Pular para o conteúdo principal

É ridículo ser inteligente no Brasil

Por Genaldo de Melo
O Brasil nunca foi um país tão dividido politicamente como se encontra atualmente, com a destilação de ódio vivo por parte de algumas pessoas que acreditam piamente que compreendem a política, que compreendem como funciona uma democracia representativa, aonde quem vence governa necessariamente para todos, e quem perde deve respeitar as vozes das urnas e voltar a trabalhar para em próximas eleições convencer a maioria e vencer "nas urnas".

Do mesmo modo, quem vence nas urnas deve necessariamente administrar a coisa pública pensando também em quem perdeu, necessariamente governar para o conjunto da sociedade. Nesse sentido, compreendemos que necessariamente houve quem formasse a opinião do ódio na sociedade desse modo como se encontra, porque o ódio social não nasce do acaso e da coincidência, porque isso principalmente em política não existe.

Percebe-se um fenômeno também bastante claro, o ódio destilado está presente hoje em todas as correntes e matizes ideológicas, porém parece que ele está mais presente em uma camada social que faz parte da classe mais instruída da sociedade brasileira, a classe média, que em tese deveria não se influenciar por comportamentos ridículos que antes ela mesma não tinha.

Provando o discurso de Horkheimer de que "os inteligentes sempre facilitam as coisas para os bárbaros, porque são tão estúpidos", são exatamente alguns inteligentes que são os mais manipulados pela imprensa tradicional, que foi o principal instrumento para a construção desse ódio na sociedade brasileira, que é uma democracia em que o poder político nasce do voto popular, e ninguém, absolutamente ninguém, é diferente e nem maior que o outro, pois todos os cidadãos têm unicamente um voto para dá, e deve ser respeitado.

Tem uma parcela da população que em tese deveria ser de fato inteligente e não subestimar a própria lógica dos fatos, mas não está enxergando politicamente um palmo diante do nariz. Parcela dos formadores de opinião desse país, inseridos aí gente que nunca foi petista, desde que se começou essa eterna cantilena de que o PT inventou a corrupção, vinha dizendo que Aécio Neves e sua turma nunca foi flor que se cheira. E mesmo Aécio Neves em vias de fato para ser preso por corrupção, continua-se com a mesma narrativa de que somente quem roubou foi o PT.

Tem que ser preso é todo mundo que for comprovado que roubou, de qualquer partido e de qualquer quadrilha política. Aécio Neves e Michel Temer comprovadamente pelos áudios da JBS são corruptos, e a turma de papagaios que não sabem nem mesmo o que é ser de direita numa democracia, continua a repetir como papagaio que Lula é ladrão. Acho que deveria provar, e nesse caso com provas factíveis colocar ele no devido lugar dos ladrões como o mineiro e o rei do Tietê. A democracia é isso, se não se provar nada contra Lula ele é candidato, e se a maioria votar ele é presidente, mesmo nessa sociedade que se tornou doente!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Grande oportunidade: Inscrições abertas para o Fundo Socioambiental Caixa

Por Genaldo de Melo A Caixa Econômica Federalestá com inscrições abertas para oFundo Socioambiental Caixa – FSA Caixa, que apóia projetos socioambientais voltados ao desenvolvimento integrado e sustentável para a população de baixa renda. O financiamento varia de 200 mil a 1 milhão de reais. São dois os editais abertos no momento para o FSA Caixa: Desenvolvimento e Cidadania; e Energias Renováveis e Recursos Hídricos. No edital de Desenvolvimento e Cidadania serão selecionados 20 projetos voltados à promoção socioeconômica com foco em saúde, educação, inclusão produtiva e promoção da cidadania, que tenham como finalidade a erradicação da pobreza, inclusão social e econômica, promoção da justiça, da dignidade e da qualidade de vida, implementados por organizações da sociedade civil sem fins lucrativos que atuem junto a grupos e comunidades em situação de vulnerabilidade social. O prazo para inscrição nesse edital é dia 11 de julho. Já no edital de Energias Renováveis e R…

Lula foi inocentado

Por Genaldo de Melo Recentemente o jornalista José Roberto Guzzo, colunista da revista Veja, escreveu um artigo intitulado “É só explicar”, cobrando indignado que Lula deveria aproveitar apenas quinze minutos para explicar sobre o polêmico apartamento que por “convicção" setores do Ministério Público Federal insistem na tese de que foi matéria de propina dada pela empresa OAS ao mesmo.
Interessante é que pelo que sabemos Lula já gastou uma carga de centenas e centenas de quinze minutos explicando que o polêmico apartamento não lhe pertence, e de todos os modos tenta explicar juridicamente esse fantoche político, mas tanto o Ministério Público quanto a mídia do Jornalismo de propaganda política continua insistindo nesse assunto.
Agora realmente o que causa um pouco de indignação é que as testemunhas de acusação que apresentaram seus depoimentos hoje (21/11) ao MPF, absolutamente todas são unânimes em dizer que não podem incriminar Lula, porque elas mesmas não negociaram nada disso em…

O desespero da Globo com seu circo de horrores

Por Genaldo de Melo A Rede Globo de Comunicações, que passou os quinze dias que antecederam o tão badalado depoimento de Lula ao juiz Sérgio Moro, por causa de um triplex, que até agora ninguém mostrou de fato nenhum documento do mesmo no nome dele, e do mesmo modo não comprovou que ele ganhou o mesmo como forma de propina, literalmente entrou em desespero. Interessante é que o tríplex entrou no imposto de renda da OAS, e D. Marisa entrou com um processo judicial para receber sua cota parte de volta, quando desistiu do mesmo, que era de R$ 209 mil em 2009 e hoje é de R$ 300,8 mil (o processo está na 34ª Vara Cível).
A Globo utilizou ao modo de Goebbels o discurso de que Lula poderia, aliás, teria que ser preso ali mesmo em Curitiba, até mesmo com um provável desacato ao juiz, mas como Lula não foi preso porque pelo visto o apartamento não é mesmo dele, partiu para um ataque tão violento, que não se pode dizer que está mais praticando jornalismo.
Do momento do depoimento até agora, quase …