O muro "Feiraméxico" de Trump em Feira de Santana

Por Genaldo de Melo
passarela_conceicao_lobo
Cada vez mais os vereadores de Feira de Santana surpreendem o mundo político com pitorescos e folclóricos "fenômenos", que devem ser estudados sociologicamente no futuro.

Mal começou esse mandato legislativo e já vimos coisas que devem envergonhar aqueles que já fizeram da Casa da Cidadania um espaço de debate, e de apresentação de proposições para melhorar a vida dos feirenses.

Pelo menos cinco fatos aconteceram que devem servir de motivos de risadas para quem gosta de piadas. Primeiro foi o vereador da oposição Zé Filé (PROS), que em vez de se preocupar com os instrumentos maiores de captação de recursos pela Prefeitura Municipal, escandalizou o discurso com apenas o ISS do show de Roberto Carlos.

Depois apareceu o vereador de primeiro mandato, o Ron do Povo (PTC), com um vídeo que condena um ex-candidato a vereador da mesma coligação colocando um tal de negócio de “pó de pemba” com pedaços de luvas e ossos na porta de sua casa. E mais folclórico ainda foi seu discurso acusando um assessor não identificado da Casa lhe oferecendo drogas no estacionamento.

E mais ridículo ainda foi o polêmico vereador fundamentalista Edvaldo Lima (PP) colocar para apreciação dos edis um projeto de lei do Movimento “Escola Sem Partido”. Um eleitor dele (gente boa por sinal!) disse que o projeto é para acabar com a safadeza dessa história de professor ensinar crianças a serem “viados” e comunistas. Ora...!

Agora essa semana dois fatos chamaram atenção dos feirenses, não por instrumentalizar a criação de melhores condições para os cidadãos, mas por preencher o espaço do folclore político. Destaque para a vereadora Eremita Mota (PSDB) e o vereador George Amorim (PSDC).

A primeira já em seu quarto mandato na “cola” da situação, nos últimos tempos a única coisa boa que fez foi defender a tese da restauração do painel de Lênio Braga (do bicho que apareceu no Tomba) na rodoviária local. Simplesmente disse que tem vergonha de ser política com tudo que está acontecendo. Tem gente perguntando quando ela mesmo vai renunciar seu fraco mandato de vereadora de uma cidade com mais de 600 mil habitantes!

O segundo, vereador de primeiro mandato, lembrado por dizer que o salário de vereador em Feira de Santana é maldito, agora propõe a criação de um muro na Avenida Transnordestina, em frente ao Centro de Abastecimento entre a Cidade Nova e o George Américo. Segundo a justificativa é que o povo não passa na passarela local, em vez disso passa por baixo da mesma! Baixou o espírito de Trump nesse moço.

É cada coisa que vemos nessa Câmara de Vereadores em Feira de Santana, que dá saudade de gente como Messias Gonzaga, Marialvo Barreto, Roberto Tourinho (quando era oposição), Beldes Ramos, e outros mais, somente lembrando das recentes faltas da nossa Casa da Cidadania!

Comentários