que ninguém sabe de fato se realmente ele …