O desafio de enfrentar uma cara que dispara cada vez mais nas pesquisas

Por Genaldo de Melo
É impressionante o grande abismo existente entre o massacre diário da imprensa tradicional feito contra Lula, com uma narrativa extremamente negativa, colocando-o em todos os momentos como o grande chefe da organização criminosa que é o PT (segundo o discurso diário), e o seu vertiginoso crescimento político em todas as pesquisas de intenções de votos para as eleições presidenciais de 2018.

Por mais que adversários de Lula defendam o discurso de que ele é criminoso, devem necessária e obrigatoriamente provar isso, porque senão não terá nenhum fundamento numa sociedade que já chegou a conclusão de que tudo o que houve no Brasil foi um golpe de Estado, e que assumiu o poder uma organização formada de criminosos, que a cada dia mais se revelam os seus crimes.

E enquanto isso se tenta a todo custo fundamentar um discurso de um apartamento como propina, que naturalmente como ex-presidente Lula poderia ter comprado, de um terreno do Instituto Lula que não existe em nome do próprio Instituto, de uns pedalinhos em uma chácara de final de semana, de um ticket de pedágio que prova que Lula foi para determinado lugar, como se não pudesse ir, como se essas pequenas coisas inventadas fossem substituir de fato crimes como receber R$ 23 milhões em propina, como se fosse maior do que mensalões de R$ 500 mil reais por mês durante 20 anos, como se fosse maior do que o recebimento de fortunas por PSDB, DEM e PMDB para se gastar em campanhas eleitorais, resultado de roubo do erário público.

O contraste entre a narrativa de que Lula é um criminoso sem provas convincentes (porque se existissem teríamos que ser muitos burros para acreditar de que ele já não estaria preso em Curitiba), e os resultados das pesquisas de intenções de votos têm como resultado exatamente a dianteira que ele está tendo diante de todos os candidatos.

E a direita está ficando numa situação muito ruim, porque tem que decidir logo, ou apóia um sujeito estranho em seu discurso como Bolsonaro para chegar a acreditar na possibilidade de vitória ou então vai ter que de novo se alinhar a Lula na tal da governabilidade, porque o povo pelo visto não acredita em discursos vazios e convicções sem provas. E vence quem tem a maioria dos votos nas urnas, a não ser que queiram formatar outro golpe, ou então matar Lula!

Comentários